PF faz 29ª fase da Operação Lava Jato; alvo é ex-tesoureiro do PP

O mandado de prisão preventiva (sem prazo) é contra o ex-assessor

 A PF (Polícia Federal) realizou na manhã desta segunda-feira (23), a 29ª fase da Operação Lava Jato. Estão sendo cumpridos seis mandados de busca e apreensão, dois de prisão temporária e um de prisão preventiva no Rio de Janeiro, em Pernambuco e no Distrito Federal.

A nova fase investiga crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção passiva a ativa envolvendo verbas desviadas do esquema criminoso revelado no âmbito da Petrobras. O mandado de prisão preventiva (sem prazo) é contra o ex-assessor parlamentar e ex-tesoureiro do PP João Cláudio Genú, que foi detido em Brasília.

Ele também foi acusado de participação no escândalo do mensalão. Genú foi acusado de sacar cerca de R$ 1,1 milhão de propinas em espécie das contas da empresa SMP&B Comunicação, controlada por Marcos Valério, condenado por ser o operador do mensalão.

Em 2012, Genú chegou a ser condenado no Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção passiva, mas a pena prescreveu. Ele também foi condenado por lavagem de dinheiro, mas recorreu e foi inocentado em 2014.

Genú foi assessor do ex-deputado federal José Janene (PP-PR), morto em 2010. Janene foi apontado pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Youssef, delatores da operação Lava Jato, como um dos políticos que atuaram no esquema de pagamento de propina envolvendo a estatal.

O ex-parlamentar também foi denunciado por participação no esquema do mensalão, mas morreu antes de ser julgado.

"Surgiram, porém, elementos probatórios que apontam a sua participação também no esquema criminoso que vitimou a Petrobras, motivo pelo qual passou a ser investigado novamente na Operação Lava Jato, onde as investigações apontam que ele continuou recebendo repasses mensais de propinas, mesmo durante o julgamento do mensalão e após ter sido condenado, repasses que ocorreram pelo menos até o ano de 2013", diz nota da PF.

Genú tentou ocupar o espaço deixado no esquema após a morte de Janene. De acordo com delatores, Genú tinha uma atuação relevante no esquema, arrecadando e distribuindo propina, e participava de reuniões sobre a engenharia criminosa antes e depois da morte do deputado.

Por investigar um suspeito absolvido no julgamento do mensalão, a nova operação da Lava Jato foi batizada de "Repescagem". Os presos e o material apreendido devem ser levados ainda hoje para a PF em Curitiba.


Image title

Fonte: Com informações da UOL