Silvio Berlusconi é agredido com soco no rosto na Italia

Silvio Berlusconi é agredido com soco no rosto



O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, levou um soco no rosto depois de sair de uma reunião neste domingo em Milão, na Itália. Ele saiu com sangue nos lábios devido ao golpe. O ferimento foi causado por um manifestante.

Berlusconi foi retirado do local em um carro. O primeiro-ministro italiana foi levado para o hospital. Um homem foi preso.

Com informações da Reuters

/ mundo / silvio berlusconiCELULAR RSS O Portal de Notícias da Globo

13/12/09 - 18h15 - Atualizado em 13/12/09 - 18h43

Polícia italiana identifica agressor de Berlusconi

Massimo Tartaglia, de 42 anos, é apontado com autor da agresão.

Ele está em tratamento psicológico há dez anos, em Milão.

O homem que agrediu neste domingo (13) o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, durante um ato político em Milão foi identificado pela Polícia como Massimo Tartaglia, de 42 anos.

Segundo a Polícia, Tartaglia não tem antecedentes criminais e teve sua carteira de motorista apreendida há alguns meses.

De acordo com fontes da investigação policial, o agressor de Berlusconi passa por tratamento psicológico há dez anos em um hospital de Milão

O primeiro-ministro italiano foi agredido neste domingo (13) ao final de um comício de seu partido, Povo da Liberdade (PDL), na praça do Duomo, em Milão, e teve que ser hospitalizado.

Com a boca ensanguentada, Berlusconi foi retirado imediatamente em um carro oficial do local do comício e foi levado para o hospital San Raffaele.

Massimo Tartaglia é detido como suposto agressor de Berlusconi (Foto: Livio Anticoli/AFP)

O incidente ocorreu depois que o primeiro-ministro desceu do palanque no qual tinha discursado e saudou os presentes ao ato antes de entrar no carro oficial, momento no qual Tartaglia aproveitou para agredi-lo.

"Palhaço"

Tudo isso aconteceu depois de o primeiro-ministro ter sido interrompido durante seu discurso, transmitido ao vivo pela televisão, pelos protestos de opositores que pediam sua renúncia e o chamavam de "palhaço".

Berlusconi se irritou e gritou de volta "vergonha" pelo menos três vezes.

O ministro da Defesa italiano, Ignazio La Russa, quem participou do comício do PDL em Milão, disse após a agressão, em declarações ao canal de notícias "Rai24", que o primeiro-ministro esteve moderado "como nunca".

Imediatamente após a agressão, os principais líderes políticos italianos condenaram o ocorrido.

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, expressou através de um comunicado de imprensa sua "mais firme condenação ao grave e impulsivo gesto de agressão" contra Berlusconi, a quem transmitiu sua solidariedade.

Fonte: AE