Policiais ameaçam greve na reivindicação pela PEC 300

Policiais acreditam que não inclusão da proposta na pauta de votações seja uma manobra do Governo

Uma caravana de policiais e bombeiros militares piauienses foram à Brasília reivindicando a inclusão da votação, em segundo turno, da Proposta de Emenda à Constituição 300 (PEC 300) que estabelece um piso nacional para a categoria, que se iguala aos dos Pms de Brasília. Depois de conversas e muitas pressões, os militares garantiram a inclusão da proposta na pauta de votações da próxima semana.

O vereador R.Silva (PP) disse que o presidente da Câmara Federal, deputado Michel Temer, declarou que textualmente que ?a PEC será examinada na próxima semana?. ?Acreditamos que seja uma manobra para adiar a votação. Ainda assim, iremos aguardar e, caso não seja incluída, tomaremos as providências?, explicou, não descartando uma paralisação da categoria em todo país.

De acordo com o vereador, que integrou a comitiva piauiense, a movimentações começou ainda na terça-feira, com a realização de uma caminhada rumo ao Congresso Nacional. ?Um aparato de Pms de Brasília tentaram proibir a manifestação, mas conseguimos seguir em frente com o movimento?, explicou, acrescentando que os manifestantes percorreram ainda todos os gabinetes parlamentares buscando a adesão para a inclusão do projeto na pauta de votações. ?Chegamos a falar com o José Genuíno e com o Vacarezza, que são os líderes que tentam adiar a votação?, pontou.

R.Silva acrescentou que a comissão dos parlamentares que são a favor da PEC, que inclui os parlamentares piauienses Mainha (DEM) e Ciro Nogueira (PP), foi chamada pelo Ministro da Justiça para buscar uma negociação. ?No entanto, a proposta é de que fosse suspensa a votação e formada uma comissão para saber os custos com a aprovação do projeto. A proposta não foi aceita, porque entendemos que é uma manobra para adiar a votação da PEC?, justificou, acrescentando que a idéia é continuar o movimento até que a PEC 300 entre na pauta de votação.

Existe um sentimento de revolta dos policiais e bombeiros militares de todo país por conta das manobras que o governo tem feito para adiar a votação da PEC 300. Por conta disso, a categoria cogita cruzar os braços em uma greve geral. ?Há uma revolta em todo país com essa demora. Iremos aguardar as decisões e definir os próximos passos. O certo é que não iremos parar de manifestar enquanto não aprovarem o projeto?, garante. (M.M)

Fonte: Mayara Martins