PSDB discutirá nesta segunda pedido para PGR investigar Lula

PSDB discutirá nesta segunda pedido para PGR investigar Lula

Segundo revista, Lula sugeriu que ministro adiasse julgamento do mensalão

A liderança do PSDB na Câmara dos Deputados informou que parlamentares do partido devem se reunir na tarde desta segunda (28) para elaborar pedido de investigação à Procuradoria-Geral da República sobre conversa em que o ex-presidente Lula teria sugerido ao ministro Gilmar Mendes, do STF, para adiar o julgamento do mensalão.

Reportagem publicada na edição deste final de semana da revista "Veja" relata um encontro no último dia 26 de abril entre o ex-presidente e o ministro Gilmar Mendes. No encontro, segundo a publicação, Lula sugeriu o adiamento do julgamento do mensalão em troca de proteção ao ministro na CPI do Cachoeira. A assessoria do Instituto Lula informou que o ex-presidente não comentará a reportagem.

Ainda de acordo com a liderança do PSDB na Câmara, parlamentares do DEM também devem participar da reunião em que será definido o pedido de investigação à Procuradoria-Geral da República.

O STF prepara o julgamento dos 38 réus do mensalão, escândalo de suposta compra de apoio político para o governo Lula no Congresso. Gilmar Mendes defende o julgamento ainda neste semestre, mas a definição da data depende do ministro Ricardo Lewandowski, que ainda trabalha na revisão do relatório sobre o caso, elaborado pelo ministro Joaquim Barbosa.

Segundo o líder do PSDB, Bruno Araújo (PE), a tendência do partido é não tomar de imediato providências na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito criada para investigar o elo de Cachoeira com políticos e empresários.

?Vamos decidir se a representação é suficiente e quais os passos. Pode ser que num primeiro momento seja feita apenas a representação na Procuradoria-Geral da República. Como envolve o próprio, Supremo é legitimo que o próprio Supremo resolva?, afirmou.

Nelson Jobim, que teria intermediado o encontro entre Lula e GIlmar Mendes, não comentou o tema nesta segunda. "Esse assunto está encerrado. Não falo mais sobre isso. [...] Desistam", disse Jobim a jornalistas ao ser perguntado sobre o encontro. Ele esteve no Congresso, em uma reunião de comissão sobre pacto federativo do Interlegis, programa do Senado que visa a modernização do poder Legislativo.

Denúncia

De acordo com a revista "Veja", o encontro entre Lula e Gilmar Mendes ocorreu no escritório de advocacia de Nelson Jobim, ex-presidente do Supremo e ex-ministro do governo Lula. "Fiquei perplexo com o comportamento e as insinuações despropositadas do presidente Lula", disse Gilmar Mendes, segundo declaração reproduzida pela revista.

No encontro, Lula teria afirmado a Mendes: "É inconveniente julgar esse processo [do mensalão] agora". Segundo a reportagem, o ex-presidente também disse a Mendes que detém o controle da CPI do Cachoeira, que apura a ligação do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com políticos e autoridades, e que o ministro do STF não precisaria se preocupar com eventuais investigações que o envolvessem. Cachoeira foi preso em fevereiro pela Polícia Federal, apontado como chefe de uma quadrilha que explorava o jogo ilegal em Goiás.

Durante a conversa, afirma "Veja", Lula perguntou a Mendes sobre a "viagem a Berlim". De acordo com a publicação, a referência diz respeito a boatos de que o ministro teria viajado para a Alemanha com o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), com despesas pagas e em um avião cedido por Cachoeira. Em razão do vínculo com o bicheiro, Demóstenes é alvo de processo disciplinar no Senado que poderá resultar na cassação do mandato do senador.

"Vou a Berlim como você vai a São Bernardo. Minha filha mora lá", respondeu Gilmar Mendes, segundo Veja". O ministro confirmou à revista o encontro com Demóstenes em Berlim, mas disse que pagou as próprias despesas e que tem como comprovar a origem dos recursos usados na viagem.

Fonte: G1