Dilma Rousseff diz que país vai liderar a produção de soja em todo o mundo

Resultado, segundo Dilma, é fruto de tecnologia e esforço dos produtores

A presidente Dilma Rousseff disse na manhã desta segunda-feira (17), durante seu programa de rádio ?Café com a Presidenta?, que o Brasil vai alcançar a liderança mundial na produção de soja. Ela também comemorou a previsão de 193 milhões de toneladas de grãos que vão ser colhidos na safra 2013/2014.

?A produção de grãos será um recorde. Devemos atingir mais de 193 milhões de toneladas, de acordo com a avaliação da Conab. O Brasil vai alcançar, com esse recorde, a liderança mundial na produção de soja, mostrando a força da agricultura brasileira, o que é muito importante para o crescimento do nosso país, também para o abastecimento interno, para as exportações brasileiras, e, assim, para o saldo da nossa balança comercial", afirmou.

De acordo com a presidente, entre os fatores que contribuíram para a safra recorde estão o uso de novas tecnologias e o esforço dos produtores. Ela também citou recursos que o governo, na forma de financiamento, colocou à disposição dos agricultores.

"A safra recorde de 2013/2014 é o resultado do esforço conjunto dos nossos produtores, do desenvolvimento de novas tecnologias para o campo e também do apoio dado pelos programas do governo aos agricultores do país. Nós colocamos R$ 136 bilhões à disposição dos médios e dos grandes produtores rurais para a safra de 2013/2014. Nós colocamos também R$ 21 bilhões para a agricultura familiar", afirmou a presidente.

Dilma ressaltou ainda o aumento na produtividade. Segundo a presidente, em 20 anos a produção de grãos aumento 221%, enquanto a área plantada cresceu 41%. De acordo com Dilma, o governo busca "produtividade na veia" para todo o Brasil.

"Veja você que 83 mil máquinas agrícolas foram vendidas no ano passado, um crescimento de mais de 18% em relação a 2012. Para você ter uma ideia, nas últimas duas décadas, nossa produção de grãos aumentou 221% enquanto que a área plantada cresceu 41%. Isso é a chamada produtividade na veia, e é isso que buscamos para todo o Brasil?.

A presidente ainda destacou a intenção de o governo estimular a adoção de práticas sustentáveis na agricultura.

?Para apoiar nossos agricultores na adoção de práticas sustentáveis de produção, nós criamos o Programa ABC, Agricultura de Baixo Carbono [...] Nossos objetivos com o Programa ABC são dois: de um lado, diminuir a emissão de gases de efeito estufa, preservando os recursos naturais; e de outro, elevar, com isso, a produtividade na nossa agricultura?, concluiu.

Armazenamento

Dilma falou ainda sobre investimentos no armazenamento e no escoamento da produção. ?Em relação à armazenagem, estamos fazendo duas coisas: primeiro, temos uma linha de crédito de R$ 25 bilhões para financiar a construção de armazéns privados nos próximos cinco anos.

São praticamente R$ 5 bilhões por ano para financiar a armazenagem.

São financiamentos com juros muito acessíveis, com três anos de carência e 15 anos de prazo para pagar. As condições são tão boas que R$ 2,5 bilhões foram contratados por produtores, pequenos, médios e grandes, cooperativas e cerealistas. Além disso, estamos investindo R$ 500 milhões na construção e na modernização dos armazéns públicos. O nosso objetivo é dobrar a capacidade de estoque da Conab, principalmente nas regiões estratégicas para o abastecimento do nosso país?.

Segundo a presidente, é importante garantir o escoamento da safra, presidenta. ?Esse é um desafio que exige grande esforço do governo. E, para enfrentar esse desafio, nós estamos combinando investimento em rodovias, ferrovias, hidrovias e nos portos brasileiros. Uma coisa importante é que o modelo de concessões que adotamos para as rodovias garante a duplicação de, pelo menos, 10% da rodovia antes do início da cobrança do pedágio. Nós exigimos ainda que toda a obra de duplicação seja feita no prazo de cinco anos para beneficiar rapidamente os produtores e os consumidores. A gente garante, assim, a infraestrutura necessária para o transporte da nossa safra com muito mais rapidez e segurança, o que ajuda a diminuir o chamado custo Brasil. E isso é fundamental?.

As obras nas rodovias vão se integrar às ferrovias que estão em construção, afirmou Dilma. ?Nossa prioridade agora é fazer a Ferrovia de Integração Centro-Oeste, a FICO, que terá 880 km ligando Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, a Campinorte, em Goiás, e, daí, pela Ferrovia Norte-Sul, aos portos do Norte, do Sul e Sudeste. A FICO vai contribuir para uma verdadeira transformação logística de nosso país.

Estamos também buscando soluções imediatas para melhorar o escoamento da safra que começa a ser colhida agora, como, por exemplo, o agendamento dos caminhões com destino ao porto de Santos?.

Fonte: G1