Romário desiste de se candidatar a prefeito do Rio de Janeiro

Deputado Hugo Leal assumiu no lugar do Baixinho

O senador e ex-jogador de futebol Romário desistiu de disputar a prefeitura do Rio e deixou nesta quinta-feira (21) a presidência do PSB-RJ. O mais provável é que os socialistas do Rio apoiem o senador Marcelo Crivella (PRB), mas o partido ainda conversa com outros pré-candidatos. O deputado Hugo Leal assumiu a presidência regional do PSB.

"Fomos procurados por muitos candidatos e agora a nova direção do partido vai conduzir as negociações. Nunca acreditei nessa candidatura do senador Romário, ele nunca agiu como candidato", reclamou o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira.

Romário justificou sua desistência pela corrida eleitoral pela alta rejeição ao seu nome, apontada pelas últimas pesquisas de opinião. Questionado se o senador continua no PSB, Siqueira respondeu: "Isso tem que perguntar a ele."

Romário se envolveu em polêmica na política
Romário se envolveu em polêmica na política

Embora tenha lançado a pré-candidatura a prefeito em junho, Romário continuava conversando com outros partidos e chegou a marcar, no início de julho, uma reunião com o pré-candidato do PSDB, Carlos Roberto Osório, e o presidente nacional tucano, senador Aécio Neves (MG). O encontro acabou cancelado.

Os episódios de divergência entre Romário e PSB não são inéditas. Em dezembro do ano passado, uma intervenção do comando nacional tirou o senador da presidência regional do partido. Em fevereiro deste ano, Romário voltou ao cargo. Na mesma ocasião, o PSB nacional negociou a filiação de Crivella ao partido, mas o acordo não prosperou.

Líder nas pesquisas de intenção de voto, Marcelo Crivella disse que aceitaria disputar a prefeitura do Rio pelo PSB se Romário concordasse. Crivella e Romário afirmaram que a decisão sobre o nome do candidato seria tomada mais adiante, mas o senador do PRB decidiu ficar no partido pelo qual foi eleito.

Na disputa eleitoral do Rio, já foram formalizadas em convenções as candidaturas dos deputados Pedro Paulo, do PMDB, e Marcelo Freixo, do PSOL. Nos próximos dias serão aprovadas em convenção as candidaturas de Alessandro Molon (Rede), Indio da Costa (PSD) Carlos Osório (PSDB), Marcelo Crivella (PRB), Jandira Feghali (PC do B) e Flávio Bolsonaro (PSC).


Fonte: iG