Piauí investe mais de um bilhão de reais em mobilidade urbana; confira

Governo do Estado faz investimento recorde na área de transporte individual e de massa no Piauí

Na década de 50 o Brasil vivenciou o início de um intenso crescimento urbano associado ao aumento do uso de veículos motorizados, resultado de uma política pública que priorizou o investimento na indústria automobilística, o que resultou em sistemas de mobilidade de baixa qualidade e de alto custo, com impactos negativos na vida das pessoas e nos custos econômicos e ambientais para a sociedade ? problemas verificados atualmente em todos os estados do País.



No Piauí, essa realidade começou a mudar recentemente com obras realizadas com recursos próprios do Governo do Estado do Piauí e atrravés do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal.

São projetos de inclusão social por meio da universalização do acesso aos serviços públicos de transporte coletivo e das ações estruturantes para os sistemas coletivos e individuais, ampliando a infraestrutura de mobilidade urbana no Estado.

Teresina é prioridade no novo modelo de mobilidade urbana em implantação no Piauí. A capital tem esse destaque por concentrar o maior contingente populacional do estado, ter uma população flutuante expressiva atraída principalmente pelos serviços de saúde e turismo de negócios, além de concentrar a maior frota de veículos do estado.

No primeiro semestre deste ano, a frota da capital registrou um crescimento de 6,20%, registrando 369.520 veículos, contra 347.930 em 2012. Durante o primeiro semestre foram emplacados 7.522 motocicletas e 8.914 automóveis, dentre outros veículos que chegaram ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran) em Teresina. A capital cresce em um ritmo maior que o Estado, que registrou no mesmo período alta de 5,31%.

Teresina se moderniza a partir de intervenções do Governo do Estado que sintonizam a capital com o modelo de transporte implantado na década de 50.

Um novo planejamento foi posto em prática com a construção de grades obras como o Rodoanel, novas pistas nas pontes Juscelino Kubitschek e Wall Ferraz, duplicação das BRs 316 e 343, construção de três viadutos ? dois na Avenisda João XXIII e um na Avenida Miguel Rosa, além de novas estações e novos trens para o metrô de Teresina.

?Temos mais de um bilhão em investimentos para mobilidade urbana em todo o estado, sendo a maior parte para Teresina, onde vive quase um terço da população piauiense.

O planejamento, execução e inauguração de obras em várias áreas importantes para o desenvolvimento do Piauí só são possíveis graças a um planejamento da nossa gestão, que segue um rígido programa de controle e acompanhamento de obras e projetos.

Estamos com as contas em dia e apesar das dificuldades pelas quais passa o Brasil e vários países do mundo, o Piauí tem conseguido implementar o maior pacote de obras já visto no Estado?, disse o governador Wilson Martins.

Rodoanel cria novo polo de desenvolvimento em Teresina

O conceito de rodoanel é a solução para o problema do trânsito de veículos pesados e de passeio nas grandes cidades do Brasil. A estrada é construída no perímetro dos municípios, abrindo espaço nos arredores e conectando vias de circulação intensa de veículos poupando as ruas e avenidas de menor capacidade de escoamento que cortam a área urbana das cidades do Piauí.

O rodoanel de Teresina está sendo construído com 28 quilômetros de pista dupla, com dois viadutos e uma ponte ligando as saídas Sul (BR-316) e Norte (BR-343) com investimentos de R$ 80 milhões em recursos do Governo do Estado, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do Banco do Nordeste do Brasil (BNB).

O anel viário da capital vai retirar cinco mil veículos por dia da área urbana, encurtar em 15 quilômetros o trecho entre as duas saídas e criar um novo pólo de desenvolvimento para Teresina. O rodoanel de Teresina será inaugurado em dezembro de 2013.

A pavimentação foi iniciada neste mês de agosto e a nova ponte sobre o rio Poti - o principal gargalo da obra - está com mais de 70% concluída, bem como o viaduto na BR-316 que já recebeu os pilares de sustentação. Uma usina asfáltica foi construída para fornecer o material necessário para a pavimentação das vias do anel viário de Teresina.

A maior obra de mobilidade urbana em execução no Piauí conta com a mão de obra de 342 trabalhadores, que estão construindo um novo pólo de desenvolvimento para Teresina.

O crescimento do fluxo de pessoas na região já beneficia os moradores dos entornos da obra do rodoanel de Teresina.

A comerciante Vanuza Sousa, que há 18 anos mantém um pequeno empreendimento na Usina Santana, acredita em um recomeço do seu negócio com o rodoanel.

"Agora com as obras, o movimento aqui aumentou muito. Já tenho planos de reformar tudo, montar um restaurante bom e atender bem às pessoas que vão passar por essas pistas", revela, empolgada, dona Vanuza.

O governador Wilson Martins destacou o expressivo impacto da obra do rodoanel, com conquista de tempo e valorização da produção que passa por Teresina.

"O rodoanel representa um ganho significativo do tempo que se gasta no trânsito. Vamos diminuir distância dos que tem que passar por dentro de Teresina e, além disso, vamos diminuir custos e agregar valor ao que é produzido", disse Wilson.

Metrô terá novas estações, novos trens e integração com bicicletários em Teresina



O metrô de Teresina está passando pela maior transformação desde sua criação em 1989. O objetivo é transformar esse meio de transporte em algo moderno, dinâmico, com mais qualidade, menos tempo e a um preço justo, encorajando os passageiros a adotar o metrô como meio de transporte prioritário em Teresina.

Para tanto, o novo metrô será construído em duas etapas, com novas estações, novos trens e integração com bicicletários, remodelando assim a linha de 13,8 quilômetros entre as estações Alberto Silva [centro] e Itararé [Dirceu Arcoverde], ligando os bairros mais populosos ao centro de Teresina.

A primeira etapa da construção do novo metrô de Teresina está em execução com o início da reforma das estações e a aquisição de novos trens pelo Governo do Estado.

Essa primeira fase será concluída em 12 meses e vai por fim às nove passagens de nível ? local onde a linha férrea se encontra com ruas e avenidas da capital ? que tem provocado recorrentes transtornos aos motoristas de Teresina.

Serão construídas ainda nessa fase duas novas estações para embarque e desembarque de passageiros, uma delas na Matinha e outra na Boa Esperança.

A primeira etapa prevê obras de nivelamento, ajustes geométricos, terraplanagem, drenagem e tratamento dos taludes na linha férrea de 13,8 quilômetros que alimenta Teresina.

Esse trabalho está em andamento e representa os ajustes necessários para que os novos trens entrem em operação após serem adquiridos pelo Governo do Estado.

Na segunda etapa, está prevista a duplicação de toda extensão da linha férrea, com adequação das estruturas e contenção das encostas, principalmente no trecho ao longo da Avenida Miguel Rosa.

Será feita a duplicação da travessia de 250 metros e a revitalização da passarela de pedestres sobre o Rio Poti, ao lado da Ponte Wall Ferraz. O projeto do novo metrô prevê ainda um pontilhão metálico reformulado na Rua João Cabral.

Novos acessos exclusivos do metrô ao pátio das máquinas e a construção de vias auxiliares para manobras da Ferrovia Transnordestina, além da construção de um novo Centro de Controle Operacional.

O investimento no acesso do passageiro à atual linha férrea será reforçado com a construção de três novas estações nos Bairros Mafuá, Piçarra e São João, além da reforma das plataformas da Avenida Frei Serafim, dos Bairros Ilhotas, Renascença, Parque Ideal e Dirceu Arcoverde II.

As novas plataformas serão fechadas, com cobertura em dois níveis, sem pilares, com iluminação natural, e atendendo a todas as novas regras de acessibilidade mostrando o respeito com a inclusão social de pessoas portadoras de necessidades especiais em Teresina.

Os novos trens terão maior confiabilidade, segurança e conforto. Os novos motores a diesel darão maior potência e alimentarão o sistema de ar-condicionado, amenizando o calor de Teresina.

Cada nova estação terá um bicicletário integrado, dando uma nova lógica ao transporte público na capital levando o sistema sobre trilhos a saltar de 15 mil, para 48 mil usuários por dia em Teresina.

?São 130 milhões de reais só para o metrô de Teresina. Isso representa um ganho significativo para a mobilidade urbana da capital. O transporte público é a melhor solução para resolver os problemas de trânsito em Teresina.

Queremos investir nisso, dar aos moradores da nossa capital total condição de tráfego. Sei que isso é um desafio no mundo todo, tendo em vista que os países já descobriram que investir nessa finalidade é o caminho mais viável para resolver os problemas de mobilidade urbana e de maior retorno para a população?, relatou o governador Wilson Martins.

Em 3 anos, governo vai entregar 4 novas pontes em Teresina

"Risonha entre dois rios que te abraçam". Teresina é assim: de um lado o rio Parnaíba na divisa com Timon, no Maranhão, e no outro o rio Poti separando as várias zonas da cidade.

É por isso que a mobilidade urbana da capital se faz sobre pontes e quatro delas foram ou serão inauguradas no intervalo de três anos pelo Governo do Estado.

Em novembro de 2011, o governador Wilson Martins entregou a Ponte do Mocambinho, ligando a Avenida Freitas Neto, na zona Norte, à Avenida Josué Moura dos Santos, no lado Norte.

A obra custou R$ 20 milhões e beneficia cerca de 100 mil pessoas ao reduzir em 12 quilômetros a distância entre as duas importantes zonas de Teresina.

O Governo do Estado está construindo uma terceira ponte Juscelino Kubitschek, que liga as Avenidas Frei Serafim e João XXIII. A obra iniciada em abril está na fase de fundações, onde todas as 96 fundações tipo hélice foram concluídas. No leito do rio também serão encravadas 18 tubulações, no momento 15 estão sem fase final de conclusão.

A obra está orçada em aproximadamente R$ 15 milhões e prevê a criação de três novas pistas no sentido do Centro para a zona Leste da cidade e mais uma pista no sentido Leste-Centro, que serão feitas na parte central, ligando as duas vias existentes hoje. Com extensão de 428,4 metros, a construção tem previsão de entrega a população em março de 2014.

"Essa é uma obra essencial para a melhoria do tráfego em Teresina. Teremos agora oito pistas, quatro no sentido Leste-centro e quatro no sentido centro-Leste, possibilitando que não mais aconteça aquele afunilamento nas saídas da Frei Serafim e da João XXIII", explicou o governador Wilson Martins.

Mais uma ponte está sendo construída sobre o rio Poti, próximo ao povoado Soinho, dentro das obras do rodoanel de Teresina. As bases dos pilares da ponte foram concretados e as pilastras estão sendo concluídas.

Também já estão no local os vãos de metal que servirão de base para a concretagem e pavimentação da ponte. A obra ficará pronta junto com o rodoanel estando disponível para a população a partir de dezembro de 2013.

O Departamento Estadual de Estradas e Rodagens (DER-PI) vai começar a construir uma segunda ponte sobre o rio Poti, nas proximidades da ponte Wall Ferraz, ligando os Bairros São João, na zona Leste, e Ilhotas, na zona Sul de Teresina.

A ponte, em estrutura mista, terá três pistas e extensão de 250 metros. A obra está orçada em R$ 25,9 milhões e tem prazo de execução de 180 dias, devendo ser entregue antes de novembro de 2014. Portanto, três anos após a Ponte do Mocambinho.

Teresina terá novos acessos com investimento de R$ 101 milhões na duplicação das BRs-316 e 343

Teresina é a única capital do Nordeste que não tem as suas principais estradas de acesso duplicadas, causando um congestionamento diário, misturando veículos pesados e leves, instalando um tormento para o motorista que enfrentou longas e cansativas viagens até chegar a capital do Piauí.

A ladainha vai acabar: o governador Wilson Martins vai iniciar na próxima semana a construção, com recursos próprios, da duplicação das BRs de acesso a Teresina. São obras que vão solucionar os graves engarrafamentos na região Sul (BR-316) e Norte (BR-343), modernizando o acesso a Teresina.

A execução dos serviços de duplicação e melhoramento das rodovias BR-316 e BR-343 compreende desde a terraplenagem, drenagem, pavimentação e restauração do pavimento, sinalização, obras complementares, paisagismo, remanejamento de serviços de utilidade pública, iluminação pública à proteção ambiental.

O Governo do Estado vai asfaltar um trecho de 8,42 quilômetros da BR-316, na saída para o município de Demerval Lobão. O valor da obra é de R$ 64,7 milhões e o prazo de execução é de 540 dias.

O outro trecho duplicado será de nove quilômetros da rodovia BR-343/PI, na saída para Altos, vai custar R$ 36,3 milhões e tem prazo de execução de 365 dias sob o comando do DER-PI. As duas obras representam um investimento de mais de R$ 101 milhões.

?São duas obras fundamentais para a boa mobilidade urbana em Teresina, além de trazer um novo visual na chegada da nossa capital. Somada à duplicação das BRs, teremos o Rodoanel, a construção de uma terceira ponte na Frei Serafim, bem como a construção de novos viadutos.

Para a execução da duplicação das BRs fiz uma recomendação expressa às construtoras para que tenham toda a atenção no sentido de causar o menor transtorno possível à população?, disse Wilson Martins.

VIADUTOS - Os cruzamentos de grandes avenidas são gargalos do trânsito de Teresina. A solução para dar passagem nas vias que ligam as diversas zonas da capital tem sido a construção de viadutos, obras que evitam a interseção de vias e dão fluidez ao tráfego, sendo assim o Governo do Estado projetou a construção de três novos viadutos na capital: dois na Avenida João XXIII, e outro no entroncamento das avenidas Miguel Rosa e Getúlio Vargas/BR-343, na zona Sul de Teresina.

O valor da obra é de R$ 28,8 milhões oriundos do Tesouro Estadual, Governo Federal e BNDES e o prazo de execução de 360 dias sob a responsabilidade do DER-PI.

O viaduto da Avenida Miguel Rosa começa ainda neste semestre devendo ser entregue no começo de 2014. São treze faixas de fluxo de veículos, no local cruzam os carros que vêm da Avenida Wall Ferraz, sentido Centro, Leste ou Maranhão; da Avenida Deputado Paulo Ferraz, sentido BR-316, Maranhão ou centro; Avenida Getúlio Vargas sentido BR-316, deputado Paulo Ferraz ou Centro, e a Avenida Miguel Rosa, sentido Maranhão, BR-316 e zona Leste. A obra se integra com a duplicação e melhoramento das rodovias BR-316 e BR-343.

Fonte: Ananias Ribeiro