Piauienses podem trocar energia por descontos, informa secretário

O Governo Federal não aceita a compra da micro e mini usina produto

O secretário estadual de Mineração, Petróleo e Energias Renováveis, Luiz Coelho, informou que os piauienses poderão produzir energia solar em suas casas, com placas fotovoltaicas com pequeno investimento, para acumular e trocar essa energia renovável pela redução da tarifa de energia elétrica da Eletrobras.

"Os piauienses vão ganhar com a energia solar. Você pode produzir sua própria energia no telhado de sua casa, tanto na área empresarial como na área doméstica", afirmou Luiz Coelho, que garante que essa troca de energia eólica pela redução da tarifa da energia elétrica é prevista em legislação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a 482.

Essa produção de energia solar é perfeitamente aceita pelo Governo Federal, acrescentou Luiz Coelho, porque durante o dia o cidadão pode acumular energia solar no equipamento instalado em sua casa e durante a noite vai usar a energia elétrica convencional e no final do mês, a distribuidora de energia Eletrobras faz o encontro de contas, o que gera uma economia de quase 20% da tarifa de energia elétrica.

"O dono da micro e mini usina produtora de energia solar acumula sua energia em sua casa, em seu restaurante, em sua loja, em seu posto de combustível e em sua padaria.

O Governo Federal não aceita a compra da micro e mini usina produtora de energia solar, mas você pode jogar a energia solar que produziu na rede e tem 36 meses para usar e pode ter uma economia. Um investimento desse é melhor do que deixar o dinheiro na poupança ou no banco", afirmou Luiz Coelho.

O secretário estadual de Mineração, Petróleo e Energias Renováveis, Luiz Coelho, afirmou que a produção de energia solar e energia eólica ficou mais barata porque o Governo Federal passou a dar mais incentivos fiscais, exoneração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

"Tudo isso contribuiu para redução do preço das energias solar e eólica.E vão ser mais acessíveis a energia solar e a energia eólica porque a matriz energética brasileira vai ser focada na energia eólica e na energia solar e o Piauí está na pole position porque tem a Chapada da Araripe, com grande potencial de vento e o sol do Piauí, que ocorre em todo o Estado. Tem região do Piauí que tem oito horas de sol por dia e na Europa são apenas três horas", declarou Luiz Coelho.

Ele disse que, diferente de outros Estados, no Piauí os donos das terras onde foram implantadas as torres de produção de energia eólica não venderam as terras para as empresas, mas as alugaram e continuam plantando suas lavouras e criando seus animais e recebem 1,5% de toda a produção de energia pela torre, que dá em torno de R$ 1,5 mil a R$ 4 mil mensais.

"Se o cidadão, o pequeno agricultor, tem quatro torres em suas terras, ele pode ganhar quatro vezes R$ 1,5 mil ou quatro vezes R$ 4 mil, dependendo da produção. Esse é o grande diferencial do Piauí, você não prejudicou o cidadão, que continua em sua atividade e passou a ter uma renda fixa mensal durante todo em que o projeto funcione.

Nos outros Estados, o trauma foi grande porque as empresas compraram as terras. Aqui no Piauí, alguns agricultores vão receber R$ 12 mil por mês de renda porque as torres estão em suas terras", declarou Luiz Coelho.

Fonte: Francy Teixeira