Polícia usa manteiga para retirar bandido entalado em caixa de ar-condicionado

As grades foram colocadas pelo proprietário do imóvel para evitar novos arrombamentos, pois ele relatou à polícia que já tinha sido alvo de roubos.


O presidiário André Luís Ribeiro da Silva, de 24 anos, que cumpria pena em prisão domiciliar por roubo, ficou preso em uma caixa de aparelho de ar-condicionado quando tentava invadir uma residência.

A Polícia Militar chegou a untar com manteiga e óleo o corpo do suspeito para retirá-lo no local. O caso ocorreu na madrugada desta quinta-feira (4), na Zona Leste de Manaus. Segundo a Polícia Militar, por volta das 2h da madrugada, policiais da 30ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), que conduzia dois supostos traficantes para delegacia, perceberam uma movimentação suspeita na Rua Rio Negro, no bairro Tancredo Neves. Em frente a uma das casas da comunidade, a equipe da PM encontrou um grupo de moradores ao redor do homem que estava entalado nas grades que protegem a caixa de concreto do ar-condicionado.

As grades foram colocadas pelo proprietário do imóvel para evitar novos arrombamentos, pois ele relatou à polícia que já tinha sido alvo de roubos. O homem tinha sido flagrado pelos moradores durante a tentativa de roubo. Revoltados com ação do suspeito, moradores chegaram agredir o presidiário que ficou com parte do tórax e pernas do lado de fora da estrutura.

Para retirar o homem da estrutura, os policiais usaram manteiga e óleo no corpo de André Luís. O suspeito também teve as roupas retiradas durante o resgate. Depois de duas horas de tentativas, os policiais conseguiram resgatar o presidiário. Ele foi encaminhado pela PM para o 14º Distrito Integrado de Polícia (DIP), também localizado na Zona Leste da capital. Entretanto, André Luís não ficou preso na delegacia, conforme a Polícia Civil.

As medidas adotadas no caso serão esclarecidas pela polícia.

Antecedentes

André Luís foi condenado por roubo tentado e cumpria pena no Centro de Detenção Provisória desde 18 de abril de 2014. Em outubro, por decisão do juiz Henrique Veiga Lima, da 9ª Vara Criminal, o presidiário passou a cumprir pena em prisão domiciliar para se recuperar de uma cirurgia de apêndice e retirada do baço - laparotomia exploradora com esplenectomia total. O Ministério Público tinha dado parecer contrário à prisão domiciliar.



Fonte: G1