Presidente Lula prega equilíbrio na economia mundial

Presidente destacou também a participação dos países emergentes no encontro

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou a maturidade dos líderes mundiais na tentativa de conter a guerra cambial e minimizar os efeitos da crise sobre a economia internacional durante a reunião de cúpula do G20, em Seul, na Coreia do Sul, que acabou na sexta-feira (12). A avaliação foi feita no programa Café com o Presidente nesta segunda-feira (15).

Segundo Lula, prevaleceram a ?maturidade? e a compreensão de que, no século 21, o ?mundo é interdependente?.

- Todo mundo está de acordo que é preciso que haja um equilíbrio na economia mundial. O mundo é interdependente, ou seja, se os americanos tomarem uma medida econômica para tentar resolver um problema dos Estados Unidos, eles têm que pensar no reflexo disso na China, no Brasil, na Argentina, na Alemanha, na França e em um país africano. É preciso que haja um maior equilíbrio da política cambial para que nenhum país leve vantagem sobre outro.

Lula comemorou a participação dos países emergentes na reunião.

- Não [estamos mais] discutindo num "clubinho" fechado como era o G8 [grupo que reúne os países mais ricos do mundo], mas discutindo no G20 [que engloba as maiores economias mundiais incluindo países emergentes], e precisamos envolver outros países que não participam do G20, porque as decisões interessam a todos os países do mundo.

O presidente lembrou que, antes das reuniões do G20, ?muita gente estava descrente?.

Porém, foram as cúpulas do grupo que passaram ao mundo ?uma certa credibilidade? no esforço de recuperação da economia de vários países.

No programa de rádio, Lula disse ainda que, nas reuniões em Seul, os Estados Unidos e a China foram muito criticados por terem adotado medidas de fortalecimento da economia interna causando prejuízos à ordem financeira internacional.

Comércio internacional

O presidente afirmou ainda que as negociações sobre Rodada Doha, que discute a abertura do comércio mundial, paralisadas em 2008 em decorrência das eleições nos Estados Unidos e na Índia, deverão ser retomadas.

- Nós chegamos à conclusão de que é preciso retomar as negociações, sentar à mesa, começar a discutir a partir de onde nós paramos. Não temos que começar do zero, nós já avançamos muito.

Lula afirmou ainda que a ?situação no Brasil é privilegiada? pois, apenas este ano, deverão ser gerados aproximadamente 2,5 milhões de empregos. Segundo ele, o desemprego no Brasil é o menor da série histórica. ?Mas o desemprego é muito grande na Europa, é muito grande nos Estados Unidos?, alertou.

- Nós compreendemos a preocupação dos presidentes dos países europeus e, também, dos Estados Unidos, mas nós não podemos ser prejudicados por isso.

Fonte: R7, www.r7.com