PT vai montar comissão para negociar cargos com governador

O Partido dos Trabalhadores vai montar uma comissão para negociar os cargos que serão coupados na futura gestão do governador Wilson Martins (PSB).

O Partido dos Trabalhadores vai montar uma comissão para negociar os cargos que serão coupados na futura gestão do governador Wilson Martins (PSB). Apesar de alguns parlamentares da legenda terem conversado individualmente com Wilson sobre a presença no secretariado estadual, a posição oficial do PT só será tomada após as discussões internas que acontecerão nas reuniões deste final-de-semana com os membros do Diretório estadual.

A ex-secretária estadual de Administração e primeira suplente do senador eleito Wellington Dias (PT), Regina Sousa (PT), afirmou ontem que o PT ?sabe do seu tamanho?. ?Todo mundo quer ser visto e lembrado, é legítimo. O PT ainda vai saber o que cabe a ele e vamos partir para uma discussão coletiva, só após esse momento iremos conversar com o governador?, argumentou, acrescentando que os dirigentes da sigla ainda não se reuniram oficialmente com Martins para tratar de cargos.

?Sabemos que alguns partidos já foram conversar com ele, mas nós participamos ativamente da campanha do Wilson, somos aliados de primeira hora?, completou. A petista também comentou a reforma administrativa que será implementada pelo governador no Estado. Ela acredita que este é o ?momento certo? para as modificações, mas ressalta que as alterações não podem ?desconstruir? a gestão de Wellington Dias e do PT nos últimos anos à frente do Palácio de Karnak.

?Ele tem todo o direito e a hora da reforma é agora. Existem algumas "gorduras" sim, como a Piemtur e a Secretaria estadual de Turismo, que exercem a mesma função?, disse Regina. A suplente de Dias, porém, destacou que a extinção de coordenadorias não proporcionará o efeito desejado de ?enxugamento? da máquina. ?As coordenadorias são pequenas e ligadas à programas cuja verba não é do Estado, e sim do Governo Federal ou órgãos internacionais. O custeio do Estado é mínimo?, frisou. (S.B.)

Fonte: Sávia Barreto, Jornal Meio Norte