No governo Dilma, renda cresce duas vezes mais rápido do que na era Lula

Nos dois primeiros anos do governo Dilma, a renda média das pessoas ocupadas teve um aumento real de 2,9% ao ano,

Está aí um dado que ajuda a explicar por que a popularidade da presidente Dilma Rousseff continua alta. Em meio à piora de importantes indicadores econômicos (desaceleração do Produto Interno Bruto, recuo da indústria, diminuição dos investimentos), ao menos dois ? talvez os que mais influenciem a decisão do eleitor ? continuam com desempenho positivo, pelo menos por enquanto: a renda e o emprego.

Nos dois primeiros anos do governo Dilma, a renda média das pessoas ocupadas teve um aumento real de 2,9% ao ano, mais que o dobro do verificado na era Lula (1,3% ao ano), de acordo com dados do IBGE, compilados por Achados Econômicos. No total, a alta foi de 10,9% ao longo dos oito anos de Lula e de 5,8% nos dois primeiros de Dilma.

Somente em 2012, o ano do ?pibinho?, em que o PIB cresceu 1% ou menos segundo estimativas, o rendimento médio do brasileiro subiu 3,2% acima da inflação. Não foi das maiores altas da última década, mas está acima da média.

Investimentos

É claro que a renda da população não é consequência unicamente de decisões de um presidente. E é claro, também, que muitos dos efeitos das medidas dos governos no mercado de trabalho não são imediatos. Mas é igualmente verdadeiro que muitos eleitores tendem a aprovar mais o governo de plantão (ou desaprovar menos) quando estão com mais dinheiro no bolso, e a criticar mais quando estão com menos.

Uma questão que permanece agora é se o atual quadro do mercado de trabalho, com baixo desemprego e renda em ascensão, é sustentável. A resposta deve vir nas próximas estatísticas sobre os investimentos das empresas. Os números indicarão se os empresários estão dispostos a colocar mais dinheiro na produção. No terceiro trimestre do ano passado, o que ocorreu foi o inverso, uma queda nos investimentos.

Preços

Alguns leitores deixaram comentários sugerindo incluir nesta análise a alta dos preços. Explico que os números citados até aqui, no texto e nos gráficos, já descontam a inflação. Por exemplo, no primeiro gráfico, a barra da direita mostra um aumento de 3,2%. Esse número se refere a quanto o rendimento subiu acima da inflação. O chamado aumento nominal (sem descontar a inflação) foi de 9,4%. A inflação pelo INPC (um dos índices oficiais) foi de 6,2%. O aumento real, portanto, é aquele mostrado no gráfico, de 3,2%.

O outro gráfico segue a mesma lógica. Os dados estão atualizados pelo INPC a preços de 2012. Na primeira barra, por exemplo, está escrito que a renda média de dezembro de 2011, quando corrigida pela inflação, equivale hoje a R$ 1.749. Em outras palavras, a renda média naquela época (nominalmente de R$ 1.650) tinha um poder de compra equivalente ao que hoje tem uma pessoa que ganha R$ 1.749. Lembrando que aqui estamos trabalhando sempre com dados do IBGE. Respondendo a questão de um leitor, a série histórica da pesquisa mensal de emprego do instituto começa em março de 2002, por isso não há dados de anos anteriores.

Fonte: UOL