No Congresso, Hillary diz que Brasil pode ajudar a mudar o Irã

Secretária de Estado dos EUA se reuniu com presidentes do Senado e da Câmara.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, afirmou nesta quarta-feira, em Brasília, que o Brasil pode desempenhar um papel "estratégico" no sentido de "mudar" os objetivos nucleares do governo iraniano, segundo relatos de parlamentares que se reuniram com a chefe da diplomacia dos Estados Unidos.

De acordo com o deputado federal Maurício Rands (PT-PE), Hillary comentou as relações "amistosas" que o Brasil mantém com o Irã e disse que isso "facilitaria" o diálogo.

"Ela quer que o Brasil colabore, dialogando com o Irã, para que o Irã mude a direção que vem tomando", disse o deputado.

Durante a visita de cerca de 30 minutos ao Congresso Nacional, a secretária de Estado americana conversou com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e o presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP). Outros parlamentares apenas acompanharam o encontro.

"Ela disse que o Irã não somente está desenvolvendo armas nucleares visando a Israel como também procurando manter uma hegemonia em todo o Oriente Médio", disse Sarney.

"Ela pediu colaboração na política de não-proliferação de armas, e eu tive a oportunidade de dizer que o Brasil é signatário de um tratado nesse sentido", acrescentou o presidente do Senado.

Honduras e Lula

Hillary também aproveitou a visita ao Congresso para pedir o reconhecimento brasileiro ao novo governo de Honduras, empossado no fim de janeiro.

"Ela fez um apelo na questão de Honduras para que o governo que foi eleito, e está empenhado em resolver os problemas, seja reconhecido", disse o deputado Maurício Rands.

Na tarde desta quarta-feira, a secretária de Estado americana se reúne com o chanceler Celso Amorim e com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e a grande expectativa continua girando em torno da pressão que o governo americano deve fazer para que o Brasil apoie novas sanções ao Irã.

Pela manhã, durante evento de lançamento do Portal Brasil, Lula disse que "não é prudente encostar o Irã na parede".

"O Brasil tem que ter outro rumo. É prudente estabelecer negociações", afirmou o presidente. "O Irã tem o direito de desenvolver energia nuclear para fins pacíficos. Se quiser ir além, isso vai contra a Constituição brasileira, e não podemos concordar." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Fonte: Estadão, www.estadao.com.br