PMT projeta economia de R$ 2 milhões com nova licitação do lixo na capital

Prefeitura apresentou projeto básico do Sistema Integrado de Limpeza Urbana projetando a economia de cerca de R$ 2 milhões com a contratação de uma única empresa

Com a meta de reduzir custos, a Prefeitura Municipal de Teresina apresentou na manhã de ontem, durante audiência pública, o projeto básico do Sistema Integrado de Limpeza Urbana, especificando a minuta do edital que cuidará da contratação da empresa responsável pelos serviços de coleta, conservação e gerenciamento do aterro sanitário.

Na ocasião, ainda foi detalhado o estudo realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Semduh) no que se refere a economia de cerca de R$ 2 milhões com a contratação de uma única empresa.

O processo licitatório foi exemplificado, indicando para um investimento de R$ 511 milhões durante 5 anos de acordo. “Em virtude do valor de investimento ser bastante elevado, por lei, a Prefeitura deve realizar uma audiência pública que antecipa a licitação para contratar empresa para prestação de serviço.

Essa também foi uma oportunidade para um debate democrático, recebendo sugestões e questionamentos que melhorarão o serviço de limpeza como um todo em nossa cidade”, revelou o titular da Semduh, Marco Antônio Ayres.

Com a determinação, a licitação começará em um prazo de no mínimo 15 dias. Nesse período, os órgãos de controle da administração pública terão a possibilidade de inserir questionamentos e até mesmo alterações no edital.

Governador propõe consórcios de Saúde para municípios piauienses
Explicitando as diretrizes para a reorganização da Rede Estadual de Saúde, o governador Wellington Dias (PT) e o secretário da pasta, Francisco Costa (PT), estarão reunidos durante toda esta quinta-feira (23) no Seminário do projeto QualiSUS, que visa capacitar os profissionais da atenção básica no Piauí.

O evento marcará ainda a entrega de 30 veículos para transporte gratuito de pacientes, beneficiando cerca de 1,5 milhão de piauienses em mais de 30 municípios, refletindo ao todo em um investimento de R$ 7,1 milhões, conferidos por intermédio do Banco Mundial.

No pacote de iniciativas, porém, o destaque ficará pela apresentação da proposta de criação dos consórcios de saúde aos prefeitos municipais, matéria que promete facilitar o acesso aos serviços especializados a custos menores, de modo que a responsabilidade pelas despesas será rateada entre o Executivo Estadual e as cidades consorciadas.

O novo modelo de gestão adotado em Estados nordestinos, como o Ceará e a Bahia, comprovou avanços na cobertura dos procedimentos médicos, sendo essa a principal meta vislumbrada pela administração pública no Piauí.

 

Fonte: Francy Teixeira