Secretário nega prejuízos à expansão de escolas de tempo integral

A aprovação do Plano Municipal de Educação (PME)

A aprovação do Plano Municipal de Educação (PME), consolidada na manhã de ontem, foi comemorada pelo secretário municipal de Educação, Kleber Montezuma, questionado sobre as emendas acatadas e o possível reflexo negativo na proposta encaminhada inicialmente pelo Executivo, o gestor desmentiu, apontando que tal abstração coincidirá com o cronograma nacional, facilitando na consecução de ações importantes para a área.

“Essa coerência do Plano Municipal e o Nacional vai facilitar a sua implementação, porque os programas federais, financiamentos, projetos, poderão ser compatibilizados, ou seja, não haverá nenhuma dissonância entre o que é previsto, pelo contrário, há uma sintonia perfeita, isso vai ser um ganho, pois poderemos ajustar nosso cronograma de investimentos, o nosso trabalho para o cumprimento das metas”, comunicou.

Segundo Montezuma, a extensão do prazo para implementação do período integral em no mínimo 50% das escolas também não causará prejuízos, tendo em vista que a Prefeitura propôs dois anos e os vereadores alargaram para dez anos o limite para a consecução da meta. “A Câmara colocou no texto de Teresina o mesmo teor, o mesmo compromisso, a mesma meta, o mesmo cronograma proposto a nível Brasil”, prospectou. Nisso, ele inseriu para os avanços orquestrados com a ação, fazendo um comparativo com o PME apresentado na década passada.

“Antes discutíamos a universalização da matrícula para crianças de 7 a 14 anos, agora já estamos buscando essa meta para aquelas que têm 4 e 5 anos, e depois será de 2 a 3, ou seja, já avançamos e o grande trabalho que está por trás desse Plano é a qualidade do ensino, os investimentos que vamos fazer”, detalhou.

Fonte: Francy Teixeira