Serra defende projeto de cobrança em hospital público em SP

E diz que críticas são trololó político

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), afirmou nesta quinta-feira (3) que as críticas ao uso de parcerias com as OSs (organizações sociais) na área da saúde, permitindo o atendimento de pacientes particulares nos hospitais públicos, são "trololó político da ala sindicalista do PT".

A Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou na quarta (2), por 55 votos a 17, o projeto de lei que permite que todos os hospitais estaduais sejam terceirizados e, apesar de públicos, atendam a pacientes particulares e de planos de saúde, mediante cobrança. Questionado sobre quando será sancionadoo projeto, Serra respondeu que ainda não viu a versão final do documento, que "será analisado pela Casa Civil".

São Paulo aprova cobrança em hospital público

O Ministério Público afirmou que, assim que a norma entrar em vigor, ajuizará ações contra a sua execução; para o MP, a futura lei fere os princípios de igualdade e universalidade do SUS (Sistema Único de Saúde), pois cria um tratamento distinto aos pagantes

José Serra afirmou que a legislação permite esse tipo de parceria nas novas unidades de saúde e que a medida ajuda a baixar o custo e aumentar os atendimentos. "Nas unidades administradas desta forma, o custo de manutenção é, em média, 10% menor, e o atendimento, 25% maior", estimou o governador.

Serra evitou comentar sobre os projetos que tratam do pré-sal e sobre a saída do tucano Andrea Matarazzo da Secretaria das Subprefeituras de SP da administração Gilberto Kassab (DEM).

A afirmação foi feita em inauguração oficial no instituto de reabilitação Lucy Montoro, na Vila Andrade, zona sul de São Paulo. O hospital será administrado em uma parceria com a fundação da Faculdade de Medicina da USP.

Fonte: AE