PT quer fim de aliança com partidos que têm outro candidato a presidente

Objetivo é não perder o direito de exibir imagens de Lula na propaganda

O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, orientou os diretórios regionais do partido a romper as coligações nos estados com legendas que tenham lançado candidato à Presidência. O objetivo da medida é não perder o direito de exibir imagens do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da candidata petista à Presidência da República , Dilma Rousseff, na propaganda de seus candidatos a governador.

Segundo Dutra, a medida é uma orientação aos diretórios regionais, e não uma determinação. "Não dá para impor", explicou. O TSE decidiu nesta terça (29) que candidatos a governador, vice e senador não podem exibir imagens de candidatos à Presidência ou seus aliados caso sejam adversários na disputa pelo Palácio do Planalto.

Dutra explicou que, a partir da decisão do TSE, o partido avaliou que não vale a pena manter coligações que acrescentam 30 segundos ou menos ao tempo de propaganda eleitoral. " É melhor perder esse tempo de propaganda do que a imagem da candidata Dilma ou do presidente Lula", explicou Dutra.

De acordo com o presidente do PT, "a questão será avaliada caso a caso para saber em quais estados será possível desfazer a coligação".

Confusão

A decisão do TSE, que ocorreu após as convenções dos partidos, causou controvérsias e dúvidas entre os candidatos. Diante da confusão causada, o TSE decidiu nesta quinta-feira (1º) reavaliar em agosto, por causa do recesso do Judiciário, a decisão tomada pelo plenário.

Apesar do TSE ter decidido reavaliar a decisão em agosto, o PT preferiu prevernir-se. "Não sei se os ministros vão revogar ou manter a decisão, por isso decidimos orientar os diretórios a romper as coligações onde for possível", disse Dutra.

Em São Paulo, por exemplo, o diretório regional do PT deverá romper a coligação PSL. O partido lançou Américo de Souza à Presidência.

O presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski, admitiu nesta quinta-feira (1º) que ocorreu uma confusão causada pela decisão do tribunal. Para ele, a revisão do assunto pode esperar, uma vez que a propaganda eleitoral no rádio e na televisão começa no dia 17 de agosto e vai até 30 de setembro.

?A matéria é extremamente complexa e o que nós temos que fazer é uma segunda reflexão sobre o tema aguardando o pronunciamento do tribunal sobre o assunto em agosto?, avaliou o presidente do TSE.

Fonte: g1, www.g1.com.br