"Partido deixou de ser instrumento de mobilização", diz senador Lindbergh Farias

Partido político "virou coisa de eleição" e "deixou de ser instrumento de mobilização das ruas", constata Lindbergh Farias.

Partido político "virou coisa de eleição" e "deixou de ser instrumento de mobilização das ruas", constata Lindbergh Farias, ex-líder dos caras-pintadas que em 1992 ajudou a pressionar pelo impeachment do então presidente Fernando Collor.

Há dez anos no poder, o PT e outras siglas de esquerda experimentam "um afastamento" das demandas da sociedade, "principalmente desse contato com a juventude", afirma Farias em entrevista ao ?Poder e Política?, programa da Folha e do UOL. "Acho que houve um descolamento da vida das pessoas".

Aos 43 anos, hoje senador da República pelo PT do Rio de Janeiro, Lindbergh acumula vasta experiência no currículo sobre protestos de rua. Foi do PC do B, do trotskista PSTU e virou petista em 2001.

Para ele, o PT ficou ao largo dos atuais protestos. "A lógica de estar nos governos acaba distanciando de uma pauta mais real". E falar de conquistas passadas "não basta mais", diz ele. "Se nós do PT ficarmos na agenda antiga dos [últimos] dez anos, nós vamos ser superados".

O petista compara as manifestações de hoje com as de duas décadas atrás e lembra que, no impeachment, demorava até 15 dias para marcar uma passeata. Hoje o movimento é instantâneo por meio das redes sociais.

A composição demográfica também se alterou. "Na minha época era mais juventude de classe média. Agora tem classe média e periferia, que é essa nova classe média.

A seguir trechos da entrevista

Folha/UOL - Qual é a diferença entre as manifestações de rua atuais e as que o Brasil presenciou em 92, durante o movimento Fora Collor?

Lindbergh Farias- São muitas. Vamos começar pela forma de convocar. Naquela época, a gente gastava 15 dias para organizar uma passeata. A UNE [União Nacional dos Estudantes] tinha que chamar uma reunião dos DCEs [Diretórios Centrais de Estudantes] e grêmios. Organizava visitas a escolas, passagem em sala de aula... Agora, não. Há as redes sociais. Eu acho que essa é uma diferença muito importante para entender esse processo.

Há outra diferença fundamental com 92: o fato de não existirem líderes. Isso é melhor ou pior?

Antigamente, para ter uma passeata, você precisava de uma direção. Uma UNE, um partido, um sindicato. Agora, esse movimento começou pelas redes sociais. Marcaram e a coisa foi crescendo. Isso é como se o movimento dissesse o seguinte: "Eu não preciso de direção para marcar, para convocar". É uma coisa mais horizontal. Acho que isso também é positivo.

As redes sociais, nos últimos anos, convocaram várias manifestações, mas sem sucesso. Por que desta vez funcionou?

Porque tinha um sentimento. Primeiro, a bandeira muito popular: transporte público nas regiões metropolitanas. Estamos falando de um caos. As pessoas estão ficando, no Rio de Janeiro e em São Paulo, três, quatro horas por dia presas no transporte público de má qualidade, com passagem cara. Acertaram na bandeira. E também há um certo clima com esses eventos, como Copa das Confederações...

No Rio de Janeiro, as pessoas dizem: "Gastam R$ 1 bilhão no Maracanã, mas a minha a vida aqui..." Há um sentimento de que o dinheiro é gasto para os turistas e não para as pessoas. Houve uma percepção do povo de que é um desperdício.

Os partidos políticos foram negligentes?

Acho que sim. Nos últimos dez anos, houve muitos avanços no Brasil. Temos o menor desemprego da nossa história. Quarenta milhões ascenderam à classe média. Houve melhora na renda. Uma parte da juventude que não entrava nas universidades, filhos de trabalhadores, passou a entrar.

Mas a vida nas grandes metrópoles está um inferno. Os serviços são muito ruins. Saúde hoje é um "problemaço". Aquele jovem de 17 ou 18 anos, que está entrando em uma universidade, está irritado com as instituições, com os governos, com as prioridades tomadas. Quando vê uma Copa das Confederações, essa grande festa, esse "Brasil do cartão postal", ele chama para o "Brasil real".

Esse movimento está com base popular. Tem uma coisa diferente da minha época.

O quê?

Na minha época, da juventude do movimento impeachment [do ex-presidente Fernando Collor], era um movimento mais de juventude de classe média. Eu queria que não tivesse sido. Queria que tivesse lá a juventude da periferia. Mas foi muito da classe média. Agora acho que tem duas cores: juventude classe média e juventude de periferia -que é essa nova classe média.

Aí se parece mais com aquelas rebeliões do subúrbio de Paris [protestos que eclodiram na periferia da capital francesa em 2005]. Eles vêm mais irritados porque a polícia é agressiva com eles.

Esse movimento sobrevive sem direção ou interlocutores principais?

Acho que sobrevive. E tem mais: quem acha que a redução do preço de passagem de ônibus vai resolver o problema está muito enganado. Eles ganharam força. O movimento sobrevive de vitória. Eles tiveram uma grande vitória.

Quem é que baixa a passagem de transporte coletivo? Ninguém. Eles conseguiram. O povo, a partir de segunda-feira [24.jun], que pegar o seu ônibus -povo trabalhador, mais pobre- criou um laço com esse movimento também.

Qual é o passo seguinte?

Se eu pudesse dar um conselho para esse pessoal, eu diria o seguinte: depois dessa primeira vitória -baixar o preço da passagem-, eles tinham que pegar uma bandeira tipo salário de professor. Imagina se esse movimento agora continua com essa força, mas dizendo o seguinte: "Tem que melhorar o salário do professor"? Ia emparedar todo e qualquer prefeito, todo e qualquer governador.

Governadores e prefeitos que cederam ao baixar as tarifas foram a reboque do movimento, empurrados?

Claro. Completamente [risos]. Completamente.

Ao invés de ficarem mais fortes, ficaram mais fracos?

É claro. O resultado é o seguinte: vamos continuar nas ruas e vamos atrás de mais vitórias. A leitura é clara. Acho que talvez os governantes tivessem que ter se reunido, construído uma saída. Do jeito que foi, na verdade, eles foram empurrados a aceitar aquilo.

O que poderiam ter feito?

É difícil negociar sem uma direção.

Mas o que eles poderiam ter feito?

O primeiro fato é o seguinte: a condenação à repressão que houve no primeiro dia é uma coisa que todos tinham que ter feito. Aquilo que houve em São Paulo e no Rio de Janeiro foi uma violência muito grande. Acabou dando um grande combustível ao movimento.

Mas acho que tinham que ter tentado alguma mediação. Essa redução do preço da passagem tinha que ser fruto de um acordo, de uma vitória.

Alguma contrapartida para os dois lados?

Para os dois lados. Meu filho [Luiz Farias, 17 anos] está participando das passeatas lá do Rio. Eu falei com ele ontem à noite e ele disse: "Para mim, não foi vitória nenhuma. Diminuir R$ 0,20 do preço da passagem?". Entendeu? Acho que é um fortalecimento desse movimento. Agora, eles terão de achar a segunda bandeira.

Do jeito que o sr. fala, com a fragilização dos governadores e dos prefeitos, a impressão que dá é que é ladeira abaixo a credibilidade dos governantes...

Eu acho o seguinte: até o final da Copa das Confederações, esse movimento vai crescer. Depois, pode dar uma refluída. Mas, até lá, esse movimento vai crescer. E há a possibilidade até a Copa do Mundo, não com essa intensidade, de continuar tendo, até o ano de 2014, muitas manifestações.

Que é um ano eleitoral, inclusive...

Vai ter um ascenso do movimento de massas. Essa vitória que os manifestantes construíram vai dar muita força a eles. As respostas dos governos teriam que ser entrar na pauta da vida das grandes cidades: mobilidade, segurança pública, saúde e educação.

Os partidos deveriam entrar nessa pauta?

Têm que entrar nessa pauta. Tem que ter investimentos maciços em transporte público. Tem que ter uma coisa mais coordenada que responda a uma ânsia desse pessoal.

Parece que hoje não existe mais ninguém interessado em ingressar em um partido político. Por quê?

Partido virou coisa de eleição. Tem gente que tem as suas preferências no período eleitoral. Mas partido deixou de ser instrumento de mobilização das ruas. Até porque os nossos partidos de esquerda chegaram ao poder e estão aí há dez anos. Houve um afastamento, principalmente desse contato com a juventude.

O sr. já foi do PC do B, do PSTU. Está no PT desde 2001. Por que aconteceu isso, sobretudo com o PT?

Houve um descolamento nesse momento. O PT tem uma ligação grande com o povo brasileiro, principalmente o povo trabalhador. Há uma confiança desse povo, dos trabalhadores brasileiros, na figura em especial do presidente Lula e do PT também.

Mas a presidente Dilma parece que não desfruta desse mesmo prestígio...

Porque é outra característica. Agora, a presidente está muito bem avaliada: 55% de "ótimo e bom". Acho que essas passeatas não estão sendo passeatas contra a Dilma. Pelo menos lá no Rio de Janeiro eram muito mais em cima de problemas regionais. A cobrança era muito mais das autoridades estaduais do que do governo federal.

Esse movimento desembocará em alguma coisa mais orgânica?

O movimento é igual as redes sociais: várias pessoas falam sobre vários temas ao mesmo. Esse movimento tem essa cara nova. Nós temos que entender isso.

Nas redes sociais, como é que é se disputa? Você vai para dentro do movimento, levanta as suas posições. Um puxa para um lado, outro puxa para outro lado. Até se construir um consenso. O forte desse momento é que teve um consenso. Na verdade, dois consensos: transporte público e essa coisa dos eventos.

Acho que aqui houve um descolamento de todos os governos de uma realidade. E da vida das pessoas.

Por que o PT não percebeu isso?

Porque está distante. A lógica de estar nos governos acaba distanciando de uma pauta mais real da vida das pessoas. Eu estou sentindo essa pauta no dia a dia. Eu estou fazendo no Rio -até porque quero ser candidato a governador no próximo ano- caravanas da cidadania.

Estou rodando toda a Baixada Fluminense, São Gonçalo, os bairros da periferia, do subúrbio do Rio de Janeiro, e eu já sabia dessa pauta. Sabia do descontentamento com esses eventos. Que um certo consenso que estava se criando que isso é um absurdo, um erro se gastar bilhões nisso.

Eu sei do descontentamento que existe na metrópole do Rio de Janeiro, na região metropolitana do Rio de Janeiro. Só que eu acho que isso é nacional. Essa classe média que conquistou muita coisa, essa nova classe média, agora quer melhorar a saúde, quer melhorar a sua vida. E essa é a pauta que a gente tinha que estar mais antenado.

O que houve de conquistas nos dez anos de governo Lula e Dilma não basta mais. Nós quase estamos encerrando a miséria absoluta no país. Muito bem. 40 milhões entraram na classe média. Muito bem. Qual é a pauta que estão impondo para a gente do PT também? É uma pauta da vida nos grandes centros urbanos, a luta contra a desigualdade, a luta para melhorar a saúde.

Essa é a nova agenda. Se nós do PT ficarmos na agenda antiga dos [últimos] dez anos, nós vamos ser superados.

Mas o governo e o PT dizem que estão atentos a tudo isso. Estão "míopes"?

Tem que sentir mais a realidade. Por exemplo, obras da Copa lá no Rio de Janeiro. Metrô de Ipanema para a Barra? Qual é o legado? BRT [Bus Rapid Transit] sai da onde? Sai do aeroporto Galeão e vai para a Barra da Tijuca. O que o povo acha? Estão fazendo obras para os turistas. Eu não consigo entender. Tem um descolamento dessa vida real das pessoas.

O governo Dilma deveria se preocupar mais em ter agentes que pudessem se conectar com esses anseios populares?

Acho que sim.

Por que não tem?

O PT tem uma grande liderança, que é o presidente Lula. Tem a liderança da presidente Dilma. Mas o PT não está enraizado nas cidades de forma mais intensa. Não é essa grande máquina. No Rio, estou sentindo isso...

No Rio, o PT nunca foi tão robusto...

O PT no Rio, no passado, tinha uma influência maior na classe média. Agora, não. Nós construímos influência nessa região metropolitana.

Não dá para pensar que o PT é aquele partido completamente enraizado. Houve um descolamento em relação a esse sentimento que está existindo.

A direção do PT precisa acordar para isso?

O presidente [do PT] Rui Falcão fez uma boa nota, defendendo essas manifestações, aconselhando os prefeitos a reduzirem o preço das passagens e chamando atenção da necessidade dessa próxima pauta, dessa nova frente de diálogo. Mostrando que, se ficarmos presos à pauta dos últimos dez anos, esse não é o caminho correto.

O PT tem essa ligação com o povo. Eu acho que a grande bandeira agora, depois do fim da miséria, tem que ser essa bandeira de luta contra a desigualdade e melhora dos serviços públicos.

Mas o presidente nacional do PT, Rui Falcão, sugeriu também que o partido vá para as ruas e se manifeste. Tem clima para isso?

Todo partido político tem que ter cuidado quando aparecer. Quem chegar a reboque nessas manifestações não vai ser bem recebido. Sejam entidades ou partidos políticos. É necessário muita prudência. O movimento surgiu sem apoio dos partidos e das entidades.

Acho que os partidos e entidades têm que ter cautela porque quem chegar agora, querendo surfar na onda, não tenha dúvida que será repreendido pelo movimento. Eles estão fortes.

Por que a UNE [União Nacional dos Estudantes] está tão sumida desse tipo de movimento?

A UNE está pagando o preço dos partidos de esquerda estarem no governo nesses dez anos. Perdeu um pouco o tom que tinha à frente da rebeldia. Ficou para trás na convocação desses movimentos. Não dá para agora querer assumir a frente disso.

É como se a UNE não fosse tão necessária. Antigamente, para ter uma passeata, a UNE tinha um papel, que era de coordenar, de ajudar a organizar. Agora, é como se não precisasse mais da União Nacional dos Estudantes para chamar esses protestos.

Mas a UNE se acomodou?

Acho que sim. Eu acho uma pena. Eu gosto muito da UNE até por ter sido presidente. Acho que a UNE tem bandeira, tem uma história bonita de luta contra a ditadura militar.

Mas está acomodada?

Acho que sim. Perdeu o bonde. Também não adianta agora querer assumir o controle, tomar a frente do protesto porque os estudantes não vão deixar.

Esse recado de contra tudo e contra todos pega um pouco a mídia, que foi hostilizada em vários locais. Qual é a sua avaliação sobre isso?

Acho que não dá para ter todas as conclusões. Mas essa coisa do "Brasil cartão postal", dos eventos, a mídia expressa muito isso. Acho que tem essa contestação. Essas manifestações são muito progressistas e com a ligação com a realidade muito forte.

O protesto contra decisões dos governos em relação a esses eventos. A mídia expressa muito isso. Esse "Brasil do cartão postal". Esse Brasil que está eufórico com a realização desses eventos. E esse não é o sentimento das massas.

Eu não sei dar todas as respostas. A gente tem que ir aprendendo muito. O interessante para a gente que acompanha, e eu sou um torcedor dessas passeatas, é que é algo diferente do que acontecia tradicionalmente. A gente fica olhando cada dia para ver o que acontece. Não sei o que vão ser as passeatas [futuras] [a entrevista foi gravada na manhã de 20 de junho]. Sei que vão ser grandes. A gente tem que ir aprendendo também com essa nova dinâmica, que veio para ficar. Não é uma coisa só de agora.

As manifestações do futuro eu acho que tendem a ser dessa forma. É claro que não é só chamar pelas redes sociais. Tem que ter o clima. Tem que ter uma bandeira que unifique. Mas eu acho que, cada vez mais, as direções vão ter um papel menor na condução dos movimentos sociais. Essa é uma característica.

As direções dos movimentos?

Dos movimentos. Essa é uma característica não só do Brasil. Do mundo inteiro.

Quem vai mediar e tornar realidades os anseios de quem participa?

Isso é mais complexo. A gente tem que aprender no processo.

Qual que é o seu palpite?

Em movimentos como esse, você tem posições distintas. Para unificar todo mundo, tem que ser uma bandeira muito forte e consensual. Baixar o preço da tarifa foi. Salário do professor seria. Grupos que tenham determinadas posições mas que não sejam posições que construam esse caminho do consenso, não vão ter muito espaço. Vão levantar as bandeiras deles, mas não são bandeiras aceitas pelo coletivo de forma de se impor de forma consensual.

O grande desafio dessa turma agora é achar o segundo mote. Se achar um segundo mote forte...

O sr. é presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, a CAE, do Senado. Começou a andar um projeto que concede benefícios fiscais para empresas do setor de transporte público. Por que isso aconteceu?

Esse é um projeto que tramita há três anos na Câmara, passou em todas as comissões. Depois em duas comissões no Senado e está em caráter terminativo na Comissão de Assuntos Econômicos. O relator na Câmara foi o deputado Zarattini [Carlos Zarattini do PT-SP], que fez um trabalho perfeito. É um projeto que estrutura muito o setor. Você cria uma desoneração federal, mas o Estado e os municípios teriam que aderir fazendo desoneração estadual e municipal. Se cria uma cadeia.

Mas o mais interessante é que você cria uma figura da abertura da planilha das empresas de ônibus. Porque aconteceram muitas desonerações. Infelizmente, o preço da passagem não abaixou. Aquilo virou lucro para os empresários. O projeto também faz outras condicionantes. Tem que ter licitação. 95% das linhas de ônibus não são licitadas. Isso afeta a qualidade. Então o projeto diz o seguinte: Para receber essa desoneração, tem que ser feita a licitação. Teria uma consequência muito interessante, que é colocar esses movimentos, inclusive, pressionando as prefeituras para que tenham licitação, para que abram as planilhas.

Mas esse é um projeto muito difícil de ser aprovado. Por quê?

Porque tinha resistências. Ninguém quer abrir mão de receita. Estado, município, governo federal. É sempre muito tenso.

Por que os governos não podem simplesmente exigir planilhas abertas imediatamente e criar localmente regras de licitação? Por que tem de ser o Congresso que tem de fazer, por meio de lei?

Hoje isso não existe. Agora, essas desonerações... Muitas foram feitas sem ter essa exigência de olhar a planilha e fazer a redução do preço. Isso não aconteceu. Acho que é justo ter essas desonerações todas. Sabe por quê? Porque transporte público é o que o público mais precisa. São os trabalhadores. Isso afeta tudo.

Esse projeto era impossível de ser aprovado. Passou a ter condições de ser aprovado a partir das manifestações. Mas ontem [19.jun.2013] o ministro [Guido] Mantega [Fazenda] já disse que por parte do governo federal as desonerações já foram feitas. Houve a redução do preço das passagens.

Nós estávamos fazendo um esforço para votar na terça-feira [25.jun.2013], mas não conseguimos ainda construir esse acordo...

Então, possivelmente...

...com o governo federal e com os governos dos Estados. Então o dia de ontem... O desfecho do dia de ontem não foi um bom desfecho nesse sentido.

Possivelmente o projeto vai aguardar mais um pouco?

É... Está difícil de colocar em votação. Nós não conseguimos acordo nem com o governo federal nem com os governos dos estaduais.

O PT está no governo há dez anos e construiu uma aliança política e ideológica muito ampla. Essa geleia geral contribuiu para esse desalento nos manifestantes de rua contra os partidos?

Acho que não. O que contribuiu foi a distância do mundo real, e da pauta real da vida das pessoas. O que contribuiu, volto a dizer, foram essas novas exigências dessa classe média que está surgindo. Dessa juventude que está indo para a universidade...

As pessoas não prestam atenção se Maluf ou um pastor anti-gay está no governo?

Não é a questão determinante. É claro que é necessário fazer uma reforma política neste país. E o problema é o tempo de televisão, essa lógica que para ter tempo de televisão você tem de aglutinar o maior número de partidos. Eu quero ser candidato a governador do Rio. Estou enlouquecido e preocupado com a televisão. Com o tempo que eu vou ter para disputar a televisão. Enquanto não resolver isso, fazer uma reforma política estruturante, eu acho que nós vamos ter esse vale tudo de todos os candidatos atrás de somar o maior tempo de televisão para a disputa eleitoral.

Seria possível esse movimento de rua abraçar essa necessidade de reforma?

Em relação à reforma política?

Que não é uma bandeira muito simples...

Reforma política está fora dessa pauta aí. A pauta que esses caras podem ajudar, os manifestantes, é o seguinte: colocar a vida do povo no centro do debate político. Qual é pauta real? Qualquer pesquisa diz. Saúde. Transporte.

Mas sem um sistema político-partidário dentro do establishment não vai ter saúde melhor nem educação. Porque quem vota são os deputados e os senadores eleitos por esse sistema ultrapassado e obsoleto...

Acho que esse povo pode impor das ruas uma pauta, que vai ser uma pauta discutida nessas próximas eleições, que pode redirecionar o debate político. O debate político, em São Paulo e Rio, vai ser a vida na metrópole. Como é que está a situação do jovem? Acesso à cultura? Mobilidade? Saúde?

Saúde o povo vai impor goela abaixo em algum momento. Qualquer pesquisa que você faz em qualquer cidade do Brasil a saúde é o ponto mais grave. Vai chegar um momento que um candidato a presidente vai dizer: "Olha, saúde vai ser a prioridade do meu mandato. Eu vou resolver isso dessa forma. Vou trazer tanto a mais de investimento".

Acho então que a grande lição dessa coisa das manifestações é impor essa pauta da vida real para os governantes. Porque os governantes estão distantes.

O sr. deseja ser candidato a governador do Rio. Em 2010, o PT, seu partido, apoiou o atual governador, Sérgio Cabral. Por que agora o PT ficaria separado do PMDB?

Porque nós não vamos ficar eternamente a reboque do PMDB no Rio. Nós não nascemos para isso. E nós hoje temos uma candidatura muito mais bem posicionada do que a candidatura do PMDB. Eu diria o contrário. Nós já abrimos mão em 2010. Aquele era um caso de reeleição do governador Sérgio Cabral e aquele era um momento diferente. O governador estava bem avaliado, o presidente Lula entrou em campo nisso. Nós, naquele momento, recuamos. Mas nós não aceitamos virarmos reboque "ad eternum" do PMDB no Rio de Janeiro.

Mas a aliança no Rio não se relaciona com a coalizão no plano federal? Não seria o caso de esperar até 2018?

Não, de jeito nenhum. O PMDB tem um projeto para o Rio super-hegemônico. Eles têm candidato em 2014. Em 2018 já é o Eduardo Paes. Eles têm o projeto deles. E qual é o Estado do Brasil que está havendo essa discussão da forma como estão colocando no Rio? Nenhum. O PMDB, onde quer, está lançando candidato. E o PT também. Em São Paulo o PMDB vai ter a candidatura do [Paulo] Skaf e o PT vai ter a candidatura dele. Na Bahia o PT é governo e o PMDB vai ter candidatura. Todo lugar que o PT é governo o PMDB tem candidato.

Mas já tinha antes. No Rio de Janeiro é diferente: só um tinha, agora os dois querem ter...

Nós vamos ter candidatura. É uma decisão nossa lá. Faz parte da democracia ter disputa de projetos.

A presidente Dilma teria dois palanques, nesse caso?

Já teve, o presidente Lula teve vários palanques...

Mas não no Rio.

No Rio também. Teve uma eleição que o Lula teve...

Com a Dilma em 2010?

2010 não teve. Foi só Sérgio Cabral. Na eleição anterior do Lula teve [Marcelo] Crivella, teve Vladmir Palmeira, o Lula ia num palanque uma hora, em outro palanque outra hora. Em Pernambuco teve Humberto Costa e Eduardo Campos.

Em 2014 no Rio, ao seu juízo, seriam dois palanques. O seu e o candidato do PMDB?

Talvez mais do que dois. Miro Teixeira está colocando a candidatura dele. Do PDT, da base. O Garotinho é candidato. Não sei se vai apoiar a Dilma. Então, ela pode ter um conjunto de palanques. O problema não é ter vários palanques, o problema é não ter palanque.

Do ponto de vista eleitoral, o melhor caminho para Dilma não é ter um palanque só com o Pezão [pré-candidato do PMDB ao governo fluminense]. É preciso dialogar com isso que está surgindo também. Ter candidaturas de perfis diferentes.

Dentro do seu partido, não há uma pacificação total sobre o fato de o sr. desejar ser candidato. No Rio de Janeiro, o PT tem 11 prefeitos. A maioria parece achar precipitado lançar sua candidatura...

Minha pré-candidatura foi aprovada por unanimidade no diretório regional do PT. Todos os deputados federais, Molon, Benedita da Silva, Luís Sergio, Edson Santos, Jorge Bittar, todos os deputados estaduais com a minha candidatura.

Agora, as prefeituras dependem muito do governo. Tem aquela pressão. Tenho ligado para os prefeitos e dito o seguinte: "Olha, vá lá, faça a reunião, você tem que pensar primeiro na sua cidade". Tem um prefeito, que é o de Niterói, que hoje é muito ligado ao governador Sérgio Cabral. Esse prefeito, de fato, deve apoiar o candidato do PMDB. O resto, não. Os outros estão preocupados com suas cidades. Quando o governador chama, eles vão lá. Não estou preocupado com isso.

Queria passar aqui, com muita clareza e convicção: essa é uma decisão nossa. Nós vamos ser candidatos. Vejo um chororô antidemocrático. Porque nós estamos na frente nas pesquisas. Querer tirar o candidato que está na frente, querer impor de cima a baixo? Acho que tem que disputar. Se eu puder dizer alguma coisa ao PMDB, é o seguinte: "Nos deixem em paz. Construam a candidatura de vocês, falem do que vocês fizeram, e deixem a gente seguir o nosso caminho". Nós não queremos fazer uma campanha, nem vou fazer, agressiva, contra o governador do Estado. Nós vamos ter uma relação respeitosa, eu quero discutir problemas, soluções. Já disse isso ao presidente Lula. Não vou ficar atacando o Sergio Cabral. Não é essa a minha linha. Mas a gente tem o direito de apresentar propostas.

O atual governador do Rio, Sérgio Cabral, do PMDB, tem sugerido que fica em risco a aliança nacional com o PT se o PT lançar candidato próprio a governador do Rio. É isso mesmo?

Falou isso, depois deu uma recuada. Na verdade, faço uma pergunta: quem é que precisa de quem nisso? É a Dilma que precisa do Pezão ou é o Pezão que precisa da Dilma? A avaliação do governo da Dilma no Rio de Janeiro é 57% de ótimo e bom. Do governo do Estado, é 32%. Na verdade, a candidatura do PMDB precisa da foto do Lula e da Dilma pra ir disputar votos na região metropolitana do Rio.

Quando o PMDB fala isso é um blefe?

Eu acho. Acho que o povo não entenderia, de forma nenhuma, o PMDB no Rio não se engajar na campanha da Dilma. Se eles fizessem isso, estariam cometendo um suicídio político. Volto a dizer: acho um chororô desnecessário, antidemocrático. Digo mais: eles estão nos ajudando, porque as pessoas não gostam disso. As pessoas querem ter alternativas. Estou andando nas ruas do Rio, as pessoas dizem o seguinte: não desista, vá em frente.

Por falar em alternativas, no plano federal o sr. acha bom Eduardo Campos que se lance ao Planalto?

Acho bom que tenha o máximo de debate na eleição presidencial. Gosto muito do Eduardo Campos. Acho uma perda para a base [governista] porque o Eduardo e o PSB têm boas contribuições. Se fosse apoiar a Dilma, seria muito bom, mas é uma candidatura que eu acho que contribui com o debate politico deste país.

Sou contra o PT colocar Eduardo Campos como inimigo. Temos que fazer uma disputa com cordialidade. Vamos apresentar os nossos projetos, mas deixando a porta muito aberta para o Eduardo Campos.

Dos pré-candidatos a presidente da República, quem vai se conectar mais com as atuais manifestações?

A resposta você sabe: Marina. É claro que é a Marina. A Marina e a própria ideia do partido, Rede, tem a ver com tudo isso. Essa juventude aí se identifica muito com ela. A Marina, no plano nacional, tem tendência de se aproximar muito dessa coisa, dos manifestantes.

O que isso significa? Ela tem chances de surpreender e ganhar?

Acho muito difícil enquanto nós tivemos essa aprovação. A minha tese é a seguinte: quem tiver acima de 45% de ótimo e bom, de avaliação presidencial não perde a eleição. A Dilma tem 55%, está bem avaliada. Nós vamos ganhar.

Mas quem mais pode crescer nisso tudo é a Marina. O discurso dela é meio já antipartido, de organização por redes. Tem muito a ver com isso que está acontecendo. Pelo menos no Rio, que eu acompanho, quem mais pode se conectar com esse momento é a Marina.

Os outros dois pré-candidatos do establishment, Aécio Neves, do PSDB, e Eduardo Campos, do PSB, menos?

Menos. Porque tem uma coisa de popular nesse processo. Não é um movimento anti-PT, anti-Lula.

Você faz a pesquisa e vai ver que tem muito cara dizendo: "Ah, Lula, eu estudo no ProUni, eu entrei por política de cotas, foi o Lula". Só que ele quer mais, quer melhorar a vida dele.

Com essa aprovação, a reeleição da presidente Dilma vai ser então "mamão com açúcar"?

O quadro é mais complexo. Por quê? Nós temos uma situação na economia na qual a Dilma tem que caminhar em uma linha entre inflação e crescimento. Nem pode jogar tudo para acelerar, pela preocupação com a inflação, nem pode dar uma grande pancada na inflação com preocupação no crescimento porque tem que crescer algo em torno de 3% [ao ano].

Eu diria que nem tanto inflação e crescimento. Inflação e desemprego. Mas acho que ela tem aqui um caminho bem colocado para se manter em 2014 com tranquilidade. Acho que a inflação não passa de 5,5% esse ano. O Banco Central está atuando. Acho que vamos crescer perto de 3%, mas, [quanto ao] desemprego, acho que vai ficar nesse patamar, que é o menor da história.

Mas tem essas manifestações. Tem que acompanhar. Tudo isso pode influenciar de alguma forma ao quadro eleitoral. Eu diria que a Dilma, hoje, é franca favorita. Está muito bem. Mas é um quadro muito instável que se criou daqui para frente. Seria diferente se não existissem passeatas, não existisse crise econômica...

E se abrir um vácuo? Quem está mais apetrechada para entrar nele é Marina [Silva]?

Acho que a Marina... Eu não vejo a Marina ganhando eleição presidencial. Acho que não tem estrutura partidária, mas...

Collor também não tinha...

É. Mas tem que ter tempo de televisão. Eu acho que é muito difícil a Marina ganhar uma eleição presidencial.

Collor também não tinha muito tempo de TV.

Collor tinha pouco tempo de TV ali [naquela época]?

Pouco tempo. No primeiro turno, pouco tempo. Quem tinha muito tempo foi o Ulysses Guimarães, que teve 3% dos votos.

Acho que a Marina pode crescer, mas eu, sinceramente, estou muito tranquilo e confiante na vitória da Dilma.

Agora, eu prevejo um cenário de muita instabilidade. Nós estávamos com a estrada completamente lisa, asfaltada. E, agora, nós vamos ter muita turbulência daqui para frente.

Há um caso no Supremo Tribunal Federal. O ministro Dias Toffoli autorizou a quebra dos seus sigilos bancário e fiscal no período de 2005 a dezembro de 2010. A decisão faz parte de uma investigação contra o sr. por supostas fraudes no Fundo de Previdência dos Servidores Municipais de Nova Iguaçu [Previni] quando o sr. era prefeito da cidade. O que aconteceu?

Não tem problema nenhum quebrar sigilo. Eu vou disputar essa eleição mostrando sigilo bancário, fiscal.

O que aconteceu?

Isso é um inquérito. Eu era prefeito. Qualquer ação que existisse no Ministério Público para abrir uma investigação abre um inquérito. Como eu era prefeito, virei senador, vem tudo para o Supremo Tribunal Federal.

Não existe nenhum processo ainda porque, depois do inquérito, o juiz vai olhar, o ministro vai olhar e dizer assim: "Ah, eu vejo aqui um indício". Aí abre um processo. Ou seja, não existe nem processo.

Vou explicar. Era o Fundo de Previdência de Nova Iguaçu. O que eles falam de rombo era uma dívida da prefeitura com o Instituto de Previdência. Uma dívida de R$ 400 milhões. R$ 325 [milhões] foram porque o prefeito anterior, na verdade, não pagou a contribuição patronal para o Instituto de Previdência. R$ 75 [milhões] meus foi o seguinte: nós fizemos uma antecipação de royalties e colocamos para dentro do fundo de previdência.

O Ministério da Previdência [Social] disse OK. Só que, mais à frente, o Ministério da Previdência disse o seguinte: "Não, prefeitura de Nova Iguaçu. Nós estamos achando que isso aí não é capitalização da previdência. Vocês estão trocando um recurso por outro recurso". O que a prefeitura fez? Parcelou os débitos e está pagando. É essa a situação.

Queria também dizer que o Instituto de Previdência é autônomo. É independente. Eu não nomeio presidente nem diretor. É como se existisse uma crise na Petros [fundo de previdência dos funcionários da Petrobras] e você colocar, assim, junto da presidência da Petrobras ou da presidente da República.

Estou completamente tranquilo nesse caso. Não tenho preocupação nenhuma.

É uma dívida da prefeitura com o fundo e parece que há um rombo: R$ 400 milhões.

A propósito desse episódio, tem também a ex-chefe de gabinete da Secretaria de Finanças de Nova Iguaçu. O nome dela é Elza Araújo e ela disse em depoimento que o sr. teria montado um esquema de captação de propina entre empresas contratadas pelo município. A que se refere isso?

Essa moça trabalhou com o meu adversário na campanha. Nós já abrimos completamente todo o sigilo. Não existe nada disso. Nunca vai ter nada contra mim porque uma coisa eu não sou: patrimonialista. Eu comecei garoto na política. E comecei lutando por transformação neste país. Tenho um filho de 17 anos. Uma coisa que eu quero -e eu estou construindo minha história na política do país- é poder olhar para o meu filho e dizer: "Seu pai aqui é um cara sério que está lutando para mudar as coisas".

*A história que ela relatou é mentira?

Sem pé nem cabeça. Não tem prova de nada. Desde 2007, entreguei o meu sigilo nesse caso. Vou entrar na campanha mostrando o meu sigilo. Vou enfrentar esse debate na campanha eleitoral porque não aceito que um bando de patrimonialistas que fazem política por outros interesses venham me acusar. Vou fazer uma campanha muito dura no Rio de Janeiro. Mostrando o meu lado, mostrando as minhas posições, abrindo o meu sigilo...

Digo aqui com pureza na alma. Eu não sou patrimonialista. Eu não estou na política para isso. Eu entrei com uma causa. Continuo acreditando nisso: acho que posso ser um governador do Estado do Rio de Janeiro para melhorar a vida desse povo trabalhador do Rio de Janeiro.

Fonte: UOL