PMDB pede ao PT que permaneça no governo do Rio pelo menos até março

Reunião contou com a participação da presidente Dilma e do ex-presidente Lula

Em uma reunião que durou mais de quatro horas na Granja do Torto, em Brasília, a presidente Dilma Rousseff, seu antecessor Luiz Inácio Lula da Silva, o vice-presidente Michel Temer e outros integrantes da cúpula de PT e PMDB debateram as alianças dos partidos nos estados. O presidente interino do PMDB, Valdir Raupp, diz que o partido pediu ao PT para continuar no governo de Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro, pelo menos até março, segurando assim a candidatura de Lindbergh Farias. Raupp disse ainda que os dois partidos teriam chegado a acordo para manter o apoio petista à família Sarney no Maranhão.

?No Rio de Janeiro acho que tem de dar um tempo porque está muito claro que a divisão do PT e do PMDB deve prejudicar as duas candidaturas, é o que já está acontecendo nas pesquisas?, afirmou o presidente interino do PMDB. ?Foi feito um apelo pelo presidente Michel Temer e por nós para que se espere até março?, complementou.

A situação do Rio de Janeiro é tida como a mais complexa porque o PT não aceita abrir mão da candidatura de Lindbergh Farias e o PMDB insiste em ter na disputa o vice de Cabral, Luiz Fernando Pezão. O PT faria o rompimento neste final de semana, mas adiou a decisão a pedido de Lula.

No Maranhão, foi necessária em 2010 uma intervenção do diretório nacional para forçar o PT local a aliar-se à Roseana Sarney (PMDB), filha de José Sarney (PMDB). Agora, segundo Raupp, o grupo petista mais próximo ao PMDB ganhou a eleição interna do partido, o que deve facilitar a repetição do acordo, agora em apoio a Luiz Fernando, secretário de Roseana. Ala do PT, porém, deseja apoiar o presidente da Embratur Flávio Dino (PC do B), líder nas pesquisas e opositor da família Sarney.

De acordo com o Raupp, além do Rio de Janeiro existem ainda pendências no Ceará, na Paraíba e em Minas Gerais. Ele comemorou o fato de novos acordos terem sido fechados nas últimas semanas no Pará e no Amazonas. Para o presidente interino do PMDB, isso pode fazer com que o partido não antecipe a convenção para decidir a aliança nacional, visto que haveria maioria folgada a favor de manter a composição em torno da reeleição da presidente Dilma.

?O mais importtante é a aliança nacional, que está consolidada e sólida. Tem poucos estados que está precisando ajustes e com o tempo vai ajustando?, afirmou Raupp.

Ele lembrou ainda que em eleições passadas já houve casos de estados em que PMDB e PT estiveram em campos opostos e isso deve se repetir ao menos em São Paulo, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.

Além de Lula, Dilma, Temer e Raupp, participaram da reunião os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), o ex-presidente do Senado José Sarney, o presidente do PT, Rui Falcão, e o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, cotado para coordenar a campanha de Dilma.

Fonte: Estadão, www.estadao.com.br