Prostituta diz que Berlusconi lhe ofereceu "vaga" de parlamentar na Itália

Prostituta de luxo que está no centro de um escândalo sexual envolvendo o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi

A prostituta de luxo que está no centro de um escândalo sexual envolvendo o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, afirmou à BBC que o premiê ofereceu a ela uma vaga na chapa de seu partido para concorrer às eleições para o Parlamento Europeu.

Segundo Patrizia D"Addario, no entanto, os planos de lançá-la como candidata pelo partido Povo da Liberdade nas eleições europeias do último mês de junho foram abandonados após reclamações da então mulher de Berlusconi.

Em uma entrevista ao programa "Europe Today", do Serviço Mundial da BBC, D"Addario também afirmou que ela nunca recebeu nenhum pagamento em dinheiro para dormir com Berlusconi.

No lugar, teria sido oferecida a ela a solução de um problema relacionado a uma licença para fazer uma construção.

As novas acusações contra o premiê italiano surgiram depois de a imprensa do país ter divulgado gravações de áudio de supostos encontros entre Berlusconi e D"Addario no Palácio Grazioli, residência oficial do premiê em Roma.

Procurado pela BBC, o gabinete de Berlusconi informou que ele não estava disponível nesta sexta-feira para comentar as novas acusações.

O premiê nunca negou que a acompanhante participou de uma festa no Palácio Grazioli, mas já disse que nunca pagou para ter relações sexuais com ela.

"Projeto de construção"

Segundo D"Addario, o empresário Giampaolo Tarantini teria oferecido a ela mil euros (cerca de R$ 2,6 mil) para que ela comparecesse a uma festa no palácio com mais vinte mulheres em outubro de 2008.

Ela alegou ter sido convidada para voltar ao palácio no mês seguinte, quando teria passado a noite com o primeiro-ministro, sem, no entanto, receber pagamento algum.

Segundo a acompanhante, no lugar teria sido oferecida a "a aceleração da licença de um projeto de construção" na cidade de Bari.

"Eu precisava acelerar isso. O primeiro-ministro disse que ele poderia me ajudar [com uma licença], foi por isso que fiquei [com Berlusconi]", afirmou.

D"Addario afirmou que, no entanto, o problema não foi resolvido e, no lugar, foi oferecida a ela a chance de se tornar candidata no partido de Berlusconi nas eleições parlamentares europeias.

"Eles pediram meu currículo e eu entreguei a Giampaolo Tarantini", disse D"Addario à BBC.

"No dia seguinte, o secretário de Tarantini me chamou e disse: "Tarantini está com o primeiro-ministro e houve um problema com a mulher dele, Veronica Lario. Você não será mais candidata"".

Escândalos

No início deste ano, a proposta do partido Povo da Liberdade de lançar uma chapa com mulheres de pouca experiência política - como atrizes e participantes de reality shows - para as eleições para o Parlamento Europeu causou críticas na Itália, inclusive da mulher de Berlusconi.

No último mês de maio, Lario se divorciou do premiê, acusando-o de "usar a companhia de menores", referindo-se ao fato de o primeiro-ministro ter comparecido ao aniversário de 18 anos da aspirante a modelo Noemi Letizia.

Também neste ano, Berlusconi enfrentou outro escândalo depois que foram publicadas fotos de mulheres de topless e homens nus em sua mansão na Sardenha.

O advogado de Giampaolo Tarantini, Nicola Quaranta, afirmou à BBC "que ele não comentaria as entrevistas que Patrizia D"Addario está dando à imprensa".

Quaranta ainda afirmou acreditar que D"Addario "não está falando a verdade".

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br