PMDB não descarta aliança com a oposição

Mesmo tendo um pré-candidato na disputa ao cargo de futuro governador pela base aliada, o PMDB não descarta uma aliança com o PSDB pela oposição

Mesmo tendo um pré-candidato na disputa ao cargo de futuro governador do Estado pela base aliada, o PMDB não descarta uma aliança com o PSDB pela oposição. Em meio as divergências da base, que ameaça rachar, o PMDB é considerado a ?noiva da vez? e afirma que ficará do lado quem lhe oferecer melhores vantagens políticas. Mesmo que isso represente uma aliança com o PSDB.

O deputado Marcelo Castro já lembrou que o PMDB e PSDB sempre estiveram juntos na política piauiense e que a separação dos partidos pode não ser definitiva. O parlamentar ressaltou que a possibilidade existe caso haja um racha na base aliada, o que abrirá precedentes para que os outros pré-candidatos busquem as alianças que mais lhe forem convenientes. Ainda assim, ele acredita que essa aliança pode não acontecer nas eleições deste ano porque o partido está participando do governo.

Quem também não descartou uma aliança com o PSDB foi o deputado estadual João Madson. ?Não pode haver discriminação. Não há porque não haver uma aliança entre os partidos no futuro porque o PSDB veio com o PMDB?, argumenta, ressaltando que, no entanto, o partido está trabalhando para viabilizar a candidatura do Marcelo Castro. ?Marcelo Castro conhece a realidade do Piauí. Um partido como o PMDB não pode ficar de fora?, defende.

João Madson ressaltou que o PMDB trabalhará o candidato que tenha viabilidade. ?Porque queremos fortalecer e eleger os nossos candidatos a deputado, tanto estadual quanto federal?, justifica, acrescentando que se o governador Wellington Dias deixar o cargo, o diretório estadual fará uma reunião para tomar uma única posição, ouvindo delegados, prefeitos e vereadores.

O deputado também não acredita mais na união da base aliada. ?A base aliada está tendo problemas. O João Vicente tem razão em reclamar da maneira com que os demais pré-candidatos estão fazendo campanha. Se o governador sair, a base racha?, finaliza. (M.M)

Fonte: Mayara Martins