Neto de italiano cobra no STF explicações de Lula sobre frase

A frase “Gente branca de olhos azuis” dita por Lula causou polêmica

A declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que a crise financeira internacional foi feita por ?gente branca de olhos azuis? não agradou ao jornalista Clóvis Victorio Mezzomo, de 69 anos, que foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) cobrar explicações sobre a frase.

Neto de italianos, o jornalista, porém, não tem olhos azuis, mas verdes. ?Pelo fato de sua família [a do jornalista] ser proveniente do norte da Itália, sua pele é de tez extremamente alva e apresenta, como é comum entre os descendentes, olhos verdes?, destaca trecho da ação, protocolada na quinta-feira (2) no STF.

Na ação, Mezzomo pede que o presidente ?apresente suas explicações para a alegação de que a causa da crise mundial repousa em razões genéticas, ou seja, uma raça ou etnia portadora de gens recessivos é culpada pela crise internacional?.

Para ele, Lula teria cometido crimes de injúria e racismo. "[Houve] uma postura intoleravelmente racista", descreveu Mezzomo. No pedido ?uma interpelação judicial?, o jornalista quer que o presidente se justifique. Caso Lula não se explique ou não convença na sua eventual justificativa, ele poderá entrar com uma queixa-crime contra o presidente.

"Se a explicação do presidente não afastar qualquer dúvida de que houve preconceito, adotaremos medidas judiciais, no sentido de precessá-lo", disse ao G1 o advogado Adriano Mezzomo, filho do jornalista. Para ele, a declaração de Lula coloca em xeque a questão da igualdade racial no Brasil.

O relator do processo no STF é o ministro Celso de Mello, que deverá notificar Lula para que, se quiser, ofereça uma resposta. O relator, no entanto, também pode achar que a ação é infundada e, assim, decidir arquivar a petição.

?Dentre as pessoas mais ricas do mundo, segundo o ranking da Revista Forbes, podemos citar algumas, dentre muitas, que não se enquadram no perfil genético traçado pelo interpelado [o presidente Lula]?, argumenta Mezzomo.

Em visita ao Chile no último sábado (28), o presidente tentou se explicar. Segundo ele, a frase se referia à situação dos imigrantes de países em desenvolvimento na Europa.

A frase que gerou a polêmica foi pronunciada por Lula durante a visita do premiê britânico, Gordon Brown, a Brasília, no último dia 26.

Segundo o assessor especial da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, a frase de Lula foi apenas uma metáfora e não teve conotação racista.

Lula disse que os trabalhadores da América Latina, do Leste Europeu, os indianos e os africanos seriam os primeiros a perder o emprego e sentir os efeitos dos problemas na economia mundial, apesar de não terem "nada a ver com a crise". "Eu estava falando inclusive da perseguição aos imigrantes nos países europeus", destacou o presidente.

Fonte: g1, www.g1.com.br