""Porque sou Dilma"" pelo advogado Jurandy Porto

""Porque sou Dilma"" pelo advogado Jurandy Porto

De sã consciência, nenhuma pessoa neste país duvida de que o Brasil mudou para melhor nestes últimos oito ano

PORQUE SOU DILMA

JURANDY PORTO

Jornalista, advogado/ membro do IAB

De sã consciência, nenhuma pessoa neste país duvida de que o Brasil mudou para melhor nestes últimos oito anos do Governo Lula. Todos os indicativos econômicos e sociais o atestam. Não precisamos mais pichar os muros das cidades com a célebre ?FORA O FMI?, como se fazia no passado e na calada da noite. Somos credores e não mais devedores. O prestígio internacional do país cresceu e os brasileiros são bem tratados no exterior. A força de sua economia é reconhecida nos Estados Unidos, em toda a Europa, na Ásia e na África, sobretudo na China, Japão e demais tigres asiáticos. Somos hoje um excelente mercado, a atrair investimentos internacionais em todos os campos da economia. Nossa moeda tornou-se forte, com estabilidade cambial. Temos uma democracia sólida, com todas as instituições funcionando e se tornando modernas e eficientes. O povo vê e sente essa mudança. A grande maioria dos cidadãos deixou de ser massa inconsciente de manobra, que, como uma manada, ia para um lado ou para o outro, conforme lhe puxassem os cordões. Mesmo a propaganda subliminar, consistente em repetir informação de denúncias sem provas de interessados políticos contra candidatura adversária, e de repercussão penal ínfima (crime formal, sem resultado), pela manhã, ao meio dia e à noite, durante dias seguidos, tentando ligar o fato a candidato sob pancadaria, já não surte mais efeito. Balançar, balançar o galho até a manga cair. Caem poucas, o resto, de talo duro, fica. Desbordando sua função de informar, se transformam em blocos de poder que não toleram ser desafiados e interferem na formação da vontade política do povo, usurpando sua liberdade de opinião.

Desenvolvemos o maior e mais eficiente programa de redução da miséria e da pobreza que o mundo já conheceu, com divisão do bolo financeiro para os pobres, que começaram a comprar, a consumir, movimentando a economia. Nossa indústria cresce, bem como nossa capacidade tecnológica. Disse-me um amigo empresário: ?O Lula foi o melhor governo para o empresariado, nestes últimos 50 anos?. Eu respondi: ?E o melhor governo para os pobres?. Sua visão de estadista sentiu logo que um bom governo não pode privilegiar nenhuma classe social isolada. Tem que ser bom para todas elas. É tão simples! Mas só ele viu isso.

Passamos incólumes e firmes pela recente crise financeira internacional. Muitos países da Europa, da Ásia e os próprios Estados Unidos ainda não emergiram totalmente dessa crise. Alguns estão presos nesse atoleiro. Nós estamos de pé e caminhando.

Mas o Brasil emerge de séculos de equívocos, indolência e atraso. Diplomas e títulos de seus condutores de nada valeram. Mas ainda há muito o que fazer. Aliás, terá sempre. O gigante apenas começa a se levantar e bater a poeira acumulada.

Não podemos retroceder, voltar ao que era. Por que passar a rasteira no gigante e adormecê-lo de novo?

O governo Lula não é só o Lula. Dilma, como ele mesmo tem afirmado, foi também construtora segura desse projeto que está dando certo. Por que trocar o certo pelo duvidoso? Em Minas Gerais, Anastasia era secretário do governo Aécio Neves, do PSDB, de reconhecida competência administrativa. Indicado candidato por seu chefe, foi eleito governador com expressiva maioria. Por que Dilma não pode ser eleita presidente?

Impossível pensar que, por banalidades ou frivolidade, não se queira o prosseguimento dessa marcha da nação rumo a um destino promissor. Tampouco por preconceito.

Não creio em denúncias estapafúrdias, de última hora, sem tempo para apurá-las devidamente antes do término das eleições, não com um fim de justiça, mas sordidamente de obtenção de vantagem eleitoral indevida. Isso é ardil, estelionato político. Mas, pensando bem, que mistérios tão terríveis esconderiam as declarações do imposto de renda de algumas pessoas que, devassados, enlameariam de opróbrio seus titulares ou parentes candidatos? Nenhum. Nada. E qual seria o interesse na quebra ilícita do sigilo alheio, se ele nada esconde? E por que ligar esse fato à candidata Dilma? E se amanhã descobrir-se que tudo não passou de uma trama para beneficiar os denunciantes? Quem obteve vantagem com essa história? Esse filme é conhecido...

Vejo uma atmosfera de preconceito de seus detratores. Alguns punhos de seda da política, ornados de títulos acadêmicos, que exibiram a vida toda não trabalho científico, mas orgulho e vaidade, não aceitam que um operário tenha chegado à presidência da República e, pior, que tenha se revelado um estadista, assim reconhecido em todo o planeta. É demais. Ardem no ódio surdo da inveja.

Voto em Dilma porque ela representa a garantia da continuidade desse projeto vitorioso de desenvolvimento econômico e social do Brasil; porque é hora de uma mulher honesta, competente e austera chegar pela primeira vez à presidência do Brasil. Um negro não chegou à presidência dos Estados Unidos? O mundo quebra tabus e reconstrói, pouco a pouco, horizontes e esperanças perdidas.

O Brasil é nosso lar. Aqui é que seremos felizes. Deixem a Dilma passar. Não votem pelas aparências, mas pelo que a candidata representa neste contexto histórico; nem pela cara. Mas se for, cara por cara, fico com a da Dilma.



Fonte: Advogado Jurandy Porto, do IAB