Pesquisa Datafolha revela que Rejeição de voto a Dilma é maior entre os mais ricos

Entre os mais ricos, a rejeição à Dilma cresce: 65% disseram não votar na petista

A rejeição ao voto na presidente Dilma Rousseff (PT) é maior entre os mais ricos. Segundo pesquisa Datafolha concluída na última quinta-feira (9), 43% dos entrevistados disseram que não votariam na presidente de jeito nenhum. Já os que responderam isso sobre Aécio Neves (PSDB) são 34%.

Entre os mais ricos, a rejeição à Dilma cresce: 65% disseram não votar na petista, enquanto apenas 25% dos classificados como classe alta não votariam no tucano. No grupo classe média-alta, os percentuais são, respectivamente, de 57% e 26%.

Na outra ponta, a rejeição a Aécio é maior entre os mais pobres. Dos excluídos (baixa escolaridade e renda), 41% disseram que não votam no tucano, ante 29% em Dilma.

 


 


A classificação de perfil de classe criada pelo Datafolha combina, por meio de análises estatísticas, o acesso a bens de conforto, escolaridade do entrevistado e renda familiar mensal.

O diretor do Datafolha, Mauro Paulino, avalia que se por um lado a rejeição a Aécio não é tão expressiva entre os excluídos, por outro as classes baixas são justamente onde a presidente obtém sua maior parcela de eleitores convictos.

Segundo ele, no segundo turno, além de tentar conquistar votos as campanhas procuram também aumentar a rejeição do adversário.

O Datafolha investigou ainda o grau de convicção do voto. O placar também é equilibrado: 43% dizem que votam em Aécio "com certeza", 42% respondem o mesmo para Dilma. Há 22% que "talvez" possam votar no tucano. O "talvez" de Dilma está em 14%.

VOTOS VÁLIDOS

O segundo turno da eleição presidencial começa com uma disputa extremamente acirrada e aspectos inéditos. Pesquisa Datafolha mostra Aécio(PSDB) com 51% das intenções de voto válido ante 49% da presidente Dilma.

É uma situação de empate técnico, já que a margem de erro é de dois pontos. Assim, o tucano pode ter entre 49% e 53%, a petista pode ter entre 47% e 51%.

Considerando todas as pesquisas do instituto desde 1989, é a primeira vez que um candidato que ficou em segundo lugar na disputa inicial aparece numericamente à frente do vencedor numa simulação de turno final.

Em votos totais, Aécio tem 46% contra 44% para Dilma. Há 4% de eleitores dispostos a votar nulo ou em branco. Outros 6% estão indecisos.

 

Fonte: Folha de São Paulo