Paes defende subsídio a transporte público em vez de incentivo a carros

Prefeito do Rio participa de encontro com prefeitos de capitais em Brasília

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), defendeu nesta segunda-feira (24) que o governo federal deixe de dar incentivos fiscais para a compra de carros e passe a subsidiar o transporte público.

Paes e outros prefeitos de capitais se reuniram em um hotel em Brasília para discutir projetos que serão apresentados à presidente Dilma Rousseff em audiência na tarde desta segunda.

?Não dá para a gente continuar subsidiando transporte individual e não ter subsídio para transporte público. Cada dia entra mais carro no Rio, em São Paulo, e o trânsito cada dia fica pior. A pressão dos serviços está sob as prefeituras?, afirmou Paes, antes de participar da reunião com prefeitos.

Entre 2008 e 2011, o governo federal reduziu e alíquota de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para incentivar a venda de veículos e estimular a atividade durante a primeira etapa da crise financeira internacional.

No ano passado, a estratégia se repetiu, e iria retornar gradativamente ao percentual sem desconto, mas o governo decidiu frear o aumento da alíquota até o final do ano.

Para Eduardo Paes, a política do governo deveria ser de incentivo ao transporte público e não de estímulo à compra de carros. ?É preciso priorizar?, disse.

Na tarde desta segunda, a presidente Dilma recebe prefeitos e governadores de capitais para discutir soluções para a insatisfação da população demonstrada nos protestos que ocorrem em todo o país.

Os encontros refletem o pronunciamento da presidente à nação na última sexta (21), em que disse que iria receber "líderes" das manifestações e conversar com os chefes dos executivos municipais e estaduais.

Segundo disse a presidente em pronunciamento no rádio e na TV na última sexta, no encontro com governadores e prefeitos, "o foco será: primeiro, a elaboração do Plano Nacional de Mobilidade Urbana, que privilegie o transporte coletivo; segundo, a destinação de 100% dos recursos do petróleo para a educação; terceiro, trazer de imediato milhares de médicos do exterior para ampliar o atendimento do SUS".

Eduardo Paes afirmou que também defenderá a ampliação do limite de endividamento dos estados, para que governadores e prefeitos possam investir na melhoria da qualidade do transporte público.

?Eu diria que a qualidade do transporte é muito ruim. Você tem a questão dos preços, que foi o estopim dessas crises, mas o problema é muito maior que só os preços [...] Você tem que permitir que os municípios possam se endividar?, disse. ?O que a gente espera é, de fato, que decisões sejam tomadas?, completou o prefeito.

Fonte: G1