ONU aponta fraude na eleição afegã

Resultados finais de eleição devem ser anunciados nos próximos dias

 O representante especial da ONU no Afeganistão, Kai Eide, declarou neste domingo (11) que houve "fraude significativa" nas eleições presidenciais afegãs, realizadas no dia 20 de agosto. "É certo que, em alguns colégios eleitorais no sul e sudeste, houve fraude significativa, mas não só lá", disse Eide.

"A amplitude desta fraude ainda está sendo medida", acrescentou. A eleição presidencial afegã, cujo resultado definitivo ainda é uma incógnita, foi abalada por acusações de fraude generalizada, principalmente no sentido de favorecer o atual presidente Hamid Karzai. Segundo os resultados preliminares, Karzai lidera a contagem com 55% dos votos, à frente de seu principal rival, Abdulah Abdulah, com 28%. Os resultados finais devem ser anunciados nos próximos dias.

Eide convocou uma entrevista coletiva para responder acusações de que ele teria tentado ocultar informações sobre o tamanho da fraude no pleito afegão. Um adjunto de Eide, Peter Galbraith, foi recentemente destituído do cargo depois de uma discussão com seu chefe sobre a forma como a ONU havia tratado a questão da fraude. "Algumas destas acusações estão baseadas em conversas privadas que mantivemos quando ele (Galbraith) foi convidado à minha casa.

Minha postura é que as conversas particulares durante um jantar em minha casa devem continuar sendo particulares", disse o representante da ONU. Peter Galbraith foi destituído no dia 30 de setembro pelo secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-Moon, mas passou imediatamente à ofensiva, declarando que a decisão enviava um "sinal terrível" a respeito da vontade da ONU de combater as fraudes eleitorais. Segundo Eide, 30% dos votos de Karzai são fraudados.

Os observadores da União Europeia chegaram a conclusão semelhante, considerando que 1,5 milhão de votos são "suspeitos"; destes, 1,1 milhão beneficiaria Karzai, e 300.000 seriam em prol de Abdulah. Bomba A Isaf, coalizão da Otan no Afeganistão, anunciou neste domingo que um soldado americano morreu no sábado (10) vítima da explosão de uma bomba de fabricação caseira. Desde o começo do ano, pelo menos 408 militares estrangeiros - entre eles 342 americanos - morreram no Afeganistão, segundo um cálculo da AFP feito com dados do site especializado www.icasualties.org.

Fonte: g1, www.g1.com.br