Parlamentares que vão concorrer à eleição se afastam do Senado sem perder o poder

Parlamentares que vão concorrer à eleição se afastam do Senado sem perder o poder

Senadores candidatos usam "truque" da licença médica

Quatro senadores da base aliada e da oposição que vão disputar eleições recorreram ao "truque" da licença-médica para se dedicar à campanha eleitoral, mas sem perder o controle sobre a máquina parlamentar. Os senadores-candidatos Ideli Salvatti (PT-SC), Raimundo Colombo (DEM-SC), José Agripino Maia (DEM-RN) e Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) pediram licença médica, além da licença de quatro meses para tratar de assuntos particulares.

O acréscimo de três a seis dias de licença médica ao período de afastamento para fins particulares é a estratégia para assegurar a convocação do suplente. Isso porque o regimento interno do Senado autoriza o afastamento para cuidar de assunto particular por, no máximo, 120 dias. E a Constituição Federal prevê que o suplente seja convocado somente a partir do 121º dia. Com o suplente no comando do gabinete, toda a estrutura de cargos comissionados, verba indenizatória e cota postal, por exemplo, continua a todo vapor.

Fonte: R7, www.r7.com