Feliciano afirma que usou termo Satanás para dizer "adversário"

Feliciano afirma que usou termo Satanás para dizer "adversário"

eputado havia dito em culto que comissão era "dominada por Satanás".

O deputado Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, explicou nesta segunda-feira (1º) , em sua conta no Twitter, o que ele quis dizer quando afirmou que a comissão era "dominada por Satanás". Segundo o deputado, a intenção era dizer que a comissão era dominada por "adversários", já que, segundo ele, adversário é o significado da palavra satanás em hebraico.

Na última sexta-feira (29), Feliciano afirmou em um culto no interior de Minas Gerais que "pela primeira vez na história deste Brasil um pastor cheio de Espírito Santo conquistou espaço que até ontem era dominado por Satanás".

No início da tarde desta segunda, ele publicou qual foi sua intenção ao usar a palavra. "Quando cito Satanás estar em locais de trabalho, falo sobre Adversários. Satanás ou Satã (do hebraico שָטָן, significa adversário/acusador)", afirmou o deputado em sua conta do Twitter.

O deputado ainda citou o artigo 5º da Constituição Federal, que fala sobre os direitos do cidadão. "Constituição Federal Art. 5o. parágrafo VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença...", escreveu o deputado.

Também nesta segunda, ao tomar conhecimento da frase de Feliciano no culto, a atual vice-presidente da comissão, deputada Antônia Lúcia (PCS-AC) se disse "extremamente ofendida" e afirmou que vai pedir renúncia da vice-presidência.

Feliciano foi à cidade mineira de Passos participar de um evento organizado pela igreja Assembleia de Deus. Durante o culto, realizado em um ginásio, cerca de 50 pessoas usando cartazes e camisetas protestaram do lado de fora contra a permanência do deputado à frente da comissão da Câmara.

Desde sua eleição para presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Feliciano é alvo de protestos para deixar o posto por conta de declarações consideradas homofóbicas e racistas. A pressão se avolumou após o deputado ter divulgado vídeo que equipara as manifestações a "rituais macabros". Ele nega que seja racista ou homofóbico.

Na última semana, o deputado defendeu sua permanência como presidente da comissão, alegando que a eleição ocorreu em conformidade com o regimento da Câmara. ?Conseguimos vencer uma barreira e mostramos que democracia é isso e, às vezes é preciso tomar medidas, não medidas austeras, mas à luz do regimento interno. Um parlamentar precisa ser respeitado, como todo ser humano precisa ser respeitado?, afirmou na ocasião.

Fonte: G1