Pesquisas indicam equilíbrio de força política nas capitais do país

Mais recentes rodadas de pesquisas pelo País mostram PT e PSDB favoritos em cinco cidades

As forças partidárias que atualmente governam as capitais deverão sofrer mudanças e deslocamentos a partir do ano que vem, quando tomam posse os novos prefeitos. Mas o quadro tende a manter um certo equilíbrio com a situação atual, levando-se em conta as últimas pesquisas de preferência do eleitorado para as eleições do próximo domingo. O PT, que hoje governa sete capitais, poderá perder o título de campeão. É favorito em cinco, assim como o PSDB, que hoje só tem um prefeito, o de São Luís (MA), João Castelo.

Alguns partidos deverão ser alijados do poder nas capitais, como o PC do B, que vai deixar o poder em Aracaju (SE) ou para o DEM, que disputa com o ex-senador João Alves, ou para o PSB, que lançou o deputado Valadares Filho, apoiado pelo governador Marcelo Déda (PT) e pelo atual prefeito, o comunista Edvaldo Nogueira. Nas últimas semanas o favoritismo de Alves caiu, enquanto Valadares subiu muito nas pesquisas.

Outro que dará adeus a uma prefeitura é o recém-criado PEN, partido do prefeito de Maceió (AL), Cícero Almeida. As pesquisas indicam que ele deverá ser substituído pelo tucano Rui Palmeira. Tanto Nogueira, em Aracaju, quanto Almeida, em Maceió, já estão no segundo mandato e não puderam disputar a reeleição.

Atualmente, as 26 prefeituras de capitais são governadas por 11 partidos e um sem partido - o prefeito de João Pessoa (PB), Luciano Agra. Eleito pelo PSB, Agra deixou a legenda depois que o presidente da sigla, Eduardo Campos, o impediu de tentar a reeleição, lançando Estelizabel Bezerra. Em represália, Agra passou a apoiar o petista Luciano Cartaxo, hoje favorito na disputa contra o senador tucano Cícero Lucena, ex-prefeito, e o ex-governador José Maranhão, do PMDB.

Agra exigiu que o PT aceitasse na chapa o vice Nonato Bandeira, do PPS, partido que faz oposição à presidente Dilma Rousseff. As direções partidárias do PT e do PPS tiveram de engolir a exigência, visto que vetaram alianças entre si. Quadro semelhante só é repetido em Uberaba, em que o PPS apoia o candidato petista Gilmar Machado, favorito na disputa. Mas, ao contrário de João Pessoa, não integra a chapa majoritária.

Levando-se em conta as projeções de votos, o número de partidos que se distribuirão na chefia dos executivos das capitais será de 12. Pela primeira vez o PSOL poderá eleger um prefeito, o ex-petista Edmilson Rodrigues, em Belém (PA). Rodrigues já foi prefeito da capital paraense e está à frente de políticos tradicionais, como Zenaldo Coutinho (PSDB) e José Priante (PMDB).

O PSB governa hoje três capitais. Poderá chegar a quatro, mas corre o risco de perder Curitiba. Na capital paranaense, o prefeito Luciano Ducci tenta a reeleição, mas está atrás de Ratinho Junior, do PSC. Gustavo Fruet (PDT), que tem o apoio do PT, aparece em terceiro lugar.

Já o PSD, que tem o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, sairá da capital paulista. É provável que migre para Florianópolis (SC), com o favorito Cesar Souza Junior. O PTB, que hoje está à frente de três capitais - Teresina (PI), Belém e Cuiabá (MT) - poderá ficar sem nenhuma. De acordo com as pesquisas, o partido não elegerá prefeito de capitais.

O PP, que hoje comanda a Prefeitura de Salvador (BA) com João Henrique, poderá migrar para Palmas (TO), onde o empresário colombiano naturalizado brasileiro Carlos Amastha deixou para trás Marcelo Lelis, do PV, que tem o apoio do governador tucano Siqueira Campos. A cidade é governada por Raul Filho, do PT, que passou por um sério desgaste depois da divulgação de um vídeo em que negocia com o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Como já foi reeleito, ele não disputa a eleição.

Fonte: estadão.com.br