Reeleição: PMDB reelege Michel Temer para presidir partido

Temer comemorou resultado

O maior aliado do PT na coalizão do governo Dilma Rousseff, o PMDB, reconduziu Michel Temer, vice-presidente da República, à presidência da legenda na convenção deste sábado, marcada pela presença de Dilma reafirmando a parceria com os peemedebistas para disputar a reeleição em 2014.

Temer, porém, irá se licenciar do comando do PMDB, como tem feito desde que foi eleito vice-presidente da República, em 2010, e deixar as funções adminitrativas com o vice, senador Valdir Raupp (RO).


Reeleição: PMDB reelege Michel Temer para presidir partido

PMDB promove convenção para reeleger direção do partidoClique no link para iniciar o vídeo PMDB promove convenção para reeleger direção do partido

"Eu vou deixar toda atividade administrativa e gerencial do PMDB para o Raupp, como da outra vez. Vai ser logo, agora. Vai ser quase automático", disse Temer à Reuters.

Mais cedo, Dilma foi até a convenção e fez um discurso recheado de elogios ao seu vice e ao PMDB, dando a entender que reeditará a dobradinha com o atual vice em 2014. "Eu conclamo o PMDB e sua juventude, suas mulheres, seu parlamentares, suas lideranças e sobretudo sua militância a continuarmos trabalhando juntos, para garantir que o fim da miséria seja só um começo", discursou Dilma.

"O PMDB me deu o vice-presidente Michel Temer, que divide comigo a responsabilidade pela condução do país e reforça com suas qualidades de político competente, sério e excepcional negociador a capacidade de articulação do governo, nos representanto de forma soberana e altiva no plano internacional", acrescentou ela.

Os elogios não deixaram dúvidas no PMDB de que Dilma e o PT já escolheram a sigla como parceira preferencial para 2014, depois de que alas do PT defenderam dar a vaga de vice ao PSB, para evitar que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, concorresse à Presidência.

Questionado se a presidente deveria ser mais explícita sobre a aliança com o PMDB, Temer disse que Dilma foi muito clara. "Mais (clara) seria impossível, seria uma indelicadeza, até porque ela não é candidata a presidente, ela será candidata à presidente no ano que vem. Se dissesse mais do que disse seria um exagero retórico", disse.

Palanques

Elementos presentes em quase todos os discursos de peemedebistas neste sábado, a unidade do partido e a forte aliança com o PT podem sofrer abalos na hora de formar os palanques para a disputa dos Estados.

Um exemplo dessa possibilidade é a corrida pelo governo do Rio de Janeiro. O governador Sérgio Cabral e o PMDB não abrem mão de lançar a candidatura do atual vice-governador Luís Fernando Pezão. Já o PT, aliado no governo estadual, argumenta que Pezão não tem chances de vencer e exige que PMDB apóie a candidatura do senador petista Lindbergh Farias. Ele também já disse que não abre mão da disputa.

Durante a convenção deste sábado, o diretório regional do Rio de Janeiro aprovou uma moção que obriga a Comissão Executiva do partido a se posicionar nos casos em que não houver palanque único de apoio à Dilma nos Estados.

"Vamos tentar procurar evitar ao máximo possível palanques duplos, mas acho que será impossível não ter em alguns Estados dois candidatos, um do PMDB disputando o governo e um do PT. Nesses casos, vamos ter que conciliar os dois palanques", disse Raupp.

Segundo ele, ainda há espaço para diálogo no Rio de Janeiro para se construir um palanque único. Mas descartou a possibilidade do PMDB não ter candidato.

"Não posso falar sobre hipóteses, principalmente de outro partido. Posso falar pelo PMDB, o PMDB terá com certeza candidatura própria no Rio de Janeiro e certamente em mais 20 Estados brasileiros", acrescentou Raupp.

Fonte: Terra, www.terra.com.br