"Por enquanto não", informa Joaquim Barbosa sobre possível candidatura

Presidente do STF não descarta possibilidade de se candidatar no futuro

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa é o homem público do momento. Muitos o amam, outros o detestam. Ele é o entrevistado de estreia do programa Roberto D?Ávila, na GloboNews. Essa foi a primeira vez que ele falou com exclusividade para um jornalista de TV desde que entrou para o Supremo, há 11 anos. A entrevista passou pelos mais diversos temas, desde a infância em Paracatu (MG), a época da faculdade, até questões recentes como corrupção, eleições, racismo e mensalão.

Eleições

Logo no início da entrevista, Joaquim Barbosa já descartou a candidatura para as eleições deste ano. Entretanto, deixou claro que não descarta a possibilidade. ?Recebo inúmeras manifestações de carinho, pedidos de cidadãos comuns para que me lance nessa briga, mas ainda não me emocionei com a ideia. Por enquanto não?, frisou.

Corrupção

Barbosa diz que o Brasil ainda não encontrou a forma correta de combater a corrupção e defende medidas mais drásticas. ?Tenho minhas dúvidas se esse método puramente repressivo é o mais eficaz para combater a corrupção. Talvez medidas que doam no bolso, na carreira, no futuro dessas pessoas que praticam corrupção sejam mais eficazes?.

Infância rígida

Joaquim Barbosa nasceu em uma família de oito irmãos, na cidade de Paracatu, no interior de Minas. Teve uma educação rígida. Aos 16 anos, saiu de Minas com destino a Brasília, contra a vontade do pai, que gostaria que o filho fosse para Belo Horizonte, como era a tradição. Para os padrões atuais, conta que o pai era rígido até demais. "Eu pertenço a uma geração que levava surra dos pais. Já na geração do meu filho isso é inadmissível?.

Adolescência e faculdade

Rebelde e extremamente tímido. Assim Joaquim Barbosa se descreve na adolescência. Apesar de garantir que ainda não se livrou totalmente dessa timidez, diz que boa parte dela perdeu por volta dos 21, 22 anos, quando teve sua primeira experiência fora do país. ?Voltei completamente mudado, mais alegre, mais confiante. Quanto mais jovem você conhece o novo, melhor?.

Barbosa diz que nunca teve dúvidas quanto a faculdade cursaria. O Direito sempre esteve em seus planos. ?Por volta de 14 anos eu já sabia. Até em função do meu desempenho escolar. Gostava mais de humanas, lia muito e gostava muito de história, geografia, línguas".

A faculdade, Barbosa cursou durante o regime militar. ?O que marcou muito essa época foi a invasão às universidades. Assistimos as aulas durante um bom tempo com policiais na porta das salas. Vi os absurdos, alunos sendo presos na saída da universidade, colegas que trabalhavam na imprensa do Senado sendo presos na madrugada?.

Fama de durão

A transmissão do julgamento do mensalão para todo Brasil mostrou um Joaquim Barbosa duro, imagem que ele não nega, mas explica. ?Preciso ser duro. O Brasil é o país dos conchavos, do tapinha nas costas, o país onde tudo se resolve na base da amizade. Eu não suporto nada disso. Sou duro para mostrar que isso não faz o menor sentido numa grande democracia como é a nossa. Isso aqui não é lugar para brincadeiras?. E nega que fique bravo quando é vencido: ?Nada disso!?

Diz que, às vezes, se arrepende das palavras mais duras, mas novamente tem uma explicação. ?Não faço nada em caráter pessoal. Mas eu não suporto o sujeito ficar escolhendo palavras gentis para fazer algo inaceitável. Longe de mim esse tipo de comportamento. Isso é fonte de boa parte dos momentos de irritação que eu tenho?, explica. Nesse momento o entrevistador Roberto D"Ávila lembra que os ministros não vão gostar nada dessa declaração. Ele dá os ombros e diz: ?Liberdade de expressão?.

O mensalão

?Foi um processo que trouxe um desgaste muito grande. Uma carga política exagerada, poderosa. Estou há 11 anos no STF e só nesse processo foram quase sete. Isso consumiu boa parte das minhas energias aqui no Supremo".

Mas será que Joaquim Barbosa achou as penas aplicadas aos réus muito pesadas? ?Pelo contrário!?, diz ele. ?Eu examino as penas que foram aplicadas no mensalão com as penas que são aplicadas e chanceladas pelo STF relativas às pessoas comum. E convido a todos que criticam o Supremo por terem aplicado essas penas supostamente pesadas a fazer esse tipo de comparação. Vão verificar que o Supremo chancela em habeas corpus coisas muito mais pesadas?.

Música

Barbosa se mostra eclético quanto ao gosto musical. Diz que ouve de tudo. ?Gosto muito de música popular, gosto de música pop, já gostei muito de rock, hoje gosto bem menos. O que mais escuto é música clássica e jazz". Conta que a iniciação músical se deu no rádio. "Escutava um pouco de tudo. Minha fase de adolescência era a fase da jovem guarda, logo depois veio o rock. Lamento muito não ter tempo de ir aos grandes concertos?.

Racismo

O racismo sempre esteve presente na vida de Barbosa. ?Mesmo criança e mesmo ministro do STF?, afirma, revelando que propôs uma ação por racismo contra um jornalista brasileiro. E faz suspense: ?Vocês tomarão conhecimento nos próximos dias?.

Diz que jamais permitiu que utilizassem a sua presença como ?esculpatória? para o racismo brasileiro. ?Lula me chamou algumas vezes para viajar com ele à África. Recusei porque não era tradição da casa e também porque percebi que aquilo era estratégia de marketing para os países africanos?, revela.

Faz questão de frisar que não entrou na vida pública com a missão de combater o racismo. "Eu sempre achei que minha presença aqui contribuiria para desracializar o país. Eu espero que quando eu sair daqui, os presidentes da República saibam escolher bem a pessoa e escolham negros com naturalidade, sem estardalhaço. Que não tentem levar a pessoa escolhida para a África para esconder a realidade triste de que não temos representantes negros no país?, conclui.

Fonte: G1