Novo PAC projeta R$ 9,2 bi para o PI

Para Wilson Martisn, proposta é um grande passo rumo aos projetos que fortalecem a estratégia de desenvolvimento do Piauí

A segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) está programando uma forte injeção de recursos no Piauí, projetando investimentos da ordem de R$ 9,2 bilhões nos próximos anos. A proposta preliminar aprovada em Brasília durante esta semana atende às principais reivindicações do Piauí, com reforço das infraestruturas produtiva e social.

De acordo com o vice-go-vernador Wilson Martins (PSB), coordenador do PAC no Piauí, a proposta não é uma garantia automática dos repasses, mas é um grande passo para a concretização dos projetos que fortalecem a estratégia de desenvolvimento do Estado. ?No atual governo, o Piauí passou a contar com um projeto de desenvolvimento, que passa necessariamente por um leque de obras estruturantes. A proposta contemplada pelo PAC reforça essa estratégia?, destaca Wilson.

O setor que receberá maior atenção do PAC é o de Logística em Transportes, com investimento previsto da ordem de R$ 3,5 bilhões. Esse item inclui trechos rodoviários de cinco BRs, a Transcerrado e as pontes de Marias Olímpio e Santa Filomena, ambas sobre o rio Parnaíba. Também a revitalização da ferrocia Altos-Luís Correia e a implantação do trecho Teresina-Nazária-Petrolina, interligando a capital à Transnordestina. Somente esse trecho tem investimento projetado de R$ 1,8 bilhão.

O segundo setor em projeção de recursos é o de energia, somando R$ 2,7 bilhões de investimentos. ?Assim como estradas e ferrovias, o suporte elétrico é fundamental para atração de grandes empreendimentos para o Piauí?, assinala Martins. As obras de energia incluem ainda linhas de transmissão, atendendo ao extremo Sul do Piauí, área de cerrados e a região de Paulistana. Outras obras vão fortalecer a capacidade de fornecimento na Grande Teresina, bem como no entorno de Parnaíba, Piripiri, Matias Olímpio e Miguel Alves.

A infraestrutura hídrica vai implicar em mais R$ 1,7 bilhão. Parte das obras é relacionada ao controle das cheias, como as projetadas para Barras, Esperantina e União. A cidade de Teresina terá atenção especial, tanto por obras específicas como pela construção das barragens de Castelo e Milagres, na bacia do Poti. As duas permitirão o controle das águas do rio, praticamente acabando com os riscos de cheias nas margens do Poti.

Os projetos contemplados pela segunda fase do PAC incluem ainda obras de saneamento, em Teresina e outras cidades do Estado. Estão relacionadas ainda projetos nos setores de Saúde, Educação, Esporte e Cultura. ?Demos um importante passo na concretização desses projetos. Agora precisamos seguir trabalhando, para que eles se transformem em realidade, e no mais curto espaço de tempo possí-vel?, avalia Martins.



Fonte: Sávia Barreto, Jornal Meio Norte