Servidores pedem que caso Cachoeira não termine em pizza

Servidores pedem que caso Cachoeira não termine em pizza

Audiência em Goiânia ouve nesta quarta (25) acusados por jogos de azar

Membros do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciario de Goiás (Sinjufego) realizaram uma manifestação na porta da Justiça Federal, em Goiânia, na tarde desta quarta-feira (25), pedindo a condenação dos envolvidos na Operação Monte Carlo, que desbaratou esquema de jogos ilegais no estado supostamente comandado pelo bicheiro Carlinhos Cachoeira. Num cartaz, eles pediram que o processo não termine em "pizza".

Desde terça (24), acontecem no local as audiências do caso, para ouvir testemunhas e réus. Por volta das 16h52 desta quarta, o bicheiro começou a depor. Antes, foram ouvidos quatro policiais, chamados para testemunhar contra os acusados, e duas testemunhas de defesa.

O grupo aproveitou para pedir aumento de salários e distribuir pizza para populares e profissionais da imprensa que estavam no local. "Atrás desse processo que ocorre aqui [audiências da Operação Monte Carlo], tem sempre por traá desse trabalho os servidores da Justiça Federal, que estão há mais de seis anos sem reajuste nos salários", afirmou o presidente da Sinjugego, João Batista Moraes Vieira.

"Também queremos chamar a atenção da sociedade para que todo esse gasto empregado nessas audiências não termine em pizza", completou depois o dirigente sindical.

No intervalo dado pelo juiz antes de começar a ouvir os réus, Andressa Mendonça saiu da sala de audiência e pediu orações pelo marido: "Ele precisa de muita oração". Imagens de um cinegrafista da TV Anhanguera, feitas nesta quarta-feira, mostram a foto principal do celular de Andressa Mendonça, mulher de Cachoeira. A imagem mostra o casal sorridente.

Fonte: G1