Projeto de bancada evangélica propõe legalizar a "cura gay"

O conselho de psicologia questiona se o projeto pode interferir na sua autonomia.

Um projeto de decreto legislativo de deputados da bancada evangélica quer sustar dois artigos instituídos em 1999 pelo Conselho Federal de Psicologia que proíbem os psicólogos de emitir opiniões públicas ou tratar a homossexualidade como um transtorno. Segundo o projeto do deputado João Campos (PSDB-GO), líder da Frente Parlamentar Evangélica, o conselho "extrapolou seu poder regulamentar" ao "restringir o trabalho dos profissionais e o direito da pessoa de receber orientação profissional". As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

O conselho de psicologia questiona se o projeto pode interferir na sua autonomia. Para o presidente do órgão, Humberto Verona, estão lá normas éticas para combater "uma intolerância histórica". Deve-se curar a "síndrome de patinho feio", e não "a homossexualidade em si", diz Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Para ele, é o preconceito que leva um gay a procurar tratamento. "(Ninguém diz) "cansei de ser hétero, vim aqui me transformar"", afirma Verona. O pastor e deputado Roberto de Lucena (PV-SP), relator do projeto de Campos, crê que os pais têm o direito de mandar seus filhos para redirecionamento sexual. No entanto, reconhece que o tema deve ser discutido em audiência pública, prevista para as próximas semanas em Brasília.

Fonte: Terra