Nos jornais: Serra e Dilma correm para inaugurar obra inacabada

A menos de um mês do prazo final para afastamento de seus cargos, os dois principais pré-candidatos à Presidência têm um calendário apertado

A menos de um mês do prazo final para afastamento de seus cargos, os dois principais pré-candidatos à Presidência têm um calendário apertado de eventos midiáticos e inaugurações de obras -algumas das quais ainda inacabadas. Ao deixar os cargos a partir de 3 de abril, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), e o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), amargarão um período de menor visibilidade até junho, quando as candidaturas serão oficializadas. O plano de voo de Serra previa inaugurar no fim do mês -quando deve anunciar publicamente sua candidatura- três carros-chefes de sua administração:a Nova Marginal, o trecho Sul do Rodoanel e duas estações da Linha 4 do Metrô. Mas as chuvas do início do ano põem em risco a pretensão.

Site de apoio a Dilma está em nome de mulher, mas ela diz que é um "engano"

O site oficial do PT anunciou a entrada no ar de uma página intitulada "Mulheres com Dilma", que traz depoimentos de amigas de infância da ministra e diz ter como objetivo "encontrar mulheres que pensam como nós". A página -www.mulhe rescomdilma.com.br- contém vídeos de Sônia Macedo e Eda Guillen, apresentadas como amigas de infância, e Neusa Ladeira, identificada como companheira de militância da ministra.

Iniciativa, segundo a página, de "mulheres identificadas com Dilma Rousseff", o site foi registrado em nome de Viviane da Silva Moraes. No telefone do registro, uma pessoa que se identificou como mãe dela disse que ela trabalhava em um ministério.

PT pagará salário para Dilma em campanha

A ministra da Casa Civil e candidata à sucessão de Lula, Dilma Rousseff, receberá um salário do PT depois que deixar o cargo no final do mês para disputar as eleições. A informação foi confirmada pelo presidente nacional da sigla, José Eduardo Dutra. O mais provável é que ela receba uma remuneração de cerca de R$ 10 mil, valor próximo ao que recebe como ministra -R$ 10.748 brutos. Segundo Dutra, o valor não foi definido.

De acordo com o presidente da sigla, Dilma sairá da Casa Civil em 29 ou 30 de março. Em seu lugar assumirá a secretária-executiva, Erenice Guerra, braço direito da candidata. O PT também alugará dois imóveis para Dilma em Brasília: um escritório político e uma casa. Ao deixar a Casa Civil, Dilma perderá o direito de usar uma casa do governo no Lago Sul -área nobre, onde também ficarão os dois novos imóveis.

Para defender candidata, Lula ataca imprensa

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva atacou ontem a imprensa ao defender a presença da ministra Dilma Rousseff, pré-candidata à Presidência, na inauguração de hospital que não recebeu verba do governo federal. Para o petista, "a imprensa brasileira não gosta de falar de obras inauguradas". "Ou seja, coisa boa não interessa, o que interessa é desgraça." Dilma foi no domingo à inauguração do Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti. Em discurso ontem na Rocinha, na zona sul do Rio, Lula disse que o Estado só construiu o hospital porque o governo federal o apoia em outras áreas.

Ciro afirma não ter aliado problemático

Enfático sobre a decisão de disputar a Presidência, o deputado federal e ex-ministro Ciro Gomes (PSB-CE) disse ontem em São Paulo que as "circunstâncias políticas" o diferenciam do governador José Serra (PSDB) e da ministra Dilma Rousseff (PT). "Numa coalizão preferencial de PT com PMDB, a Dilma tem que explicar o [José] Sarney e o Renan [Calheiros]. O Serra tem que explicar o [Orestes] Quércia. Eu não tenho que explicar nada", disse, após gravar no programa do Ratinho, no SBT. "Faço uma opção. É sofrida para mim, porque perco condições práticas, não tenho os minutos de TV. Mas não posso, com o que eu penso, com o que eu proponho, explicar essas circunstâncias", acrescentou.

À revelia, Arruda é notificado sobre abertura de processo

O governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), foi notificado ontem sobre a abertura de processo de impeachment contra ele, mesmo tendo se recusado a assinar o documento. Dois procuradores da Câmara Legislativa compareceram à superintendência da Polícia Federal, onde Arruda está preso, para testemunhar a notificação e garantir o andamento do processo de destituição.

Ministério nega ter recebido informações

O Ministério da Justiça divulgou nota no domingo, por meio do Departamento de Recuperação de Ativos, negando que tenha recebido informação das autoridades da China sobre uma conta movimentada por Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), em paraíso fiscal no Caribe. A notícia foi divulgada pela Folha . A reportagem de domingo publicou documento assinado por Fernando pelo qual ele autorizou a transferência de US$ 1 milhão para a conta de uma empresa na China. A Folha apurou que, apesar da negativa, o ministério recebeu laudo do governo chinês confirmando a remessa. Essa transação foi alvo da operação Boi Barrica, rebatizada de Faktor. A partir do documento assinado por Fernando Sarney, o governo brasileiro solicitou que as autoridades da China rastreassem os recursos. Fernando não comentou o caso alegando segredo de Justiça.

Deputados de comissões são alvo no STF

Dos 20 deputados que assumem presidências das comissões temáticas da Câmara, 7 são investigados no STF e 5 receberam doações de empresas com interesses nos temas a serem tratados nas reuniões. As comissões são responsáveis por analisar projetos antes de enviá-los para o plenário e algumas delas têm o poder de aprovar uma proposta sem a análise dos 513 deputados. Os congressistas que assumem seus comandos podem apressar ou atrasar a tramitação de projetos, segundo os interesses políticos. Alguns colegiados podem ainda convocar autoridades, como ministros, e promover audiências públicas. As 20 comissões voltam a funcionar a partir de hoje, apesar de o recesso parlamentar já ter acabado há mais de um mês. Segundo o Supremo Tribunal Federal, 35% dos novos presidentes têm que prestar algum tipo de conta à Justiça.

O Globo

Brasil ameaça retaliar EUA e preço do trigo pode subir

O governo brasileiro cumpriu a promessa e divulgou ontem a lista final de bens oriundos dos Estados Unidos cujas alíquotas de importação serão elevadas em até 100%, como retaliação aos subsídios americanos ao algodão, autorizada pela Organização Mundial do Comércio (OMC). São 102 itens que, dentro de um mês, terão seu ingresso no Brasil dificultado pelo aumento das tarifas ? como automóveis, cujo imposto passará de 35% para 50%, tecidos de algodão (de 26% para 100%) e alguns eletrodomésticos, que passarão a ser tributados em 40%. Há ainda o trigo, cuja tarifa vai subir de 10% para 30% e, segundo os produtores, deve haver repasse a farinhas, massas e pães. Os preços de automóveis e motos importados dos EUA ? modelos de luxo, em torno de R$ 100 mil ? também devem subir.

Revelação de carona de Dilma em obra irrita Lula

A revelação de que a pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, veio ao Rio inaugurar um hospital que não recebeu um centavo sequer de investimento do governo federal irritou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que atacou a imprensa logo ao chegar ontem ao Rio e também durante visita à Rocinha, na Zona Sul. No evento na favela, onde o cronograma das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) é o mais atrasado no estado, Lula ?inaugurou? menos de 20% das obras.

? A imprensa brasileira, por hábito ou por desvio, não gosta de falar de obras inauguradas. Coisa boa não interessa.

O que interessa é desgraça ? protestou. Mais cedo, em entrevista para uma rádio evangélica, atacara: ? Eu vi que a grande notícia de um jornal do Rio não é para o que serve o Hospital da Mulher, que foi inaugurado ontem (domingo), mas é porque a dona Dilma vem numa obra que não é do governo federal. Imagina a distorção da informação ao nosso leitor.

Companhia indigesta

Na cerimônia de lançamento do PAC da Rocinha, um dos convidados que estiveram no palanque, junto às autoridades, foi o vereador Luiz Cláudio de Oliveira, o Claudinho da Academia (PSDC), denunciado pelo Ministério Público por seus métodos de campanha na favela. A presença de Claudinho foi notada não apenas no palanque, mas também em dezenas de camisetas distribuídas por seus correligionários durante o evento. A camiseta ? que na frente estampava os dizeres ?Rocinha, Lula e Cabral contra a desigualdade social ? e, atrás, a logomarca e o site do vereador ? foi distribuída a quase todos os moradores presentes ao complexo esportivo.

Na saúde, números doentes

A Casa Civil e o Ministério da Saúde divulgaram nota ontem confirmando que o governo federal não bancou a construção nem a compra de equipamentos para o Hospital da Mulher Heloneida Studart. A nota frisa, porém, que a União gastará R$ 50 milhões ao ano para manter a unidade funcionando. O hospital foi inaugurado anteontem, em São João de Meriti, pela chefe da Casa Civil e pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff. A obra de R$ 40 milhões foi realizada pelo governo estadual, que destinará também R$ 30 milhões ao ano para o custeio.

Lula: vistoria relâmpago...

... e presença longa em palanque no Comperj

O evento era para vistoriar as obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e assinar novos contratos de R$ 2,6 bilhões da Petrobras com empreiteiras. Mas o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua comitiva passaram ontem apenas sete minutos ?vistoriando? o canteiro de terraplenagem do Comperj (das 15h01m às 15h08m) e duas longas horas no palanque montado pela estatal (das 15h45m às 17h45m) para assinatura de contratos, que ficaram em segundo plano. Os elogios de ministros, prefeitos e do governador Sérgio Cabral (PMDB) à pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, deram tom de campanha eleitoral e palanque oficial ao evento em Itaboraí.

Lula volta a inflar números sobre investimentos

O discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que seu governo foi o que mais investiu no país não bate com os dados oficiais. As atuais taxas de investimentos diretos da União estão longe das registradas na década de 70. Em 2009, a taxa de investimentos da União chegou a 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB), sem considerar estatais. Em 1976, no governo Geisel, os investimentos da União eram 1,9% do PIB, também excluindo as estatais. Os dados são do especialista em finanças públicas Raul Velloso, com base em estatísticas do IBGE dos últimos 40 anos. Entre 2003 e 2009, a taxa de investimento da União oscilou entre 0,2% ? uma das mais baixas desde 1970 ? e 0,6%, estimativa para o ano passado. Nos últimos 40 anos, a taxa de 0,2% foi registrada três vezes: em 2003 e 2004, no governo Lula; e 2000, no governo Fernando Henrique.

Pesquisa mostra que eleitores desconhecem PAC

Pesquisas encomendadas pelo governo e divulgadas no fim de fevereiro demonstram que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), principal motor da candidatura presidencial da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, é desconhecido dos eleitores. Embora o presidente Luiz Inácio Lula da Silva venha percorrendo o país para inaugurar obras do programa ou lançar pedra fundamental de futuras instalações, com Dilma a tiracolo, a maioria da população, 51,8%, não sabe do que se trata o PAC. O levantamento, realizado em novembro pela Meta Pesquisas de Opinião, contratada no ano passado pelo governo federal com um custo estimado em R$ 5 milhões ? dos quais R$ 3,3 milhões já foram gastos ? aponta que dos 48,2% que têm conhecimento sobre a ação, 51,1% a avaliam positivamente, enquanto 29,3% a consideram regular, ruim ou péssimo.

Tasso: "Não dá mais para ficar sem candidato"

Lembrado como alternativa para a vaga de vice na chapa encabeçada pelo também tucano José Serra na disputa pela Presidência da República, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) afirmou ontem não estar convencido de que é boa a estratégia do governador de São Paulo de adiar ainda mais o anúncio de sua candidatura e que seu nome ?não está à disposição? do partido. Para Tasso, não bastou a declaração pública de Serra da semana passada dizendo nunca ter abandonado a ideia de ser candidato e cobrou que o governador de São Paulo ?caia na vida?. Numa referência indireta ao ritmo acelerado da ministrachefe da Casa Civil e pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, o senador afirmou que o atraso na campanha do PSDB na corrida pelo Palácio do Planalto é mais grave do que perder um bonde.

Serra age como candidato e faz corpo a corpo em padar

Em clima de campanha, o governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, testou ontem sua popularidade durante visita a Taubaté, no Vale do Paraíba. No início da noite, após entregar as obras de construção da estação de tratamento de esgoto Taubaté-Tremembé que consumiram investimentos de R$ 100 milhões, o tucano parou na Padaria do Jarbas, no centro de Taubaté, para tomar chocolate quente. Durante os 25 minutos em que permaneceu na padaria, Serra fez intenso corpo a corpo com os eleitores, sentou-se à mesa de três médicos para discutir projetos para a área de Saúde e posou para a foto com os frequentadores do local.

Partidos articulam a volta da doação oculta

Deputados e senadores discutem esta semana uma fórmula para tentar reverter a resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que exigirá a identificação dos candidatos beneficiados por doações de recursos direcionadas aos partidos políticos. A preocupação maior é que a medida do TSE, que na prática acaba com a chamada doação oculta, possa reduzir a arrecadação para a eleição deste ano, inibindo as contribuições legais. Os líderes desse movimento, porém, temem uma exposição negativa e, por isso, estão sendo cautelosos nas críticas à iniciativa do TSE.

O Estado de S. Paulo

Promotor aponta desvio de R$ 100 milhões na Bancoop

Podeultrapassar R$ 100 milhões o total do desvio de recursos daCooperativaHabitacional dos Bancários (Bancoop), calcula o promotor deJustiça JoséCarlos Blat, da 1ª Promotoria Criminal da Capital. "Amovimentação sobsuspeita indica que o rombo supera R$ 100 milhões",disse Blat, apósanálise parcial de 8,5 mil extratos bancários dacooperativa, relativosao período de 2001 a 2008. Blat estáconvencido de que uma fatiado montante foi destinada a campanhaseleitorais do PT - ele não apontavalores exatos que teriam tomado esserumo porque, alega, depende deinvestigações complementares. Nasexta-feira, o promotor requereua quebra do sigilo bancário e fiscalde João Vaccari Neto, que presidiua cooperativa até fevereiro, quandodeixou o cargo para assumir o postode tesoureiro do PT. Também foipedida uma devassa nos investimentos dedois ex-diretores da entidade,Ana Maria Érnica e Tomás Edson BotelhoFraga. O promotor quer obloqueio das contas da Bancoop.

Assembleia de SP dará aval hoje para abertura de CPI

O presidente da Assembleia paulista, Barros Munhoz (PSDB), vaiautorizar hoje a instalação da CPI da Bancoop para investigar asdenúncias sobre a cooperativa. O pedido foi apresentado em 2008, pelodeputado Samuel Moreira (PSDB). ""É uma prerrogativa do presidenteautorizar a instalação e ele já confirmou que vai fazê-lo"", afirmouMoreira. Se for seguida a tradição na Casa, o próprio Moreira presidiráa comissão.

Partido busca ""executivo"" para campanha

Empenhado em amenizar o estrago do caso Bancoop na candidaturapresidencial da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, setoresdo PT cogitam contratar um "executivo" para comandar as finanças dacampanha. A ideia, defendida por alguns membros da cúpula petista, ébuscar um nome fora do meio político, talvez um empresário ourepresentante do setor financeiro. Segundo defensores da proposta, estaseria uma forma de evitar que acusações como as lançadas peloMinistério Público Estadual sobre o novo tesoureiro do PT, João VaccariNeto, contaminem o projeto eleitoral de Dilma.

Presidente ataca mídia depois de Dilma inaugurar hospital sem verba federal

Ao sair em defesa da presença da ministra Dilma Rousseff na inauguraçãode um hospital em São João de Meriti, construído sem recursos da União,o presidente Luiz Inácio Lula da Silva atacou a imprensa, duranteinauguração do complexo esportivo da favela da Rocinha. Lula apontou"desvio de comportamento" da mídia que, segundo ele, prefere dar másnotícias e falar de gafes e erros. "A imprensa brasileira, por hábitoou por desvio, não gosta de falar em obras inauguradas. Ou seja, coisaboa não interessa, o que interessa é desgraça", discursou para osmoradores da favela. A pré-candidata do PT à Presidência,Dilma Rousseff, e o governador Sérgio Cabral (PMDB) estavam irritadoscom as notícias veiculadas ontem de que a chefe da Casa Civil foi aestrela da inauguração da obra de R$ 40 milhões, pagos exclusivamentecom recursos do Estado.

PSDB prepara evento para Serra anunciar candidatura em 2 semanas

O PSDB prepara um grande encontro nacional para o anúncio oficial dacandidatura do governador de São Paulo, José Serra, à Presidência daRepública. Serão convidados para a "pré-convenção", que deve ocorrerprovavelmente na semana do dia 22, candidatos a governador do partidoem outros Estados, parlamentares e políticos aliados. O objetivo é dara largada extraoficial da candidatura de oposição ao governo federal -a formalização do nome de Serra só ocorrerá em junho, mês dasconvenções partidárias, segundo determina a Lei Eleitoral.

O esforço final por ficha limpa já

Em busca de ética e transparência nas eleições e de candidatos semfolha corrida na polícia, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral(MCCE) - integrado por 44 entidades da sociedade civil - realizou ontemem São Paulo ato público em apoio à aprovação imediata do Projeto FichaLimpa, sob crivo do Congresso. O evento ocorreu na Faculdade deDireito do Largo São Francisco e reuniu representantes de gruposempenhados na causa, como Movimento Nossa São Paulo e Voto Consciente. O Projeto de Lei Parlamentar (PLP) 518/09, ou Ficha Limpa, é originário do Projeto de Lei de Iniciativa Popular sobre a Vida Pregressa dosCandidatos. Chegou à Câmara em setembro do ano passado com 1,6 milhãode assinaturas colhidas nas ruas de todo o País.

Crise afeta cinquentenário de Brasília, que terá comemoração mais modesta

Os 50 anos de Brasília serão comemorados com uma festa menor que aoriginalmente concebida, sem atrações estrangeiras - e com um dosprincipais cartões-postais da cidade, a Catedral, ainda em obras. Oanúncio oficial da programação será feito hoje. Entre as atraçõesconfirmadas pelo governo do Distrito Federal estão os grupos NX Zero,Bruno & Marrone e Paralamas do Sucesso. O governo do DF pretendedesembolsar até R$ 10 milhões pelo evento, metade do prometidoinicialmente pelo governador afastado José Roberto Arruda (sem partido,ex-DEM), preso desde 11 de fevereiro na Superintendência da PolíciaFederal. Os organizadores prometem uma festa mais enxuta na Esplanadados Ministérios e buscam apoio da iniciativa privada para reduzircustos.

Projetos de cunho eleitoral têm preferência na Câmara

A votação da proposta de emenda constitucional do piso salarial para ospoliciais civis, militares e integrantes do corpo de bombeiro noplenário da Câmara expôs o mal-estar existente na relação do presidenteda Casa, Michel Temer (PMDB-SP), com os líderes partidários e revelou oimpulso, cada vez mais incontrolável, de deputados para aprovarprojetos populares, de cunho eleitoral, nos meses que antecedem aseleições. "Tiraram a tampa da panela. A Câmara virou um dissídiocoletivo", constatou o deputado José Genoino (PT-SP), resumindo o climade incômodo na Casa com as pressões de corporações que invadem oCongresso.

Correio Braziliense

Notificado à revelia, Arruda vai ao hospital

O governador afastado e preso José Roberto Arruda (sem partido) está oficialmente avisado sobre a abertura dos processos de impeachment que correm contra ele na Câmara Legislativa. A notificação foi feita ontem a contragosto do chefe do Executivo, que se negou a assinar o documento, repetindo a atitude da última sexta-feira. Mesmo assim, foi citado à revelia às 18h35 de ontem, como mostra documento obtido pelo Correio. O distrital Batista das Cooperativas primeiro secretário da Câmara foi acompanhado por dois procuradores da Casa, Sidraque Anacleto e Henrique Bulhões. Além deles, um delegado e um agente da Polícia Federal testemunharam a notificação de Arruda.

A gestação do jeitinho

Proibidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de participar de inaugurações de obras públicas a partir de 3 de julho, candidatos aos cargos de deputado e senador já pensam em formas de garantir a associação de seus nomes às construções sem infringir a lei eleitoral. Os sem palanques também estão impedidos de gastar parte dos R$ 3,3 bilhões apresentados em emendas (1)ao Ministério do Turismo entre 2 de julho e 31 de outubro com festas e eventos. Mas, para não deixar nenhum projeto órfão, os candidatos prometem campanhas de porta em porta.

Mira no público feminino

Dos pré-candidatos à Presidência da República, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, foi a que mais aproveitou o embalo do Dia Internacional da Mulher para tentar angariar alguns pontinhos a mais com o eleitorado feminino. De solenidades no Rio de Janeiro ao blog Mulheres com Dilma, ela não perdeu a chance de dar o ar da graça. Hoje, estará no Congresso para a sessão de entrega do prêmio Bertha Lutz, concedido a personalidades que se destacam na defesa dos direitos femininos. Na ocasião, dividirá o palco com a senadora Marina Silva (PV), outra pré-candidata à sucessão do presidente Lula. As pesquisas de intenção de voto mostram que uma das principais dificuldades da ministra da Casa Civil é ganhar permeabilidade com as mulheres.

Lula alfineta a mídia

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a criticar a imprensa. Desta vez, por conta da repercussão da presença da ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT ao Palácio do Planalto, na inauguração do Hospital da Mulher Heloneida Studart, no Rio de Janeiro. A mídia destacou o fato de que a obra, cujo orçamento foi de R$ 40 milhões, não recebeu verba do governo federal. Em clima de comício, moradores exibiam bandeiras do PT e ostentavam faixas que agradeciam o governador Sérgio Cabral (PMDB) e a petista pela obra.

Tucanos ampliam pressão

Uma reunião feita ontem em São Paulo com cerca de 40 políticos tucanos concluiu que o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), já deveria ter assumido publicamente que é pré-candidato à Presidência da República. No encontro com coordenadores regionais do partido, os políticos disseram que Serra vem perdendo vantagem em relação à sua concorrente, Dilma Rousseff (PT), porque ele não aparece como pré-candidato. Fica difícil trabalhar o nome dele nesta fase porque ele ainda não assumiu que quer ser presidente, disse o vereador de Campinas, Artur Orsi (PSDB).

MPF quer explicações

O Ministério Público Federal no DF propôs ação civil pública questionando contratos firmados pela Câmara com o Banco do Brasil (BB) e a Caixa Econômica Federal (CEF) para concessão de empréstimos consignados aos seus servidores de forma excludente. O procurador Hélio Heringer Junior, autor da ação, afirma que a Câmara estaria invadindo a liberdade de escolha dos servidores. Em dois contratos fechados em 2008, a Câmara vendeu a sua folha de pagamento ao BB e à CEF por cerca de R$ 200 milhões. Os contratos determinam, em caráter de exclusividade, por cinco anos, a disponibilização, em contas correntes, dos créditos provenientes da folha de pagamento da Câmara. Isso não é questionado. Ocorre que, no mesmo instrumento, ficou acordada a concessão de exclusividade quanto aos empréstimos e financiamentos.

Quando o investigador é investigado

Responsável por denunciar o excesso de servidores requisitados na estrutura do Ministério Público da Paraíba (MP-PB), o procurador do Trabalho Eduardo Varandas corre o risco de responder a um processo de correição no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Em agosto de 2009, ele enviou uma representação ao conselho, na qual pedia a abertura de um procedimento contra o MP-PB. O ofício é assinado por cinco procuradores da República e por quatro membros do MP do Trabalho que pedem providências em relação à não nomeação de candidatos aprovados em concurso, preteridos pelos requisitados.

Indenização após quatro décadas

Seis militares que foram exonerados das Forças Armadas durante o regime militar tiveram suas anistias políticas ratificadas e serão indenizados pelo governo. Um deles, o ex-capitão João Carlos Gomes de Oliveira, chegou a protestar contra o golpe de 31 de março de 1964, em pleno Centro Técnico Aeroespacial (CTA) da Aeronáutica, em São José dos Campos (SP), no dia seguinte da tomada de poder pelos militares. No mesmo dia, ele chegou a decolar em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para o Rio Grande do Sul, onde se juntaria aos grupos contrários aos golpistas. Mas acabou preso e foi expulso da Força.

Fonte: Congresso em Foco