Regina Sousa integra CPI no Senado que investiga SwissLeaks

SwissLeaks é uma investigação jornalística de um gigantesco esquema de elisão e evasão fiscal via sede do HSBC na Suíça. Contas de 5.549 brasileiros movimentaram 7 bilhões de dólares

Com o foco voltado para o combate à corrupção, o Partido dos Trabalhadores indicou os senadores da sua bancada que irão compor a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investigará denúncias de evasão fiscal envolvendo a sede do banco HSBC na Suíça.


Dentre os parlamentares selecionados para participar da equipe, está a piauiense Regina Sousa, que assumiu recentemente o mandato e já vem sendo requisitada para importantes demandas da sigla, tendo em vista que a apuração da CPI SwissLeaks, como é denominada, será uma das prioridades da bancada na Casa. Além da representante do Piauí, Fátima Bezerra, do Rio Grande do Norte, e Paulo Rocha, do Pará, foram escolhidos pelo PT.

Com a previsão de que a instalação da Comissão ocorra ainda nesta semana, os trabalhos estarão voltados para as contas dos brasileiros que podem ter servido para sonegar impostos.

No Brasil, as investigações sobre o caso estão sendo feita por três caminhos: a Receita Federal apura sobre a evasão e sonegação fiscal; o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) do Ministério da Justiça identifica e tenta repatriar eventuais recursos ilegais; e a Polícia Federal investiga os crimes.

INDICAÇÕES - Pelo bloco formado pelo PSDB e DEM, o indicado para integrar a comissão parlamentar foi o senador Cássio Cunha Lima. Apenas o PMDB e o PSB ainda não apresentaram seus indicados para acompanhar os trabalhos; o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) responde pela autoria da criação da CPI e participará em nome do bloco formado pelo PSOL, PPS, PSB e PCdoB. Já o bloco parlamentar formado pelo PTB-PSC-PS-PRB indicou Blairo Maggi (PR-MT).

ESQUEMA - O SwissLeaks é uma investigação jornalística de um gigantesco esquema de elisão e evasão fiscal alegadamente operado com o conhecimento e encorajamento do banco multinacional britânico HSBC através de sua subsidiária suíça, o HSBC Private Bank (Suisse).

Os jornalistas revelaram que 180,6 bilhões de euros foram movimentados em contas mantidas no HSBC, em Genebra, por mais de 100.000 clientes e 20.000 empresas offshore, entre novembro de 2006 e março de 2007. Os clientes residentes no Brasil são titulares de 5.549 dessas contas do HSBC, cujo saldo total, no final de 2013, estava em torno de 7 bilhões de dólares.

 

Fonte: Francy Teixeira