Sete milhões de eleitores votarão com sistema biométrico no Brasil

O número representa 5,5% do total de 138,7 milhões de eleitores.

Mais de sete milhões de brasileiros vão votar no domingo em urnas eletrônicas com sistema biométrico, que permite a identificação do eleitor com impressão digital. O número representa 5,5% do total de 138,7 milhões de eleitores que vão escolher seus prefeitos e vereadores.


Sete milhões de eleitores votarão com sistema biométrico no Brasil

Os escolhidos para usar o modelo biométrico cadastraram previamente suas impressões digitais nos cartórios eleitorais de seus Estados depois de receberem comunicado da Justiça Eleitoral. Só Alagoas e Sergipe terão todas as urnas com o sistema biométrico. Segundo o TSE, a implantação do sistema neste ano custou R$ 27,9 milhões para os cofres públicos.

Pelo modelo, o eleitor coloca sua digital em um leitor acoplado à urna que faz a sua identificação. A urna é liberada para o voto depois que a digital confere com aquela que consta no banco de dados da Justiça Eleitoral. O leitor digital fica em poder do mesário da sessão.

O TSE ainda não dispensou os eleitores de levarem os títulos e um documento com foto mesmo nas localidades onde a votação será por meio da urna biométrica. A meta da Justiça Eleitoral é disponibilizar o novo sistema em todo o país somente em 2018.

Quando o uso da urna biométrica for universal, o tribunal afirma que a impressão digital será o único instrumento necessário para o eleitor exercer o direito do voto. A cada eleição o TSE vai adquirir urnas para ampliar o modelo gradativamente.

No pleito de domingo, o sistema biométrico será usado em 229 municípios de 24 Estados. Em São Paulo, quatro cidades vão adotar o modelo: Sales de Oliveira, Nuporanga, Jundiaí e Itupeva.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) diz que o novo modelo aumenta a segurança da votação, uma vez que a urna só é liberada após a confirmação da impressão digital.

O objetivo da Justiça é reduzir as tentativas de fraude ao buscar no banco de dados a impressão digital dos eleitores. Outra vantagem, segundo o tribunal, é acelerar o processo da votação --uma vez que o mesário não terá que conferir toda a documentação do eleitor futuramente.

Nas eleições de 2008 e 2010, o modelo das urnas biométricas foi implantado de forma experimental pela Justiça Eleitoral. Os Estados do Amazonas, Roraima e o Distrito Federal ainda não iniciaram o recadastramento dos eleitores para dar início ao uso da biometria.

Nos demais Estados, há pelo menos um município que vai adotar o modelo no domingo.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br