Polícia liga Eduardo Cunha a fraude de R$ 70 milhões em Furnas

A investigação é um desdobramento da Lava Jato

Um esquema envolvendo o ex-deputado federal Eduardo Cunha gerou superfaturamento de mais de R$ 70 milhões na compra de uma cota da Usina Serra do Facão, em Goiás, que foi adquirida por Furnas, segundo informou nesta quinta-feira (8) a Polícia Civil do Rio de Janeiro.

O negócio foi alvo da operação "Barão de Gatuno", que envolveu a Polícia Civil do Rio e o MP (Ministério Público) fluminense. A investigação é um desdobramento da Lava Jato..

Em 2008, Furnas comprou uma cota de 29% da usina por R$ 80 milhões da Serra da Carioca 2, empresa que era comandada por um indicado de Cunha na época. Seis meses antes da negociação, a Serra da Carioca 2, que era sócia de Furnas, havia adquirido essa cota por R$ 7 milhões.

Em 2008, Furnas comprou uma cota de 29% da usina por R$ 80 milhões da Serra da Carioca 2. empresa que era comandada por um indicado de Cunha na época. Seis meses antes da negociação, a Serra da Carioca 2, que era sócia de Furnas, havia adquirido essa cota por R$ 7 milhões.

A respeito desse negócio, a CGU (Controladoria Geral da União), em auditoria, havia apurado vantagens que não eram verificadas normalmente em negócios no setor privado.

Segundo investigações, a transação só foi possível porque Cunha atuou em medidas provisórias que alteraram a legislação no setor elétrico. Elas permitiram que Furnas comprasse ações da sócia. "Foi feita uma emenda que permitiria que Furnas tivesse participação superior a 50%. E, logo em seguida Furnas, adquiriu as ações da Serra Carioca 2 por R$ 80 milhões", explicou o delegado da Defaz (Delegacia Fazendária), Gilberto Ribeiro.

Segundo a Polícia Civil do Rio, que comandou a operação, foram coletados documentos e informações nesta quinta-feira. Os policiais apontam que a Serra da Carioca 2 é ligada a Cunha, mas ainda não sabem detalhar o tipo de conexão.

"Em questão de alguns meses, um investimento de R$ 7 milhões teria se tornado um retorno de cerca de R$ 80 milhões. Tudo isso faz parte de um levantamento inicial. Hoje fizemos essa operação simplesmente para colher provas, fizemos o cumprimento de mandados de busca e apreensão no Rio e em São Paulo", afirmou Ribeiro.

Durante a manhã, policiais civis estiveram em residências ligadas ao ex-presidente de Furnas Carlos Nadalutti Filho e ao ex-diretor da companhia Dimas Toledo  para recolher documentos e informações, em cumprimento a dois dos 33 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça. São 25 ordens judiciais cumpridas no Rio, e oito em São Paulo. Não foram expedidas ordens nem de prisão nem de condução coercitiva.


Eduardo Cunha
Eduardo Cunha





Fonte: Uol