Prefeito de Cristino Castro reivindica alteração na contagem da população

O município teve um acréscimo na população, mas não obteve a ratificação nos registros do órgão

O prefeito de Cristino Castro, Valmir Martins Falcão, veio a Teresina tentar um acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a respeito da quantidade exata de habitantes da cidade.

O município teve um acréscimo na população, mas não obteve a ratificação nos registros do órgão. O IBGE aponta 10.165 habitantes, ao passo que os órgãos da Prefeitura apontam um número próximo de 11.000 pessoas.

De acordo com o prefeito, levantamentos da Secretaria de Saúde, Educação e até cartórios da cidade confirmam um número de aproximadamente de 11.000 habitantes.

Valmir explica que é necessário haver a alteração no número populacional para que o coeficiente do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) seja mudado e suba de escala. O atual coeficiente de Cristino Castro é 06, com a mudança pode subir para 08.

Esta alteração nos coeficientes significa no orçamento do município um valor que está entre R$ 1.600.000, 00 e R$ 2.000.000,00. Para alterar o coeficiente e receber este repasse é necessário que a cidade possua pelo menos 10.189 habitante.

Por esta razão, o prefeito veio a Teresina reivindicar a correção do número da população com o IBGE, para que o município obtenha finalmente os recursos que lhe são devidos.

Ele destaca que este dinheiro faz toda a diferença na cidade. "Estamos levando prejuízo grande em Cristino Castro e estamos com dificuldade de governar.

Cristino Castro já foi 1.0 nos índices do FPM, mas com a divisão da cidade surgiu um novo município e o índice caiu para 0,6. Estamos levando prejuízo", declara o Prefeito que pretende lutar pelas verbas que são um direito da cidade.

Valmir esclarece também que o escritório de advocacia contratado para representar o Município, obteve um levantamento com os próprios dados do IBGE e obteve um número de 10.714 habitantes. Caso o IBGE não realize as devidas mudanças, o prefeito planeja ingressar com ação no Tribunal de Justiça.

Fonte: Vicente de Paula