Nos jornais: governo cancela Enem do meio do ano

Segundo o ministro Fernando Haddad (Educação), não houve tempo para organizar o exame com um modelo de segurança adequado

O Ministério da Educação não irá mais realizar o Enem no meio deste ano, ao contrário do que estava previsto desde que o exame passou a ser usado para substituir os vestibulares em universidades federais.

Segundo o ministro Fernando Haddad (Educação), não houve tempo para organizar o exame com um modelo de segurança adequado (o exame vazou na edição do ano passado). Para as instituições que utilizariam a prova para selecionar turmas para o segundo semestre, o ministro sugeriu que sejam chamados alunos que fizeram o Enem do final de 2009. Na prática, serão convocados estudantes que foram reprovados neste primeiro semestre.

STF deve propor 30 dias de férias para juiz, diz Peluso

A troca de comando do Supremo Tribunal Federal, a partir de 23 de abril, representará uma mudança de estilo. Sai Gilmar Mendes, cujo mandato foi marcado por polêmicas sobre vários temas da vida nacional, e entra Cezar Peluso, eleito ontem, de temperamento mais introspectivo e com atuação voltada a assuntos do Judiciário. Peluso concedeu ontem à Folha uma rara entrevista. Disse que o STF deve propor a reduçãode 60 para 30 dias das férias dos juízes -apesar de, pessoalmente,defender a prerrogativa. "Politicamente para o Supremo não convémentrar em batalhas perdidas", disse.

Capitalismo de FHC é de museu, diz sociólogo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso acerta ao afirmar que o "capitalismo corporativo" traz riscos aos direitos individuais, mas omite a atuação de seu governo em favor de empresas e erra ao concluir que o debate é entre esse modelo ou o "capitalismo de competição", disseram dois sociólogos de esquerda, sem vínculos atuais com o PT.

"Ele fala mais como político do que como sociólogo, porque sabe que afigura do capitalismo competitivo é de museu, se é que já existiu algumdia", disse Francisco de Oliveira, ao comentar a palestra feita pelotucano no Rio, na segunda, noticiada ontem pela Folha.

Senado contraria comissão e decide não demitir Agaciel

O Senado salvou o ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia da demissão. Acusado de ser mentor do escândalo dos atos secretos, ele será suspenso por 90 dias -a segunda punição mais grave prevista em lei. Após este período, ele voltará a receber salário normalmente. A decisão foi tomada ontem pelo primeiro-secretário, Heráclito Fortes (DEM-PI), e não precisará ser submetida ao presidente José Sarney (PMDB-AP) já que não houve demissão. No ano passado, uma comissão de sindicância da Casa encontrou 663 atos não publicados que tratavam de criação de cargos, contratação e exoneração de parentes de senadores, entre outros.

Heráclito se baseou em um parecer assinado por dez advogados da Advocacia-Geral do Senado. O primeiro-secretário preferiu não acatar a recomendação pela demissão feita por 2 dos 3 integrantes da comissão.

Governo pede paralisação de votação de PECs

A pedido do governo, a Câmara paralisará a votação de emendas constitucionais por 20 dias. É reação à presença de manifestantes que, aproveitando-se da proximidade das eleições, pressionam deputados pela aprovação de temas que oneram a União. A sugestão do líder do governo, Cândido Vaccarezza (PT-SP), era suspender o debate até outubro. Ele chegou a se reunir anteontem com os principais partidos da base para tentar convencer os deputados, mas não obteve sucesso.

EBC paga R$ 1,2 mi a jornalista pró-governo

O jornalista e empresário Luís Nassif mantém um contrato anual, fechado sem licitação, de R$ 1,28 milhão com a estatal EBC (Empresa Brasil de Comunicação), vinculada ao Palácio do Planalto e responsável pela TV Brasil. A empresa de Nassif, Dinheiro Vivo Agência de Informações, produz umdebate semanal, de uma hora, e cinco filmetes semanais de três minutos. Do R$ 1,28 milhão do contrato, o jornalista fica com R$ 660 mil anuais a título de remuneração, o que equivale a salário de R$ 55 mil. Os pagamentos começaram em agosto. O programa estreou segunda-feira. À Folha , por e-mail, Nassif afirmou que os insumos de produção cresceram de forma "não prevista no contrato original", por conta de "demandas adicionais da EBC", e que a parte destinada à Dinheiro Vivo corresponde a R$ 49 mil brutos mensais (ou R$ 39 mil líquidos), e não R$ 55 mil. Os outros R$ 558 mil do contrato são destinados ao pagamento de uma equipe de nove pessoas e à compra de equipamentos

Obra de prédio em que Lula é cooperado, de frente para o mar em Guarujá, está parada

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva integra o rol de cooperados da Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo) que não conseguem receber um imóvel comprado da entidade, investigada pelo Ministério Público. Na declaração de bens entregue ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em 2006, Lula informou ter "participação em cooperativa habitacional de apartamento em construção em Guarujá (SP)", já tendo pago, até maio de 2005, R$ 47.695,38. A Folha

esteve no local, na praia das Astúrias, numa avenida em frente ao mar. A obra, inacabada, foi assumida pela construtora OAS.

Servidor leva cerca de 2h até nova sede de MG

Um político que embarque no aeroporto de Brasília, chegue a Confins (MG) e pegue um táxi até a Cidade Administrativa Tancredo Neves para audiência com o governador Aécio Neves (PSDB) tem grandes chances de chegar mais cedo que um servidor que saia da região centro-sul de Belo Horizonte e vá de transporte público para o trabalho. Ontem, saindo da região da Savassi às 11h14, a reportagem da Folha levou uma hora e 51 minutos para chegar à Cidade Administrativa, a cerca de 20 quilômetros do centro. Na volta, à tarde, pegando dois ônibus e um metrô ao longo de 12 estações, foi gasta uma hora e 15 minutos no percurso.

O Globo

Câmara faz Rio perder R$ 7 bi

O Rio de Janeiro foi derrotado ontem na votação da chamada emenda Ibsen,que revê a atual distribuição da receita com exploração do petróleo nasáreas já em produção, como a Bacia de Campos, e nas áreas futuras,incluindo o pré-sal. Se for promulgada, deverá representar uma perda deR$ 7,2 bilhões na economia estadual, incluindo aí os recursosdestinados ao governo e aos municípios. O governador SérgioCabral advertiu que os R$ 4,9 bilhões que o estado arrecadou de royalties e participações especiais em 2009 serão reduzidos a R$ 100milhões, o que quebrará a economia estadual. Cabral e os parlamentaresdo Rio apostavam no prometido veto do presidente Luiz Inácio Lula daSilva à emenda para evitar o que chamou de deboche. O texto segue ao Senado.

- Atenção deputados federais: o governo do Rio recebeu em 2009 em torno de R$ 5 bilhões com participações governamentais. Se os senhores aprovarem a emenda do deputado Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) ele quebra. Fecha o estado, disparou Cabral, no início da tarde, depois de reunir-se com opresidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes.

Segurança relata escolta para saques da Bancoop

Testemunha-chave na investigação do caso Bancoop, o chefe desegurança da Cooperativa Habitacional dos Bancários até 2004, AndyRoberto Gurczynska, afirma ter realizado a escolta de funcionários daentidade na realização dos saques em dinheiro operação que teria sidoutilizada para desviar somas milionárias dos empreendimentosimobiliários, parte deles supostamente para campanhas do PT. Segundo ele, o ex-presidente da Bancoop Luiz Malheiro, morto em acidente decarro em 2004, realizava encontros após os saques com João VaccariNeto, então presidente do Sindicato dos Bancários e hoje tesoureironacional do PT.

Triplex do casal Lula está atrasado

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua mulher,Marisa Letícia, são donos de uma cobertura na praia das Astúrias, no Guarujá, mas amargam há cinco anos na fila de cooperados da Bancoop(Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo) para receber oimóvel. A solução encontrada pelos cerca de 120 futuros proprietáriosdo empreendimento foi deixar de lado a Bancoop e entregar o ResidencialMar Cantábrico à construtora OAS, que prometeu concluir as obras emdois anos. Procurada, a Presidência confirmou que Lula continuaproprietário do imóvel.

Lula faz ironias com Serra: "Tem gente inaugurando até maquete"

Um dia depois de o governador de São Paulo, José Serra(PSDB), participar de evento oficial para a apresentação da maquete deuma ponte que, se construída, ligará as cidades de Santos e Guarujá, nolitoral paulista, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ironizou ontema agenda do adversário da ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PTà Presidência. Ao inaugurar a termelétrica Euzébio Rocha, daPetrobras, em Cubatão, Lula disse, sem citar nomes, que tem muitopolítico mentiroso no país: Nós estamos em um ano de campanha, epercebemos que tem gente inaugurando até maquete, e queremos mostrarcomo é que as coisas acontecem neste país. Quando comecei a vidapolítica, eu dizia que o político mentiroso fala assim: Eu mato acobra e mostro o pau.

Dilma lança frota que será entregue em 2013

A exemplo do presidente Lula, a chefe da Casa Civile pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, também criticou ogovernador de São Paulo, José Serra (PSDB), por ter anunciado anteontemuma ponte ainda no papel. Mas a ministra fez a ironia ao participar dolançamento da licitação de uma frota de embarcações que serão entreguesem 2013.

Lula também exagera números da Petrobras

Depois de a précandidata do PT, ministra DilmaRousseff, inflar dados de investimentos da Petrobras, ontem foi a vezde o presidente Luiz Inácio Lula da Silva também exagerar nos númerosreferentes à produção de petróleo no Poço de Tupi, na Bacia de Santos.Ao inaugurar a termelétrica Euzébio da Rocha, da Petrobras, em Cubatão,Lula disse que a região de Tupi tem atualmente o equivalente a 14bilhões de barris de petróleo. No entanto, números do próprio governoindicam que a reserva está entre cinco bilhões e oito bilhões de barris.

Dilma diz que sairá de conselho da estatal

A chefe da Casa Civil e précandidatado PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, afirmou ontem quedeixará a presidência do Conselho de Administração da Petrobras para sededicar à campanha eleitoral deste ano: No dia em que medesincompatibilizar (da Casa Civil), vou deixar a presidência doConselho da Petrobras. O governo avaliou, e não vimos por que eu ficarlá. Já há um nome em lista, mas não o divulgaremos agora disse ela. A ministra participou ontem, em Araçatuba, do lançamento de um edital de licitação numa feira do setor sucroalcooleiro.

Decisão de Serra irrita aliados mais uma vez

A decisão do governador de São Paulo, José Serra, de sedesincompatibilizar do cargo só no início de abril causou uma criseentre seus aliados. Visivelmente irritado com a estratégiaadotada por Serra, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) divulgouontem uma nota anunciando que não vê mais sentido em ter qualquerreunião política para discutir a formação de um palanque para aoposição em Pernambuco antes de o governador paulista deixar o cargopara assumir sua candidatura à Presidência. Já que, acrescentou,a prioridade escolhida por Serra é justamente a conclusão a contentoda sua passagem pelo governo de São Paulo.

PT e PMDB aceleram acordo em Minas

Com a missão de reduzir as pendências entre PT e PMDB nosestados, a cúpula dos dois partidos marcará reunião entre os trêspré-candidatos ao governo de Minas para tentar fechar um palanque únicopara a candidata Dilma Rousseff. O PMDB arrancou ontem do presidentenacional do PT, José Eduardo Dutra, um compromisso de que essa decisãosairá antes da nova rodada de pesquisas. Os pré-candidatos são oex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel (PT) e os ministrosHélio Costa (Comunicações), do PMDB, e Patrus Ananias (Combate à Fome),do PT.

PF decide indiciar Fernando Sarney

A Polícia Federal decidiu intimar para depor e depoisindiciar o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado,José Sarney (PMDB-AP), por evasão de divisas. Em um dos cinco inquéritos da Operação Boi Barrica, ou Faktor, o empresário é acusadode enviar US$ 1 milhão para uma empresa na China em 2008 sem declarar aremessa à Receita Federal. Autoridades chinesas confirmaram a movimentação do empresário numa agência do HSBC, em Qingdao, na China. Em outros dois inquéritos da mesma operação, o empresário já foi indiciadopor lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, entre outros crimes.

Eleito, Peluso muda estilo de comando do STF

A partir de 23 de abril, o Supremo Tribunal Federal terá noseu comando um novo estilo de presidente. Sai da presidência o ministroGilmar Mendes, que marcou sua gestão por medidas e declaraçõespolêmicas acerca de praticamente todos os assuntos políticos, sociais eeconômicos dos país, e assume o discreto ministro Cezar Peluso. Nascidoem Bragança Paulista, 67 anos e há quase sete no Supremo, Peluso temmarcado sua atuação na Corte pela sobriedade na análise e no julgamentode processos variados. Sua eleição para o cargo de presidente doSupremo para o biênio 2010-2012 ocorreu no início da sessão de ontem,apenas para formalizar a escolha, que, pela tradição, se dá pelocritério de ministro mais antigo que ainda não tenha ocupado o posto.

Proposta de relator flexibiliza exigências do projeto Ficha Limpa

O relator do projeto Ficha Limpa na Câmara, Índio da Costa(DEM-RJ), apresentou ontem proposta que flexibiliza a exigência inicialde que registros de candidatura não sejam concedidos a condenados pelaJustiça, ainda que apenas em primeira instância. Pela novo texto,discutido com um grupo de parlamentares de vários partidos, o registroserá negado se houver alguma condenação, em primeira ou segundainstâncias, mas desde que imposta por um colegiado. Ou seja, a condenação decidida por um único juiz não terá poder de negar uma candidatura. Mesmo assim, parlamentares do PT e do PMDB continuam contra o projeto.

Polêmica com gays é esquecida

O plenário do Senado ignorou ontem a polêmica provocadapelas declarações consideradas homofóbicas do general de ExércitoRaymundo Nonato de Cerqueira Filho e aprovou sua indicação para ocuparuma vaga de ministro do Superior Tribunal Militar (STM). Na sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o general ,questionado sobre o que achava de homossexuais nas Forças Armadas,chocou ao dizer que indivíduos desse tipo não conseguiriam comandar atropa. Na época, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) pediu explicações. Em sua carta de desculpas, o general voltou a polemizar ao dizer queninguém podia provar que Julio César e Alexandre, o Grande eramhomossexuais.

O Estado de S. Paulo

Governo quer Receita com poder de polícia e Justiça

Após dez meses em hibernação na Câmara, os deputados vão começar a discutir nas próximas semanas um pacote tributário enviado pelo governo que promove uma verdadeiro cerco aos contribuintes. No meio dos artigos para criar novos mecanismos de cobrança das dívidas ativas e penhora de bens, a Fazenda quer que seus fiscais ganhem poderes de polícia, sem autorização judicial. Os fiscais podem quebrar sigilo, penhorar bens e até arrombar portas de empresas e casas sem autorização prévia do Judiciário. O pacote cria um sistema de investigação com acesso a todos os dados financeiros e cadastros patrimoniais dos cidadãos.

Promotor pedirá indiciamento de tesoureiro do PT por estelionato

O promotor de Justiça José Carlos Blat declarou ontem que vai requerero indiciamento criminal e denunciar à Justiça João Vaccari Neto porformação de quadrilha, estelionato, apropriação indébita e lavagem dedinheiro ? delitos que o tesoureiro do PT, segundo o promotor, teriapraticado enquanto ocupou a presidência da Cooperativa Habitacional dosBancários (Bancoop), entre 2005 e 2010. Blat disse que a medida serátomada ao fim de sua investigação, independentemente de a Justiçaautorizar ou não a quebra do sigilo bancário e fiscal de Vaccari,requerida sexta-feira.

Jucá derruba convocação de Blat para ir ao Senado

Coube ao líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR), liderar omovimento da base aliada para impedir a convocação do promotor JoséCarlos Blat, do Ministério Público de São Paulo, para falar na Comissãode Constituição e Justiça (CCJ) do Senado sobre as denúncias contra onovo tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Ele foi presidente e diretorfinanceiro da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop). O promotor calcula que o rombo da Bancoop deve superar R$ 100 milhões ediz não ter dúvida de que parte desse dinheiro foi para o caixa 2 dopartido. A ideia de ouvir Blat na CCJ partiu do senador Álvaro Dias(PR), vice-líder do PSDB.

Cooperados recorrem ao Ministério Público

Dezoito líderes de cooperados que alegam ser vítimas de fraudes eestelionato da Bancoop foram buscar ajuda ontem na sede daProcuradoria-Geral de Justiça em São Paulo. Recebidos por um grupo depromotores especialistas em desvendar desfalques no patrimônio público,eles relataram por cerca de uma hora o tormento que vivem desde quedepositaram suas economias e a confiança nos projetos da cooperativaque um núcleo do PT fundou em 1996.

Meirelles sinaliza opção por disputar cadeira no Senado

Após a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) deste mês, queserá encerrada no dia 17, o presidente do Banco Central, HenriqueMeirelles, vai decidir se vai ou não deixar o governo dia 3 de abrilpara candidatar-se a uma vaga no Senado. "Depois do Copom, devo pensarcom mais profundidade sobre essa questão", afirmou Meirelles, emconversa com um assessor do governo. Lideranças do PMDB tambémconfirmaram ontem que o destino eleitoral do presidente do BC devemesmo ser a disputa por uma vaga ao Senado. "Eu aposto que ele serácandidato ao Senado", disse ao Estado o líder do PMDB na Câmara,Henrique Eduardo Alves (RN). Alexandre Tombini, atual diretor de Normase Organização do Sistema Financeiro do BC, é o nome mais cotado parasubstituir Meirelles no comando do banco.

Verdes resistem a candidatura própria

A filiação de Marina Silva ao PV e o lançamento de sua candidatura àPresidência da República estão forçando a Executiva Nacional a medirforças com alguns caciques do partido em diferentes partes do País. Oprincipal motivo das disputas tem sido a resistência desses caciques aolançamento de candidaturas próprias em seus Estados - uma dasexigências de Marina para pôr a campanha na rua. Na maior parte dasvezes a Executiva tem levado a melhor. Foi o que se viu ontem,quando o ministro da Cultura, Juca Ferreira, oficializou seu pedido desuspensão da filiação partidária pelo período de um ano. Ele foipressionado pela cúpula do PV, que agora fica mais à vontade paralançar candidato próprio ao governo da Bahia.

Preso ganha direito de tomar posse na Câmara

Mesmo preso, o suplente Geraldo Naves (DEM) tem o direito de tomarposse como deputado distrital, segundo parecer da Procuradoria daCâmara Legislativa do Distrito Federal, entregue ontem ao presidente daCasa, Cabo Patrício (PT). O procurador Fernando Nazaré entendeu, que,apesar de estar detido, Naves não perdeu os direitos políticos e pode,sim, assumir o mandato. Naves é primeiro suplente do DEM eganhou o direito de tomar posse como deputado distrital depois queJúnior Brunelli (PSC), titular da vaga, renunciou para fugir doprocesso de quebra de decoro que pesava contra ele. Brunelli é citadocomo um dos beneficiários do "mensalão do DEM" e protagoniza vídeo noqual reza pela vida do delator do esquema, Durval Barbosa. A cena ficouconhecida como "oração da propina".

Arruda completa um mês na cadeia

O governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sempartido, ex-DEM), completa hoje um mês na prisão sem qualquerperspectiva de ser colocado em liberdade. Seus advogados pretendem, atésemana que vem, entrar com um pedido de revogação da prisão no SuperiorTribunal de Justiça (STJ), responsável pelo cárcere do governador. Inicialmente,a estratégia da defesa será tentar uma transferência de Arruda paraprisão domiciliar, sob a alegação de problemas de saúde. Para isso, noentanto, os advogados dependem dos exames que o governador tem feitocom seu médico particular desde terça-feira, após o STJ autorizar avisita. Hoje, o governador deve realizar exames de sangue e urina.Ontem, o médico que o examina, Brasil Caiado, afirmou que, porenquanto, não há motivos para uma internação imediata.

Correio Braziliense

Câmara quer impedir posse de distrital preso

Os distritais não querem passar peloconstrangimento de dar posse a um colega preso. Apesar da divulgação deparecer da Procuradoria-Geral da Câmara Legislativa a favor do direitode Geraldo Naves (DEM) em assumir a vaga de titular, os deputadosevitam publicar a convocação do suplente. Ela poderia ter ocorrido logoem seguida à renúncia de Júnior Brunelli (PSC), no último dia 2. Peloregimento interno da Casa, o prazo máximo para essa chamada é de 48horas. Mas, para adiar um possível desgaste político, a Mesa Diretoraainda não resolveu o que fazer.

Meirelles no páreo

Ainda que relute em assumir publicamente, opresidente do Banco Central, Henrique Meirelles, já bateu o martelo:vai mesmo deixar o cargo de olho na vaga de vice na chapa da candidatado PT, a ministra Dilma Rousseff. Pelo que está programado, Meirellesentrará em licença no dia 22 deste mês e anunciará o seu desligamentono dia 31, dois dias antes do prazo final dado pela Justiça Eleitoral.Com ele, deixará o BC o diretor de Política Econômica, Mário Mesquita,apontado como o mais conservador dos integrantes do primeiro escalão.Há um acordo fechado entre eles nesse sentido. O sucessor de Meirellesserá o diretor de Normas, Alexandre Tombini.

Aposta em elevação de juros

Diante da certeza de que Henrique Meirelles deixaráa Presidência do Banco Central no fim deste mês, o mercado financeiroampliou ontem as apostas de que a taxa básica de juros (Selic), queestá em 8,75% ao ano, subirá na reunião da próxima semana do Comitê dePolítica Monetária (Copom). O raciocínio dos analistas é o de queMeirelles assumirá o ônus de impor um novo arrocho à economia, livrandoo seu possível sucessor, o diretor de Normas, Alexandre Tombini, decomeçar a elevar os juros em abril. Com certeza, esse passou a ser opensamento dominante no mercado, disse o economista-chefe do Banco ABCBrasil, Luís Otávio de Souza Leal.

Discurso distante da prática

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ironizouontem o fato de o governador de São Paulo, José Serra, pré-candidato àPresidência pelo PSDB, ter apresentado, na terça-feira, uma maquetepara a construção de uma ponte no litoral paulista. A licitação daobra, que ligará as cidades de Santos e Guarujá, ainda não foiiniciada. A previsão é de que o empreendimento seja concluído em poucomenos de três anos.

Depois do Lulécio, a Dilmasia

Dezenas de prefeitos mineiros de váriospartidos aguardam apenas a confirmação oficial da candidatura dogovernador de São Paulo, José Serra (PSDB), à Presidência da República,para deflagrar a operação Dilmasia, uma reedição do Luléciovitorioso em 2006, quando pediram votos para o presidente Luiz InácioLula da Silva e para o governador mineiro, Aécio Neves (PSDB). Dessavez, além de mostrarem a força de Minas na campanha da candidata deLula a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT) , eles estãoempenhados em garantir a Aécio uma grande votação no Senado e a elegero candidato dele ao Palácio da Liberdade, o vice-governador AntonioAnastasia. (PSDB).

Royalties redistribuídos

O estado do Rio de Janeiro e seus municípios foramos grandes prejudicados com a aprovação, ontem, na Câmara dosDeputados, da nova divisão dos royalties do petróleo, mesmo fora dacamada do pré-sal. Durante todo o dia, líderes dos partidos estiveramreunidos para traçar uma saída consensual para o sistema de partilhados recursos. Em cima da mesa, a proposta do governo era manter asfatias atuais, que beneficiam os municípios e os estados produtores Rio, São Paulo e Espírito Santo. Mas, por 369 votos a favor e 72contra, foi aprovada a emenda dos deputados Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) eHumberto Souto (PPS-MG) que determina a divisão igualitária dodinheiro.

Cezar Peluso à frente do STF

Aos 67 anos de idade, o ministro Antonio CezarPeluso, eleito ontem o novo presidente do Supremo Tribunal Federal(STF), é considerado entre os próprios colegas um dos mais preparadosmagistrados do país. Avesso a dar entrevistas, o paulista de BragançaPaulista é apontado por pessoas próximas como um homem de bom gosto,estudioso e sóbrio. Peluso vai substituir Gilmar Mendes, pelo critérioda antiguidade. É escolhido para presidir a Suprema Corte, a cada dois anos, oministro mais antigo que ainda não tenha exercido a função. Também vaificar a cargo de Cezar Peluso a presidência do Conselho Nacional deJustiça (CNJ). O vice-presidente do STF e do CNJ vai ser Carlos AyresBritto, também eleito na sessão de ontem. A posse de ambos está marcadapara 23 de abril.

Fonte: Congresso em Foco