Piauí pode ter eleições definidas para governo ainda no primeiro turno, segundo a Folha

São Paulo e Minas Gerais são exemplos desse quadro.

No primeiro turno, nove Estados, dentre eles o Piauí, caminham juntos rumo às definições das eleições para governador nestas eleições. Isso se dá, talvez pelo mau desempenho de apostas dos grandes partidos, assim como, pela ausência de um terceiro candidato repetitivo.


São Paulo e Minas Gerais são exemplos desse quadro.

Na eleição paulista, a aposta petista, Alexandre Padilha, segue estacionada abaixo dos 10% nas pesquisas, e Paulo Skaf, do PMDB, em torno de 20%, cenário que favorece a reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB), perto dos 50%.

Para definir a eleição na primeira etapa da disputa, um candidato deve ter 50% dos votos válidos (sem brancos e nulos), mais um voto.

"Não sei se o efeito da Copa, o humor da sociedade, a demora para a campanha pegar' ou a escassez de recursos fez com que a intensidade de campanha do Padilha fosse sofrível no começo", afirmou Luiz Marinho, coordenador da campanha de Dilma em São Paulo. "Isso atrasou muito o processo de conhecimento dele no Estado."

Em Minas Gerais, quem não avançou nas pesquisas foi a aposta de "terceira via" do PSB, Tarcísio Delgado.

Escalado para dar palanque a Eduardo Campos e agora a Marina Silva, ele segue abaixo dos 10%, sem rivalizar com Pimenta da Veiga (PSDB) e com Fernando Pimentel (PT), favorito para vencer já no próximo dia 5.

Também apresentam cenário parecido Alagoas, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Santa Catarina e Tocantins. Neles, candidatos em terceiro lugar não chegam a 13% nas pesquisas.

Em outros nove Estados, os candidatos que lideram estão a poucos pontos de também conseguirem liquidar a disputa na primeira rodada.

São exemplos Paulo Souto (DEM), na Bahia; Eunício Oliveira (PMDB), no Ceará; e Beto Richa (PSDB), no Paraná, onde Gleisi Hoffmann (PT), ex-ministra da Casa Civil do governo Dilma Rousseff, não decolou e está na casa dos 10% nas pesquisas.

Pelo cenário atual, nove candidatos do PT, sete do PSB e cinco do PSDB não devem ir ao segundo turno.

Alguns desses nomes foram lançados na última hora, como Roberto Carlos (PT), no Espírito Santo, e Eliane Novais (PSB), no Ceará. "Foram candidaturas sem antecedência necessária para preparação na pré-campanha", diz Carlos Siqueira, primeiro-secretário nacional do PSB.

Em Alagoas, o PSDB, que governa o Estado, indicou o vereador Julio Cezar para substituir o procurador Eduardo Tavares, que desistiu em plena campanha. O candidato tucano aparece com 1% das preferências.

Os problemas apontados pelas legendas vão desde a baixa arrecadação até a morte de Eduardo Campos em acidente aéreo. "Todos ficaram atônitos durante certo período, tempo precioso para explorar fazendo campanha, e ficamos tentando entender as mudanças", disse Mendes Thame, deputado e secretário-geral do PSDB.

Clique aqui e curta a página do meionorte.com no Facebook

Fonte: Folha