Oposição promove "campanha de ódio", afirma Dilma

Em Goiânia, candidata criticou uso de temas religiosos na disputa eleitoral.

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, afirmou na noite desta terça-feira (19), em comício em Goiânia ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que a oposição promove uma campanha de "ódio" ao abordar temas religiosos.

"Hoje criaram uma campanha de ódio, uma campanha que usa do ódio e aproveita, tentando criar uma coisa que o Brasil jamais permitiu. O Brasil sempre foi o Brasil da convivência, da tolerância, da paz", afirmou a candidata, que apontou o "uso de calúnias, mentiras e de expedientes não adequados" pelos adversários.

"Em todas as eleições em que os nossos adversários começam a temer a derrota [fazem] o uso de falsidades, o uso de calúnias, mentiras, o uso de expedientes não adequados, mas sobretudo, criam medos", afirmou.



Dilma citou ainda a "convivência fraterna" entre religiões no país. "No Brasil católicos, evangélicos, espíritas, pessoas de todas as crenças convivem de forma fraterna. Aqui nós temos uma cultura da paz. Nós não podemos deixar que nos transformem em um país cheio de ódio. Quando há o ódio todo mundo perde e ninguém ganha", disse.

"E ao ódio nós vamos responder com gestos de amor. Mostrando o que é o amor nesse país, é o Bolsa Família, o Luz para Todos, o Minha Casa, Minha Vida, e esse projeto de um Brasil grande que nos vamos construir", completou a candidata.

O discurso de 20 minutos da ex-ministra da Casa Civil teve outras referências à religião. Ao agradecer ao público, Dilma destinou um cumprimento aos "padres e pastores aqui presentes". Também disse que vencerá a eleição "graças a Deus e graças a esse povo generoso".

Como na intervenção posterior de Lula, Dilma comparou a eleição a uma escolha entre modelos, referência frequente nos discursos no segundo turno. "Temos de escolher entre um país que nós sabemos que mudou ou voltar para trás", disse.

Citou números de criação de empregos e disse que as 14,7 milhões de vagas formais criadas sob Lula representam a "metade de todos os empregos criados" na história do país.

Ao falar de educação, incluiu o PSDB ao lado do DEM como partidos que questionaram o ProUni (Programa Universidade para Todos) na Justiça. "O partido dos nossos adversários, o PSDB, e seu aliado, o DEM, entraram no STF para acabar com o ProUni. Porque eles não têm generosidade, não olham para o povo trabalhador e para a oportunidade que demos quando criamos o ProUni", disse.

Dilma também sugeriu que a oposição possa privatizar a exploração das reservas de petróleo da camada do pré-sal. "Nós não vamos deixar que eles privatizem o pré-sal, porque o pré-sal é o nosso passaporte para o futuro.", disse.

Lula cita Deus e reforça discurso da polarização

Fechando o comício, o presidente Lula também fez referências a Deus ao pedir votos para Dilma. "Agradeço muito a Deus por ter chegado onde cheguei."

Também reforçou o discurso de polarização com a oposição ao apontar a disputa de projetos políticos opostos na eleição. "A gente não pode esquecer o Brasil que nós recebemos deles em 2003. Era o Brasil da privatização, do FMI, do desemprego, da desesperança, da falta de oportunidades. E nós mudamos", afirmou.

Ao pedir votos para Iris Rezende (PMDB), Lula disse que "a gente não é obrigado a aguentar mentira o tempo todo" e criticou o PSDB, sigla de Marconi Perillo, que concorre contra Rezende.

"Porque os tucanos têm o bico grande, eles são espertos. Eles têm o bico grande para uma lábia bonita", afirmou.

Candidata completa 24 comícios com Lula na campanha

Dilma venceu por margem estreita a votação no primeiro turno em Goiás, com 42,23% dos votos válidos, ante 39,48% de José Serra (PSDB).

Já o candidato ao governo apoiado pelo PT, Iris Rezende (PMDB), ficou em segundo lugar, com 36,37% dos votos válidos, e disputa o segundo turno com Marconi Perillo (PSDB), que venceu com 46,32% dos votos válidos.

O comício em Goiânia foi o 24º com participação de Dilma e Lula desde o início oficial da corrida presidencial, em julho.

Lula também já subiu em palanques com Dilma nesta campanha no Rio de Janeiro (RJ), Garanhuns (PE), Curitiba (PR, dois comícios), Belo Horizonte (MG), Osasco (SP), Mauá (SP), São Bernardo do Campo (SP), Campo Grande (MS), Salvador (BA), Recife (PE), Foz do Iguaçu (PR), Valparaíso (GO), Betim (MG), Joinville (SC), Juiz de Fora (MG), Campinas (SP) e Porto Alegre (RS, dois comícios), São Paulo, Ceilândia (DF), Teresina (PI) e Ananindeua (PA).

Fonte: g1, www.g1.com.br