PI quer R$ 3,8 bilhões para ampliar serviço de saneamento básico

O apoio do Banco Mundial é considerado imprescindível

Detendo 92% de cobertura de água, o Piauí ainda sofre com o baixo índice no que se refere ao esgotamento, viés que contempla somente 18% do Estado.

Conduzindo essas abstrações, a gestão governamental busca alternativas no que tange aos projetos pautados no saneamento, de modo que possa ser universalizado nos lares piauienses; a missão não é simples, tendo ciência disso, o diretor-geral do Instituto de Águas e Esgotos, Herbert Buenos Aires, esteve reunido na última quarta (23) com técnicos da Prefeitura de Teresina, onde discutiram com uma equipe do Banco Mundial, a consecução de parceria em torno do desenvolvimento da área.

Na ocasião, a consultora da entidade, Lizmara Kirchner garantiu o apoio técnico ao projeto, compartilhando o interesse do Banco Mundial nos projetos da região.

Por meio desta realidade, o objetivo se volta ao cumprimento das diretrizes impostas pelo Plano Nacional de Saneamento, que dispõe para a universalização dos serviços de água e esgoto até 2033, contudo, a estimativa de Teresina é se antecipar, alcançando essa meta ainda no ano de 2031, tal como é estabelecido pelo Contrato de Programa da capital; nisso, as atenções se voltam também para a evolução nos demais municípios, demandando melhorias na qualidade de vida da população.

Tomando como base esse prisma, a previsão é que seja necessário o investimento de R$ 3,8 bilhões, sendo que R$ 1,7 bilhão apenas em Teresina, para que o acesso ao sistema de água e saneamento alcance todos os cidadãos piauienses.

O apoio do Banco Mundial é considerado imprescindível no alcance de tal objetivo, como destacou o diretor do Instituto de Águas. "Para universalizarmos os serviços de água e esgoto no Piauí, de acordo com a previsão do Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab), é de extrema importância o apoio do Banco Mundial.

O Instituto vai nos permitir firmar parcerias importantes para o saneamento do Piauí. Dessa forma, vamos poder avançar", detalhou.

Fonte: Francy Teixeira