Senador discute com padre e missa com Serra acaba

Senador discute com padre e missa com Serra acaba

Padre desmentiu panfletos contra Dilma e foi repreendido por Tasso Jereissati em Canindé

Terminou em tumulto uma missa hoje (16) na Basílica de São Francisco das Chagas no Canindé (CE), que fez parte da agenda de compromissos do candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra. No final de celebração, o padre disse que eram mentirosos os panfletos que circulavam na igreja afirmando que a candidata petista, Dilma Rousseff, era a favor do aborto e tinha envolvimento com grupos terroristas como as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O padre disse que aquelas mensagens estavam sendo atribuídas à igreja, mas que ela não havia autorizava esse tipo de publicação em seu nome.

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que acompanhou a missa ao lado de José Serra, se exaltou e afirmou que era um ?padre petista? como aquele que estava ?causando problemas à igreja?.

Alguns partidários do tucano também se exaltaram e o padre saiu escoltado por seguranças. Nenhum membro da administração da paróquia confirmou o nome de padre. Disseram apenas que ele não era da cidade.

Militantes do PT, com bandeiras como nome de Dilma, estavam na porta da basílica na saída da missa. Houve um princípio de briga entre eles e os militantes do PSDB.

O panfleto não assinado que circulou na igreja falava em três ?grandes motivos para não votar em Dilma?. O texto acusa a candidata de ter se envolvido com as Farc, de ser favorável ao aborto e de 3nvolvimento em casos de corrupção na Casa Civil.

Durante a missa, a chegada de Serra e seus apoiadores causou um tumulto. O padre pediu que os políticos não atrapalhassem o objetivo principal da cerimônia que era a adoração a São Francisco. No momento da comunhão, muitos fiéis se aglomeraram em volta do candidato para tirarem fotos, além de equipes da imprensa do programa do candidato.

Fonte: Agência Brasil