Temer: "Disputa por cargos no governo Dilma "amainou"

O PMDB está momentaneamente satisfeito com os cargos que ocupa no governo da presidente Dilma

O PMDB está momentaneamente satisfeito com os cargos que ocupa no governo da presidente Dilma Rousseff, afirmou nesta segunda-feira o vice-presidente Michel Temer, que disse ter orientado a bancada do partido a agir com responsabilidade no Congresso. "Já amainou. O PMDB já conseguiu os ministérios que conseguiu e teve até uma redução na sua densidade ministerial", afirmou Temer, que é presidente licenciado do PMDB.

Temer reuniu-se com o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e com o prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes, seus colegas de legenda, no Rio, onde participou de um congresso sobre a Justiça.

O vice-presidente comentou ainda a distribuição de cargos no segundo escalão da administração federal e negou a possibilidade de retaliação no Congresso por eventuais peemedebistas insatisfeitos. "Quando esse problema (cargos no segundo escalão) vier, o PMDB e os outros partidos vão examinar", disse, ao afirmar que ele mesmo propôs que a discussão sobre o segundo escalão fique para depois da eleição para presidência da Câmara dos Deputados. "Não haverá isso (retaliação). Nem da parte do PMDB nem dos demais partidos. O Congresso brasileiro é absolutamente responsável", disse.

Recentemente parlamentares do PMDB sinalizaram que poderiam usar a definição do valor do salário mínimo para pressionar o governo por um espaço maior nas nomeações para o segundo escalão. O líder do partido na Câmara, Henrique Eduardo Alves, chegou a afirmar que os peemedebistas precisavam ser convencidos pelo governo do valor proposto inicialmente pelo Planalto, de R$ 540.

Na sexta-feira, no entanto, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que afirmara que Dilma vetaria qualquer valor acima de R$ 540, anunciou que o governo editará uma medida provisória estabelecendo o valor do mínimo em R$ 545 a partir de 1° de fevereiro. O valor de R$ 540 para 2011 havia sido anunciado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva antes de deixar o cargo.

Fonte: Terra, www.terra.com.br