Senado paraguaio aprova impeachment de Fernando Lugo

Senado paraguaio aprova impeachment de Fernando Lugo

A votação obteve a maioria absoluta, com 39 votos a favor da condenação, quatro contra e duas abstenções.

O Senado paraguaio aprovou, no final da tarde desta sexta-feira, o processo de impeachment do presidente Fernando Lugo. A votação obteve a maioria absoluta, com 39 votos a favor da condenação, quatro contra e duas abstenções. Trinta votos eram necessários para aprovar o impeachment de Lugo, que agora deve deixar o poder e ser substituído pelo vice-presidente, Federico Franco.

"Demonstrou-se a soberania nacional. Estamos muito contentes", comemorou o senador José López Chavez (Unace). "É o resultado que víamos que chegaria. Não é uma surpresa", comentou um dos advogados de defesa de Lugo, Adolfo Ferreiro.

O pedido já havia sido aprovado por quase unanimidade (73 votos a 1) na quinta-feira na Câmara de deputados, e chegou ontem mesmo à casa dos senadores. A decisão implica no fim da presidência de Lugo, desde 2008 no poder; seu mandato iria até agosto de 2013.

Os trabalhos no Senado começaram hoje por volta do meio-dia, quando a equipe de defesa de Lugo se pronunciou, sem a presença do presidente, por cerca de duas horas. Seguiram-se apreciações dos senadores e nova rodada de manifestações da acusação dos deputados e dos advogados do mandatário. Assim, o impeachment foi sugerido e aprovado em menos de 36h.

Enquanto as partes presentes no Senado debatiam o futuro do presidente, a comunidade latino-americana chamava forte atenção para o processo político em curso no Paraguai. A manifestação mais forte foi da União das Nações Sul-americanas, que, por meio de uma equipe especial de chanceleres enviada a Assunção, declarou que o impeachment significaria uma ameaça à ordem constitucional e à democracia na América Latina. No horizonte, acena-se para um isolamento político do país.

Fernando Lugo, ex-bispo eleito em 2008 pela Aliança Patriótica para a Mudança (Alianza Patriótica para el Cambio), primeiro anunciou que aceitaria o julgamento, embora declinasse qualquer chance de renúncia. Hoje, contrariando as expectativas, Lugo não se fez presente no Senado e, mais tarde, anunciou que respeitaria o julgamento.

Fonte: Terra