Se eleito, Trump reconhecerá Jerusalém como capital de Israel

Israel ocupou a metade leste de Jerusalém durante a guerra.

Neste domingo (25), o candidato republicano Donald Trump prometeu que vai reconhecer Jerusalém como capital ‘unificada’ de Israel, se for eleito presidente dos Estados Unidos, após uma reunião com o premiê israelense Benjamin Netanyahu. O encontro privado de cerca de uma hora aconteceu na residência do magnata, a Trump Tower, em Nova York, na véspera do primeiro debate presidencial contra sua oponente, a democrata Hillary Clinton.

"Trump reconheceu que Jerusalém foi a capital eterna do povo judeu por mais de 3.000 anos, e que os Estados Unidos, sob o governo Trump, finalmente aceitarão o mandato do Congresso de reconhecer Jerusalém como a capital unificada do Estado de Israel", declarou sua equipe de campanha em um comunicado.

Israel ocupou a metade leste de Jerusalém durante a guerra contra os árabes, em 1967, e a anexou a seu território em 1980, declarando a totalidade de Jerusalém como sua capital. "O primeiro-ministro Netanyahu discutiu com Trump assuntos relacionados à segurança de Israel e seus esforços para conseguir a estabilidade e a paz no Oriente Médio", indicou o gabinete do líder israelense em um comunicado, no qual não mencionou a promessa de Trump sobre Jerusalém.

Os Estados Unidos e a maioria dos países-membros das Nações Unidas desconhecem a anexação de Jerusalém e consideram que o status definitivo do território é um tema-chave que deve ser resolvido em negociações de paz com os palestinos.

Em outubro de 1995, o Congresso americano aprovou uma lei pelo reconhecimento de Jerusalém unificada como capital de Israel e que autoriza recursos para mudar a embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém. Nenhum presidente americano implementou a lei, considerando que implicaria a violação da autoridade do Executivo em Política Externa.

Trump também conversou com Netanyahu sobre a experiência de Israel com "o muro de segurança" usado para dividir Israel da Cisjordânia. Durante a campanha, o candidato republicano vem prometendo construir um muro ao longo da fronteira dos Estados Unidos com o México para evitar a passagem de imigrantes.

Horas mais tarde, Hillary Clinton também se reuniu com Netanyahu em um encontro privado no W Hotel em Nova York.

Em um comunicado, a equipe de campanha de Clinton destacou a coincidência de "interesses gerais estratégicos" entre os dois países e recordou o forte apoio militar prometido pelos Estados Unidos a Israel.

Donald Trump (Crédito: Reprodução)
Donald Trump (Crédito: Reprodução)


Fonte: Com informações do G1