Presidente da Câmara descarta "recesso branco" para a Copa

Michel Temer (PMDB-SP) diz que votações continuarão até julho

O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), descartou nesta terça-feira (11) a possibilidade de o Congresso antecipar o ?recesso branco? para 10 de junho devido à Copa do Mundo da África do Sul. A proposta de concluir todas as votações até esta data e dar ?folga? aos parlamentares até a eleição foi feita pelos líderes do governo, Cândido Vaccarezza (PT-SP), e do PSDB, João Almeida (BA). Pela proposta, até as eleições as votações aconteceriam apenas em algumas semanas em regime de ?esforço concentrado?.

Para Temer, a proposta, apesar de ?patriótica?, é inviável. ?Compreendo as razões do líder Vaccarezza. Ele atentou para uma realidade muito patriótica, que é a questão da Copa do Mundo, mas é absolutamente inviável. Vamos trabalhar regularmente até o recesso formal, que é em metade de julho. Eu acho que não tem condições para discutir esse assunto?.

O prazo fixado na Constituição para o recesso do Congresso é de 18 a 31 de julho. Normalmente, em anos eleitorais, os deputados e senadores fazem um recesso branco até as eleições nos meses de agosto e setembro. Neste período, as votações acontecem raramente e em regime de ?esforço concentrado?, uma vez que os parlamentares estão empenhados nas campanhas.

A idéia de antecipar o recesso foi lançada por Vaccarezza nessa segunda-feira (10). Ele argumenta que o quórum já seria fraco em junho devido à Copa e a festas juninas. O líder do PSDB referendou a proposta e acrescentou que muitos dos projetos que aguardam votação não deveriam ser analisados antes das eleições.

Nesta manhã, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse que a decisão sobre o tema é dos líderes. Ele destacou ser difícil cumprir a pauta de votações na Câmara e no Senado até o prazo estipulado por Vaccarezza. ?Acho que nós já estamos com o tempo consumido bastante. Temos matérias importante para votar, inclusive a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)?, afirmou Sarney.

O presidente do Senado destacou que o período chamado de ?recesso branco? não pode ser entendido como férias porque os parlamentares continuam trabalhando em seus estados. Ele afirmou que somente com a votação de matérias como a LDO seria possível antecipar o ?recesso branco? para junho.

Fonte: g1, www.g1.com.br