PSDB processa peemedebista por acusações a Aécio Neves em discurso

O ato político ocorreu dois dias depois de Dilma anunciar, em cadeia nacional de rádio e TV, a ampliação do benefício pago pelo programa

O PSDB ingressou nesta segunda-feira (19) na Justiça Eleitoral com ação contra o senador Lobão Filho (PMDB-MA), pré-candidato ao governo do Maranhão, por discurso feito no interior do Estado em que acusa o senador Aécio Neves (PSDB-MG), pré-candidato à Presidência da República, de ser contra o programa Bolsa Família.

A fala de Lobão Filho foi registrada no dia 3 de maio em vídeo gravado por um aliado de Aécio no Maranhão, durante discurso em ato político na cidade de Barra do Corda (MA).

No discurso, o senador diz que está "preocupado" porque Aécio teria declarado na véspera que era contra o Bolsa Família. Depois o peemedebista pergunta à população: "Quem de vocês aqui gosta do Bolsa Família levanta a mão?".

Ao perceber que a grande maioria dos presentes defende o programa, o senador dispara: "Isso me preocupa, porque nossos adversários estão unidos ao Aécio Neves e ele já disse em todas as emissoras e jornais que é contra o Bolsa Família e contra o aumento que a presidente Dilma havia dado ao Bolsa Família", afirmou Lobão Filho.

O ato político ocorreu dois dias depois de Dilma anunciar, em cadeia nacional de rádio e TV, a ampliação do benefício pago pelo programa. No Maranhão, cerca de metade da população do Estado recebe o Bolsa Família.

Coordenador jurídico da campanha de Aécio, o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) convocou a imprensa nesta tarde para apresentar o vídeo. O ato político foi organizado pelo PMDB local para recepcionar Lobão Filho, que é filho do ministro Edson Lobão (Minas e Energia).

Sampaio disse que o senador cometeu crime de propaganda eleitoral antecipada negativa, sujeito a multa de R$ 25 mil pela Justiça Eleitoral. O PSDB também estuda processar Lobão Filho pelo crime de injúria pelas ofensas feitas a Aécio.

"É uma prova inequívoca da postura nefasta que vem sendo adotada pelo PT em suas propagandas eleitorais, incutindo o medo baseado na mentira. E essa mentira em sendo propalada pelos nossos adversários políticos. É um senador mentindo deslavadamente sobre a postura do adversário da presidente Dilma, o senador Aécio Neves", afirmou Sampaio.

Segundo o deputado, o PT decidiu adotar na campanha de Dilma à reeleição a estratégia do "medo" para tentar convencer a população mais carente de que Aécio vai desfazer programas implementados pela gestão petista ?a exemplo do programa do partido veiculado semana passada na TV.

"O Lobão está tão somente reproduzindo orientação majoritária da presidente Dilma de incutir o medo e entrar na política do terrorismo. Quando um governo não tem nada de bom para falar de si mesmo, ele parte para a tática de falar mal dos outros."

O tucano disse que a estratégia do "medo" adotada pelo PT não é a mesma que o PSDB utilizou nas eleições de 2002 contra o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva. Na época, os tucanos divulgaram inserções no rádio e na TV com a atriz Regina Duarte em que ela dizia ter "medo" de mudanças que seriam provocados no país com a eleição de Lula.

"Quando o PSDB usou de incutir o medo, naquele momento que o presidente Lula ia assumir, todos tinham receio do novo. O PSDB nunca usou a tática do medo pautado na mentira. O PSDB externou o seu receio, o seu medo com relação à postura do presidente Lula. Não tem nada a ver com a realidade de agora."

PROGRAMA DE ESTADO

Sampaio disse que, por orientação do Palácio do Planalto, o Senado não aprova projeto de Aécio que transforma o Bolsa Família em programa de Estado ?o que impediria que o programa seja encerrado independentemente de quem for eleito em outubro.

Segundo o deputado, a base de apoio de Dilma no Congresso não quer a aprovação do projeto para manter o discurso do "medo" de que o pré-candidato tucano vai acabar com o benefício recebido por milhares de brasileiros.

"Não querem aprovar para não tirar o discurso da mentira. É interessante continuar mentindo em todos os rincões do Brasil. O Aécio já disse que é favorável [ao programa] e tem seus mecanismos de aperfeiçoamento."

Fonte: Folha