"NYT" cita Dilma e Manuela para destacar mulheres na política

Deputada federal, Manuela D"Avila deve concorrer a prefeitura de Porto Alegre

Deputada federal pelo Rio Grande do Sul, Manuela D"Avila (PCdoB) foi destaque no jornal americano The New York Times. Em entrevista publicada ontem, a edição online do periódico abordou o crescimento do papel das mulheres na política brasileira, especialmente após a eleição de Dilma Rousseff, a primeira mulher a ocupar a Presidência da República.



O jornal cita que Manuela vai disputar a prefeitura da capital gaúcha em 2012, assim como pelo menos outras 46 mulheres em 26 Estados - número considerado um recorde de candidatas no histórico de eleições no País. De acordo com a publicação, isso se deve em grande parte à popularidade da presidente, que embora tenha presenciado a queda de diversos ministros após denúncias de corrupção, mantém elevado índice de aprovação.

"Ela tem uma atitude diferente, mostra que é uma mulher de coragem", disse a cientista política Maria do Socorro Sousa Braga, da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar). "Isso está ajudando as mulheres a ir em busca do que elas querem, a se tornarem autônomas, gostarem da disputa", afirmou a especialista. No final do primeiro ano de governo, Dilma alcançou uma aprovação de 72% dos brasileiros.

Com a eleição de Dilma, vimos a confiança dos eleitores nas mulheres", afirmou Manuela D"Avila. "Com a decisão de Dilma de levar tantas mulheres para o seu governo, ela mostra mais uma vez que nós temos capacidade de governar", aponta a parlamentar.

A publicação aponta ainda que a presidente, chamada de uma "ex-rebelde marxista", não tem a mesma popularidade de seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, mas que seu foco no trabalho está conseguindo passar a imagem da eficiência para a população. De acordo com o jornal, esse apoio popular pode ajudar candidatas como Manuela D"Avila a conseguir sucesso nas urnas. "Há grande incentivo por parte do governo Dilma de estimular a participação das mulheres nas eleições", disse Braga.

O jornal cita que o número de prefeitas no Brasil passou de 317 em 2000 para 405 em 2004 e para 504 em 2008, mas isso corresponde a apenas 9% do total. Se comparado com outros países, o Brasil ainda precisa avançar muito na participação feminina na polícia, diz o The New York Times.

Fonte: Terra, www.terra.com.br